“Messiah” da Netflix não é meu Jesus

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • No dia 09 de outubro de 2020, o cardeal Tolentino Mendonça abordará as contribuições de Francisco para um futuro pós-pandêmico, em conferência online

    Pandemia, um evento epocal. A encíclica Fratelli Tutti, lida e comentada por José Tolentino Mendonça, cardeal, no IHU

    LER MAIS
  • É possível o fim da espécie humana?

    LER MAIS
  • O terremoto de Bergoglio. A Secretaria de Estado fica sem carteira

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


03 Março 2020

A nova série da Netflix sobre o retorno de Jesus aos tempos contemporâneos é boa na televisão, mas ruim na teologia. No "Messiah" do serviço de streaming, al-Masih, como Jesus retornado é conhecido no Islã, é um catalisador lançado em nossos tempos turbulentos, e a emoção é assistir para ver como as pessoas respondem a ele. Ateus, judeus, cristãos e muçulmanos são todos desafiados por sua aparência.

O comentário é do jesuíta estadunidense Thomas Reese, ex-editor-chefe da revista America, dos jesuítas dos Estados Unidos, de 1998 a 2005, e autor de “O Vaticano por dentro” (Ed. Edusc, 1998), em artigo publicado por Religion News Service, 20-02-2020. A tradução é de Natália Froner dos Santos.

Eis o artigo.

Frequentemente, as personalidades e as noções preconcebidas dos personagens determinam suas respostas. Aqueles que procuram desesperadamente por esperança o abraçam, enquanto aqueles cheios de suspeitas acham que ele é uma fraude ou coisa pior. E há aqueles que querem explorá-lo para seus próprios propósitos.

Os mais interessantes são os que flutuam entre e dúvida, entre suspeita e confusão. Esses personagens representam os espectadores que o programa mantém em suspense, fornecendo evidências, primeiro de um lado e depois do outro, sobre se esse Jesus é real. (Como em qualquer série que se preze, a temporada termina com mais perguntas do que respostas.)

Tudo isso contribui para uma ótima TV, mas temo que o "Messiah" possa alimentar nossa obsessão com a segunda vinda.

Infelizmente, muitos cristãos preocupados com o "fim dos tempos" querem que Jesus volte para recompensá-los e punir seus inimigos. Essa preocupação com o retorno de Jesus tem consequências negativas em como vivemos. Pressupõe que não precisamos nos preocupar com coisas como o aquecimento global, porque o mundo vai acabar mesmo assim. Também não temos que fazer o trabalho duro de construir o reino de paz, justiça e amor do Pai, porque Jesus fará isso por nós.

As pessoas estão prevendo o retorno de Jesus por quase 2.000 anos. Eles sempre estiveram errados. Alguns desses profetas foram fraudes; muitos foram ilusórios. Com esse tipo de registro, é ingênuo ou arrogante pensar que Jesus voltará agora apenas porque estamos vivos.

As pessoas que afirmam que Jesus voltou não devem ser confiáveis. Como o próprio Jesus diz no evangelho de Mateus: "Se alguém lhe disser: 'Olha, aqui está o Messias!' ou 'Lá está ele!' não acredite. Aparecerão falsos messias e falsos profetas, e eles farão sinais e maravilhas tão grandes que enganarão, se possível, até os eleitos."

Aqueles que buscam sinais da vinda do Senhor devem lembrar as palavras de São Paulo aos Tessalonicenses: "Quanto aos tempos e estações do ano, irmãos, vocês não precisam que nada seja escrito para vocês. Pois vocês sabem muito bem que esse dia do Senhor virá como um ladrão à noite." Não haverá aviso.

Nenhum é mais claro do que Mateus, onde disse Jesus: "Daquele dia e hora ninguém sabe, nem os anjos do céu, nem o Filho, mas apenas o Pai". Por que então pensamos que meros mortais podem descobrir isso?

Jesus voltará, mas como os anjos disseram após sua ascensão: "Homens da Galiléia, por que vocês estão olhando o céu?" Pare de sonhar acordado e volte ao trabalho que Jesus deixou para você.

A série também enfatiza excessivamente os milagres, o que contribui para a boa televisão, mas transforma Jesus em um trabalhador que faz maravilhas.

Mesmo presumindo que os milagres são reais, os milagres no "Messiah" são muito diferentes dos milagres nos Evangelhos. Os milagres no "Messiah" são os de um trabalhador que faz maravilhas clássico: uma tempestade de areia destrói um exército ameaçador; ele conhece nomes e segredos de estranhos; ele desaparece quando está cercado por inimigos; ele misteriosamente escapa da prisão; ele magicamente viaja grandes distâncias sem meios aparentes; ele anda sobre a água; ele escapa de uma tentativa de assassinato. O objetivo desses milagres é provar sua autenticidade.

É verdade que os Evangelhos também mostraram Jesus fazer algumas dessas coisas, mas a maioria dos milagres bíblicos de Jesus visava ajudar as pessoas, não chamar a atenção para si mesmo. Ele curou os doentes, expulsou demônios e alimentou os famintos. Seus milagres foram sinais da chegada do reino de Deus, que veio em amor e compaixão, não em poder.

No evangelho de João, quando um oficial da realeza procura uma cura para seu filho, Jesus a princípio o rejeita. "A menos que vocês vejam sinais e maravilhas", ele diz, "vocês não acreditarão". Mas quando o pai pede a vida de seu filho, Jesus responde: “Você pode ir; seu filho viverá”. Jesus não faz milagres para ganhar seguidores; ele os faz por compaixão pelos necessitados.

Finalmente, os valores e a mensagem de Jesus em "Messiah" são confusos.

É verdade que ele encoraja as pessoas a olharem além de suas categorias sectárias e reconhecerem que Deus pode trabalhar através de qualquer pessoa. Ou, como ele diz a um juiz de imigração, "eu ando com todos os homens".

Ele também diz a um discípulo chauvinista: "Vá encontrar uma mulher e dê a ela seu lugar". E depois de destruir o ISIS, ele se torna pacífico. Ele diz a seus seguidores para enterrar suas armas antes de chegarem à fronteira com Israel.

Ele desafia os “sortudos”, que o destino abençoou ao nascer em um local de prosperidade, com fronteiras entre eles e os menos sortudos. Em Washington, ele pergunta aos que estão na terra dos livres, defendendo a liberdade e a justiça: “Quando você trouxe liberdade? Onde você causou justiça?” E quando ele finalmente se encontra com o presidente, ele diz para trazer todas as tropas para casa.

Tudo isso se encaixaria perfeitamente nas visões dos progressistas religiosos.

Mas enquanto Jesus do Evangelho prega seu Pai, a mensagem do Messiah da Netflix é muito sobre si mesmo. "Me deixar agora é perecer... Se apegue a mim." Ao mesmo tempo, ele é muito fatalista em sua abordagem da vida: "Estou aqui neste momento porque sempre estive aqui neste momento e você também", diz ele a um jovem seguidor que pergunta: "Por que você vem agora?"

Ele passa pouco tempo interagindo com as pessoas, exceto seus interrogadores e alguns discípulos escolhidos. E mesmo eles não recebem respostas diretas. Ele geralmente responde a uma pergunta com uma pergunta. Ele passa muito tempo sentado com os olhos fechados, meditando, presumo. Jesus, por outro lado, misturou-se com as pessoas, especialmente durante as refeições.

Existem poucos indícios de que o Messiah da Netflix goste de pessoas. Muitas pessoas vêm buscando curas ou direção, mas ele as ignora, alegando ter uma missão mais importante. Quando as pessoas precisam evacuar a costa da Flórida, ele diz "Deus quer o dilúvio". Sério?

E quando sua porta-voz pessoalmente selecionada transmite sua mensagem, ela é: "Se você estiver com ele, será entregue. Se não estiver, você será tomado por tornados. Por inundações. E varrido pelo grande deserto".

Em nenhum lugar temos a sensação de que "Ao ver as multidões, seu coração se comoveu de pena delas porque estavam perturbadas e abandonadas, como ovelhas sem pastor", como o Evangelho de Mateus o descreve. A única exceção é uma prostituta paga para seduzi-lo, mas que muda de ideia por causa da interação deles.

Mais importante, onde está a mensagem de compaixão de Jesus pelos famintos, nus, desabrigados, encarcerados e doentes? Ele nunca pede que seus discípulos alcancem os marginalizados e abandonados.

Em um episódio inicial, o Vaticano anuncia que ele será investigado pela Congregação para os Santos, um pequeno erro. Tal caso iria para a Congregação para Doutrina da Fé. A Congregação para os Santos lida apenas com pessoas mortas.

Mas não preciso de uma investigação do Vaticano ou da CIA para saber que esse não é o meu messias. Se esse Jesus saísse da tela e entrasse no mundo, eu não o seguiria, mesmo que ele pudesse realizar milagres. Eu vou ficar com o Jesus do Evangelho.

Mas ainda assim, estou ansioso pela segunda temporada.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Messiah” da Netflix não é meu Jesus - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV