Chile. Carta do padre Mariano Puga: os protestos, a Igreja em Saída e a Eucaristia

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Três grandes ameaças à vida na Terra que devemos enfrentar em 2021. Artigo de Noam Chomsky e Vijay Prashad

    LER MAIS
  • “A pandemia demonstrou as consequências de 40 anos de neoliberalismo”, avalia Joseph Stiglitz

    LER MAIS
  • Uma fala irresponsável!

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


06 Março 2020

"Na última terça-feira, às 10h30min no pátio do Centro de Justiça de Santiago, celebramos a Ceia do Senhor Jesus entre centenas de pessoas que sonhamos com um Chile diferente. Ao conhecer a realidade sociopolítica dos familiares das vítimas notei que muito poucos deles se sentiam em comunhão na Igreja, ainda que muitos admirem Jesus e sua mensagem", escreve o padre Mariano Puga, padre operário chileno, em carta publicada por Il Sismógrafo, 04-03-2020. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

Mariano Puga está em delicado estado de saúde devido a um câncer linfático. Sua carta foi escrita em seu leito no Hospital Clínico da Universidade Católica, de Santiago, Chile, onde esteve internado até sexta-feira. A Comunidade La Minga, na qual vive, comunicou que o padre já está em casa, com a saúde ainda frágil. 

 

Eis a carta.

Irmãos padres,

Na última terça-feira, às 10h30min, no pátio do Centro de Justiça de Santiago, celebramos a Ceia do Senhor Jesus entre centenas de pessoas que sonhamos com um Chile diferente. Em especial com os familiares dos assassinados, presos políticos, cegos, calados e encarcerados pelos protestos sociais desde 18 de outubro até agora. Fizemos também memória dos carabineros feridos, comerciantes e pessoas dos arredores que foram atropeladas em seus direitos, dos que foram atentados e violentados. “Tudo o que fizeste ao menor dos teus irmãos, a mim o fizeste” (Mt 25). Ao conhecer a realidade sociopolítica dos familiares das vítimas, notei que muito poucos deles se sentiam em comunhão na Igreja, ainda que muitos admirem Jesus e sua mensagem. Essa é a primeira impressão que tive. Nunca havia me tocado a experiência de uma “Igreja em saída” que exigia uma improvisada catequese da Eucaristia para este mundo.

O papa Francisco nos disse: “a Eucaristia não é um prêmio para os bons, mas sim a força para os fracos”, e assim repeti com todas minhas forças. A segunda impressão que tive foi ver a quantidade de pessoas que comungaram o corpo e o sangue do justo, de Jesus de Nazaré.

Durante esses meses, tratamos de comungar o corpo de Cristo, ferido, machucado, mutilado, assassinado... Não era consequente comungar com o corpo de Cristo? “Quem come o Corpo de Cristo indignamente, come sua própria condenação” (1 Cor 11, 27).

Com dor percebi que éramos somente dois padres compartilhando a Ceia do Senhor com essa massa de gente. O que é isso? É essa a Igreja em saída que nos pede o querido papa Francisco? Depois de tanta solidariedade compartilhada, com esses irmãos crucificados... Justifica-se que somente dois presbíteros tenham acompanhado esse povo no dia em que denunciávamos sua dor? Do que vale a fé se não tem obras? (Tiago 2, 14), com que Cristo comungamos?

Fraternalmente,

Mariano Puga, cura obrero
Hospital UC, 03 de Março de 2020

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Chile. Carta do padre Mariano Puga: os protestos, a Igreja em Saída e a Eucaristia - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV