Diante do Covid-19, mundo precisa reforçar a solidariedade, dizem luteranos

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “A mulher precisa, e as religiosas sobretudo, sair daquele papel de que ela é inferior”. Entrevista com a Ir. Maria Freire

    LER MAIS
  • A Economia de Francisco. ‘Urge uma nova narrativa da economia’. A vídeomensagem do Papa Francisco

    LER MAIS
  • “A eleição de uma mulher negra parecia um muro intransponível”. Primeira mulher negra eleita vereadora em Curitiba fala sobre o racismo na cidade

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


03 Abril 2020

“Deus não fala através de um vírus. Deus fala através de Jesus Cristo”, como revelado nas Escrituras, frisaram o presidente da Federação Luterana Mundial (FLM), arcebispo Dr. Musa Panti Filibus, e o secretário-geral, Dr. Martin Junge, reagindo a tendências teológicas que interpretam o Covid-19 como um castigo divino contra nacionalidades específicas ou étnicas.

A reportagem é de Edelberto Behs, jornalista, já foi professor e coordenador do curso de Jornalismo da Universidade do Vale do Rio dos Sinos – Unisinos.

Reportando-se a interpretações que vinculam a pandemia do coronavírus à segunda vinda de Cristo ou ao fim do mundo, Filibus e Junge instaram, em carta pastoral dirigida às 148 igrejas membros, em 99 países, a permanecerem firmes nas palavras de Cristo: ninguém, a não ser Deus, sabe o dia e a hora em que esse momento chegará.

Eles conclamaram as igrejas membro a rechaçarem qualquer acusação contra indivíduos ou grupos apontados como culpados ou responsabilizados pelo Covid-19. “Este é um momento para estarmos junt@s e apoiarmo-nos mutuamente. O mundo não necessita mais estigma nem violência, mas cooperação e solidariedade”, defenderam.

Filibus e Junge manifestaram grande preocupação com àquelas comunidades que insistem em se reunir fisicamente para culto. Esse desafio se alicerça, às vezes, na suposição de que o vírus só afeta pessoas de determinadas regiões do mundo, ou numa narrativa teológica segundo a qual o sangue de Cristo limpa a vida de crentes e, por isso, @s protege do Covid-19.

Os líderes luteranos instaram as igrejas que atentem às restrições divulgadas por autoridades sanitárias e sigam as medidas de contenção à propagação do vírus. Solicitaram, ainda, que as igrejas ensinem, com diligência, humildade e responsabilidade, a narrativa da tentação de Jesus no deserto. Ela ajuda a compreender que “a fé nunca deve ser propícia a provar e tentar o poder de Deus. A fé em Deus Trinitário, ao contrário, capacita-nos a passar esse tempo de prova em esperança e com coração amoroso às pessoas mais vulneráveis ao Covid-19 e suas consequências”.

No domingo da Páscoa, 12 de abril, a Federação Luterana Mundial (FLM) sugere às igrejas membro relembrarem a história do Cristo ressuscitado, que vai ao encontro dos seus discípulos reclusos numa casa, com as portas trancadas, pois tinham medo do que poderia lhes ocorrer.

“Que história para ler e sobre ela refletir nesses dias. É como se tivesse sido escrita para nós: fechad@s, às vezes sentindo medo ou ansiedade, perguntando o que virá em seguida. Ainda assim, somos visitados, encontrados pelo Senhor ressuscitado”, arrolaram Filibus e Junge.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Diante do Covid-19, mundo precisa reforçar a solidariedade, dizem luteranos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV