Igreja orienta ministr@s em casos de velório e sepultamento

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


30 Março 2020

Mesmo com a emissão do Decreto 10.292, assinado pela presidência da República no dia 25, que arrola as atividades religiosas de qualquer natureza entre os serviços públicos e atividades essenciais, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) orientou seus bispos, se assim o entenderem, a deixarem os templos católicos abertos, porém só para orações individuais, sem celebrações massivas.

Já a presidência e pastor@s sinodais da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB) mantiveram, depois da divulgação do decreto, a orientação de suspender, por tempo indeterminado, todas as atividades comunitárias que envolvem encontros presenciais de fiéis. “Nossa preocupação primeira é com a vida”, justificaram.

A informação é de Edelberto Behs, que foi professor e coordenador do curso de Jornalismo da Universidade do Vale do Rio dos Sinos – Unisinos.

Dias antes, a IECLB emitiu instrução a respeito de ofícios fúnebres em tempos de coronavírus. “Em meio ao sofrimento, temos a missão de acompanhar com empatia, confortar e proclamar a esperança da ressurreição”, afirmaram seus líderes, anunciando que a participação em velório e sepultamento é “uma das expressões de solidariedade e amparo comunitário”.

A pandemia do coronavírus restringe, contudo, essa solidariedade. “Dar as mãos, abraçar e beijar são gestos de afeto importantes em situações de luto, mas devem ser evitados neste momento. Da mesma forma, não se deve tocar o corpo da pessoa falecida”, reza a recomendação pastoral.

A realização de velórios e sepultamentos seguem legislação civil, que observam deliberações dos órgãos de saúde e de vigilância sanitária nas instâncias nacional, estadual e municipal.

Nesse período de pandemia, a recomendação da IECLB é que seja observado o número máximo de pessoas num velório. “De preferência, somente pessoas que pertencem ao núcleo familiar deveriam permanecer no recinto. Deixar o momento da despedida reservado para a família”, assinala a orientação.

Sempre que possível, realizar a celebração em local aberto, ao ar livre, e não distribuir Bíblias, hinários e materiais impressos para a ocasião. Corais não devem cantar nas celebrações, que deve ser mais breve que a usual. Também recomenda disponibilizar material para higienização das mãos em local visível e acessível.

Pastor@s devem instruir fiéis para que, se indispensável, façam uma visita breve ao local do velório e que evitem viagens ou locomoções em transporte público. “Como alternativa à visita [presencial], estimular a enviar condolências por telefone e outros meios de comunicação digital”.

Numa celebração com tantas restrições, admite a IECLB, “é importante manter o uso da veste litúrgica para sinalizar a presença da Igreja e fortalecer a ideia de que houve sepultamento digno”. Ministr@s devem portar álcool em gel 70%, desinfetar maçanetas, volante e painel do veículo, não dar carona e, ao chegar em casa, precisa deixar os calçados do lado de fora, tomar banho imediatamente e colocar as vestes litúrgicas e a roupa usada na celebração para lavar.

“Cuidem da saúde de vocês e de suas famílias. Tomem todas as medidas preventivas possíveis. Colegas que fazem parte do grupo de risco: tomem medidas de prevenção ainda mais vigorosas”, recomenda a IECLB.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Igreja orienta ministr@s em casos de velório e sepultamento - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV