Acolhimento e integração dos migrantes, uma preocupação crescente para a Igreja dos Estados Unidos

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Segunda onda da covid-19 no Brasil é ‘risco iminente’, alerta Nicolelis

    LER MAIS
  • A horripilante foto eleitoral da ‘terrorista de direita’

    LER MAIS
  • Os ricos do mundo mais ricos com a covid

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


16 Março 2020

A migração é uma realidade ligada à condição humana, incluindo a dimensão da fé das grandes religiões monoteístas, que temos como pai comum um aramaico errante. Os Estados Unidos são um país de migrantes, que ao longo dos séculos chegaram a essas terras. Entre eles estão cerca de 60 milhões de latinos, um grupo que cresceu mais de 25% nos últimos 10 anos e que hoje constitui 18% da população total do país.

A reportagem é de Luis Miguel Modino.

Hoje, os migrantes continuam chegando aos Estados Unidos, especialmente hondurenhos e guatemaltecos, que em numerosas caravanas deixam seus países em busca de uma sorte que nem sempre conseguem. Muitos são vítimas de estupro, abuso e tráfico de pessoas, causando trauma e angústia que continuam ao longo do tempo. De fato, muitos não se registram no país por medo de serem deportados.

A isso se somam as separações familiares, pais que migram e deixam os filhos pequenos aos cuidados dos avós, que em muitos casos só se vêem 10 ou 15 anos depois, com as conseqüências disso, pois é um encontro entre pessoas que não se conhecem. O mesmo pode ser dito dos chamados migrantes de segunda geração, que não são daqui nem de lá, adolescentes que participam da cultura americana e não entendem a cultura que seus pais trouxeram de seus países de origem, que eles vivem em suas casas, causando um conflito entre o que vêem na rua e em sua própria casa.

Pouco a pouco, a Igreja Católica nos Estados Unidos assumiu a necessidade de acompanhar a vida dos migrantes. Isso é realizado pelo Padre Edgardo Jara, um franciscano nascido na Costa Rica, que trabalha na arquidiocese de Washington, na paróquia de San Camilo, onde existem até cem nacionalidades, e Lia Salinas, que aos 12 anos deixou El Salvador. Hoje ela trabalha no Ministério Hispânico da Arquidiocese de Baltimore.

Os migrantes latinos geralmente trabalham sem contrato, sem seguro de saúde e com grande insegurança no emprego, em restaurantes, empresas de limpeza, construção, trabalhando de 10 a 12 horas por dia, com as quais só conseguem pagar suas contas e enviar um pouco para os parentes que estão em seus países de origem, sendo sua grande preocupação resolver o imediato. Eles moram aglomerados em pequenos apartamentos, muito longe de seus locais de trabalho, pelos quais pagam aluguéis muito altos, são forçados a comer comida de baixa qualidade e qualquer evento imprevisto, como uma grande nevasca que impede o trabalho por vários dias, é uma grande dor de cabeça, quase sempre resolvida com a solidariedade das pequenas comunidades eclesiais das quais fazem parte. De fato, muitos migrantes encontram seu lar nas paróquias.

(Foto: Luis Miguel Modino)

Segundo o padre Lalo Jara, como é conhecido, os migrantes latinos são pessoas muito piedosas, que preservam sua cultura. Mas, de acordo com o franciscano, nem todas as paróquias têm essa dimensão multicultural, nem todas as dioceses, bispos, padres amam a comunidade latina, embora também seja verdade que os bispos estejam dando cada vez mais apoio e que os bispos latinos tenham cada vez mais responsabilidade na Igreja local, a ponto de Dom José Horacio Gómez, nascido no México, ser arcebispo de Los Angeles, a diocese com o maior número de católicos no país e presidente do episcopado americano.

No caso da arquidiocese de Baltimore, das 140 paróquias, 21 têm missas em espanhol ou ministério hispânico. Também não podemos esquecer as dificuldades econômicas pelas quais muitas dioceses americanas estão passando atualmente como resultado da compensação que elas têm de pagar às vítimas de abuso de clérigos. Essa falta de recursos também corta o que é destinado à caridade.

Alem disso, a população latina tem aumentado em grande medida em alguns estados. No estado de Maryland, nos últimos 10 anos, a população hispânica triplicou. Isso levou a arquidiocese de Baltimore a promover no nível arquidiocesano e em suas paróquias a presença de hispânicos que ajudam os migrantes latinos que chegam, embora seja verdade, segundo Lia Salinas, que essa recepção não seja realizada em todas as paróquias. Ela trabalha no Ministério Hispânico da arquidiocese, uma realidade presente na Igreja dos Estados Unidos, onde é comum contratar leigos, geralmente mulheres, para realizar o trabalho pastoral.

Outra realidade que causa reflexão entre a comunidade católica hispânica nos Estados Unidos é a juventude. De acordo com Lia Salinas, na grande maioria, a geração de seus filhos não se sente acolhida na Igreja e não concorda com o modo de ser Igreja nos Estados Unidos, questionando abertamente suas decisões, muitas vezes se sentindo apenas identificada com o trabalho social que acontecem na igreja.

Outro elemento importante é que o catolicismo vivido nos Estados Unidos é muito diferente daquele que os latinos tinham em seus países de origem. A influência protestante, reconhece o padre Jara, determinou o catolicismo americano. A presença de grupos carismáticos na Igreja Americana é muito grande, o que também influencia a vida das comunidades eclesiais de base locais, que estão gradualmente crescendo em seu compromisso social.

(Foto: Luis Miguel Modino)

Segundo o franciscano, um padre de uma comunidade latina nunca terá descanso. Há muitos grupos e pastorais a serem acompanhados, o que faz com que nem todos desejem ir a essas paróquias. Nos Estados Unidos, há cada vez mais padres vindos de diferentes países da América Latina para acompanhar essas comunidades, embora em alguns casos, em vez de resolver situações, seja a fonte de novos problemas.

A influência do catolicismo conservador nos Estados Unidos, que possui uma mídia influente, é muito grande. Ninguém escapa de que a Igreja dos Estados Unidos é uma das mais claramente posicionadas contra o Papa Francisco, uma posição em que a grande maioria da comunidade hispânica não participa, que se sente orgulhosa e profundamente identificada com o primeiro papa latino-americano .

Outra realidade muito presente nos Estados Unidos é a crescente influência da religião na política. O atual presidente, Donald Trump, se apresentou como o santo cristão, como o defensor da família e contra o aborto, algo que contradiz outras atitudes claramente anti-vida. Até muitos hispânicos votaram nele nas últimas eleições presidenciais, com medo de um afluxo maciço de migrantes que podem se tornar concorrentes no mercado de trabalho. De fato, muitos padres e bispos americanos apoiam as políticas republicanas.

(Foto: Luis Miguel Modino)

Aos poucos, a Pastoral dos Migrantes está surgindo em muitas dioceses, onde os migrantes ajudam outros migrantes. É uma Igreja que chega à fronteira com o México para ajudar os recém-chegados, cada vez mais ameaçados pelas políticas do Presidente Trump. Nesse sentido, Lia Salinas reconhece que podem lidar com tudo, o que exige a necessidade de promover um voluntariado que ajude a estar ao lado daqueles que chegam, muitas vezes com quase nada, que esperam encontrar na Igreja, que sempre eles se sentiram parte, na qual participaram em seus países de origem, a mão de Deus que não entende de fronteiras.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Acolhimento e integração dos migrantes, uma preocupação crescente para a Igreja dos Estados Unidos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV