Imensa maioria de homens e mulheres tem preconceito contra mulheres

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Nice, consternação no Vaticano com a bofetada à fraternidade humana

    LER MAIS
  • Naturalizamos o horror? Artigo de Maria Rita Kehl

    LER MAIS
  • Católicas, sim, pelo Direito de Decidir!

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


18 Março 2020

Estudo da ONU Mulheres documenta o longo caminho a percorrer para alcançar a igualdade entre homens e mulheres.

A reportagem é publicada por ONU News, 06-03-2020. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

Um estudo que inclui dados de 75 países que compõem 80% da população mundial, destaca que, apesar de décadas de progresso em direção à igualdade entre homens e mulheres, quase 90% da população mantém algum tipo de preconceito contra as mulheres.

O relatório, do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), usa um Índice de Normas Sociais de Gênero para medir como esses preceitos podem impedir a igualdade de gênero em áreas diferentes, como política, trabalho e educação.

Segundo o índice, "aproximadamente metade dos homens e mulheres do mundo considera que os homens são melhores líderes políticos do que as mulheres".

Da mesma forma, “mais de 40% acredita que os homens são melhores executivos de negócios e que têm mais direitos para ocupar um emprego quando o trabalho é escasso. 28% das pessoas acreditam que o marido é justificado em bater na esposa”.

Além disso, contém informações sobre mudanças no viés de gênero em cerca de 30 países. Entre eles, ele destaca algumas melhorias, como a de homens no Chile, Austrália, Holanda e Estados Unidos; e o das mulheres nos três primeiros países mencionados mais a China.

No entanto, a maioria das nações estudadas mostrou um declínio na proporção de mulheres sem preconceitos em relação às normas sociais de gênero.

Houve progresso nas últimas décadas para garantir que as mulheres tenham o mesmo acesso aos serviços básicos que os homens, como a paridade na escola primária e a diminuição da mortalidade materna em 45% desde 1990.

Mas além deles, “diferenças de gênero ainda são evidentes em outras áreas, especialmente naquelas que questionam as relações de poder e exercem mais influência para obter uma igualdade real. No momento, a luta pela igualdade de gênero é uma história de preconceitos e preconceitos”, disse Pedro Conceição, diretor do Escritório de Relatório de Desenvolvimento Humano do PNUD.

Lacunas econômicas, políticas e comerciais

O relatório analisa as razões pelas quais ainda existem grandes “diferenças de poder” entre homens e mulheres nas esferas econômica, política e empresarial, apesar do progresso em direção à igualdade em áreas como educação e saúde, bem como na remoção de obstáculos legais à participação política e econômica das mulheres.

"Embora homens e mulheres votem em proporções semelhantes, menos de 24% dos assentos parlamentares no mundo são ocupados por mulheres e apenas 10 dos 193 chefes de governo do mundo são mulheres", aponta o estudo.

A seguir, menciona-se que na área trabalhista “a remuneração das mulheres é menor que a dos homens e é muito menos provável que eles ocupem cargos de gerência: menos de 6% dos CEOs de empresas do índice S&P 500 (um dos maiores índices de ações da América) são mulheres. E embora as mulheres trabalhem mais horas do que os homens, é mais provável que seja um trabalho não remunerado", diz o relatório.

“O trabalho que tem sido tão eficaz para garantir o fim das diferenças em áreas como saúde e educação deve agora evoluir e abordar algo muito mais complexo: preconceito profundo - entre homens e mulheres - contra a verdadeira igualdade. As políticas atuais, apesar de suas boas intenções, têm escopo limitado”, disse Achim Steiner, administrador do PNUD.

A agência da ONU pediu aos governos e instituições que apliquem uma nova série de políticas destinadas a mudar as normas e práticas sociais discriminatórias por meio da educação, maior conscientização social e aplicação de novos incentivos.

Por exemplo, pagando impostos que promovam o compartilhamento equitativo de responsabilidades com a assistência à infância ou incentivando mulheres e meninas a entrar em setores tradicionalmente dominados por homens, como militares e tecnologia da informação.

O diretor interino da Equipe de Gênero do PNUD, Raquel Lagunas, indicou que movimentos a favor dos direitos das mulheres, como o #MeToo (Eu também) "mostram que novas alternativas são necessárias para um mundo diferente" e acrescentou a necessidade de se começar a trabalhar imediatamente.

"Devemos agir agora para superar os obstáculos apresentados por preconceitos e preconceitos, se queremos avançar na velocidade e escala necessárias para alcançar a igualdade de gênero e a visão incorporada, há mais de duas décadas, e nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável”, abordou.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Imensa maioria de homens e mulheres tem preconceito contra mulheres - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV