A advertência do Papa para a paz em Israel: "Não a planos injustos"

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Seu bispo necessita dos seus conselhos: o que dirá a ele?

    LER MAIS
  • Só um radical ecossocialismo democrático pode mudar o horizonte

    LER MAIS
  • Dinâmica religiosa nos Estados Unidos. Artigo de José Eustáquio Diniz Alves

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


27 Fevereiro 2020

A segunda vez em um ano e meio do Papa em Bari é uma oportunidade de traçar os limites das prioridades da Igreja no Mediterrâneo, entre estes o "não" indireto ao plano de Donald Trump sobre o Oriente Médio e o pedido de intervenção da comunidade internacional na Síria. Diante de 58 bispos de dioceses na costa do Mare Nostrum, convocados pela Conferência Episcopal Italiana em uma espécie de G20 para estudar como "enfrentar – assim se pronunciou o cardeal Gualtiero Bassetti – o fenômeno migratório e não erguer barreiras", Francisco lembra "o conflito não resolvido entre israelenses e palestinos, com o perigo de soluções não justas e, portanto, precursoras de novas crises”.

A reportagem é de Paolo Rodari, publicada por Repubblica, 24-02-2020. A tradução é de Luisa Rabolini.

As recentes visitas ao Vaticano do vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, e do secretário de Estado, Mike Pompeo, não serviram para fazer mudar de ideia Bergoglio e os homens de diplomacia liderados pelo cardeal Pietro Parolin. Desde sempre para o Vaticano, a esperança é por uma Jerusalém com status especial, com judeus, cristãos e muçulmanos que vivam juntos em uma cidade de paz.

Mas a distância com Washington também é sobre a Síria. Uma das preocupações da Santa Sé é a falta de colaboração entre as grandes potências (EUA e Rússia em primeiro lugar) para gerenciar juntos a crise síria. Para Bergoglio, entre outras coisas, não é com a política das esferas de influência que a paz pode ser trazida de volta à Síria: “Na outra costa deste mar, em especial no noroeste da Síria – Francisco falou no último domingo – consuma-se uma imensa tragédia”. Por esse motivo, o "forte apelo aos atores envolvidos e à comunidade internacional, para que se silencie o barulho das armas e se ouçam as lágrimas dos pequenos e dos indefesos; para que se coloquem de lado os cálculos e os interesses para proteger a vida dos civis e das muitas crianças inocentes que pagam as consequências".

Francisco, quase sete anos após sua visita a Lampedusa no início do pontificado, chegou a Bari também para expressar sua proximidade com os migrantes. Ao fazer isso, ele não deixou de condenar aqueles que retratam de forma tendenciosa a migração como "uma invasão". "A retórica do choque de civilizações - disse ele - serve apenas para justificar a violência e alimentar o ódio". Enquanto de improviso, ele confidenciou: "Me assusta quando escuto alguns discursos de alguns líderes das novas formas de populismo: parece que estou ouvindo discursos que semeavam medo e ódio já na década de 1930".

Francisco não tem medo de estar do lado daqueles que "estão pedindo ajuda", mesmo que muitos "se fecham de sua própria riqueza e autonomia" sem notá-los. E ele condenou "a inadimplência ou, em qualquer caso, a fraqueza da política e do sectarismo", como "causas de radicalismos e terrorismo". Na Itália, mas não apenas, uma linha política está juntando prosélitos com a narrativa do choque de civilizações e da invasão de populações hostis. Não é assim que as coisas são para Francisco. "A comunidade internacional parou diante das intervenções militares, mas deveria construir instituições que garantam a igualdade de oportunidades e lugares onde os cidadãos tenham a possibilidade de se encarregar do bem comum".

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A advertência do Papa para a paz em Israel: "Não a planos injustos" - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV