Impotente e frágil sem os outros

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Francisco denuncia: “Ouvimos mais as empresas multinacionais do que os movimentos sociais. Falando claramente, ouvimos mais os poderosos do que os fracos e este não é o caminho”

    LER MAIS
  • Prefeito da Doutrina da Fé pede para que padre irlandês, defensor da ordenação de mulheres, faça os juramentos de fidelidade aos ensinamentos da Igreja

    LER MAIS
  • Fogo no Pantanal mato-grossense começou em fazendas de pecuaristas que fornecem para gigantes do agronegócio

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


07 Abril 2020

"A cela do mosteiro pode se tornar a cela do prisioneiro. É por isso que nos sentimos mais próximos do que nunca daqueles que são forçados a viver em um alojamento, em um espaço pequeno, no anonimato das cidades e em uma solidão que não pertence à vocação humana".

O comentário é do monge italiano Enzo Bianchi, fundador da Comunidade de Bose, publicado por La Repubblica, 06-04-2020. A tradução é de Luisa Rabolini.

Eis o texto.

Precisamente porque a pandemia não olha na cara de ninguém e gera medo em todos, até em nós, monges, que embora tenhamos uma "vida diferente", sofremos e esperamos como os outros, com sentimentos, emoções e atitudes moldadas pelo nosso modo de viver. Continua sendo verdade que nós, monges, deveríamos ser treinados para observar essas restrições. De fato, passamos a maior parte das horas e dias vivendo em uma cela, em uma condição de solidão e silêncio; e quando estamos juntos para a oração, as refeições ou a comunicação fraterna, desfrutamos do sóbrio consolo de estarmos próximos uns dos outros.

Nós conhecemos especialmente a dificuldade de ficar sozinho, em um silêncio que não é vazio, mas permite a escuta, exercício do pensamento, a leitura, a oração. Todo mundo conhece o lema monástico "ora, lege et labora", que é "ore, leia e trabalhe". Sim, estar em uma cela significa uma luta corpo a corpo com os maus pensamentos, com os impulsos animalescos que nos habitam, com os abismos infernais do desespero e com o tédio, a acídia, ou seja, a aversão pela vida interior. A cela do mosteiro pode se tornar a cela do prisioneiro. É por isso que nos sentimos mais próximos do que nunca daqueles que são forçados a viver em um alojamento, em um espaço pequeno, no anonimato das cidades e em uma solidão que não pertence à vocação humana.

Agora que passam a faltar muitos empregos na comunidade, especialmente aqueles ligados à hospitalidade, que está suspensa, há mais tempo para orar. E muitos hóspedes esperam de nós especificamente esse serviço de oração, de intercessão, que aumentou neste período trágico. Mas a nós, monges, não basta orar. Fazemos isso com assiduidade e convicção, mas não é o objetivo de nossa vida.

A oração continua sendo um meio, um instrumento para aumentar a caridade humana mútua: o único fim da vida de todo cristão é de fato o amor ao próximo.

Por outro lado, a vida monástica sempre teve como elemento essencial a hospitalidade ao pobre, ao viajante e ao que está em busca. Se faltam os hóspedes, não há possibilidade de exercer o serviço ao outro; ser visitados pelo próprio Cristo, como escreve a Regra de Bento ecoando o Evangelho; do encontro de rostos e da beleza dos abraços. Se faltam os hóspedes, falta algo essencial à nossa vida monástica cenobítica.

Nestes dias nos sentimos impotentes: não podemos sair do mosteiro, não temos o ministro dos presbíteros, chamados a estar no meio do rebanho para acompanhar todos e confirmar na fé e na esperança.

Podemos nos engajar em formas de ajuda econômica, pelo menos para aqueles que sofrem de escassez ou mesmo fome, e com os meios de comunicação possíveis, devemos manter vivas as relações e alcançar as pessoas sozinhas, frágeis, deficientes e idosas que vivem estes dias com dificuldade e angústia. Mas como nos sentimos impotentes, e todos frágeis, no mesmo barco!

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Impotente e frágil sem os outros - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV