Barcarena - Pará. “Tenho medo de morrer subterrada pela mineradora”, diz moradora

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Francisco denuncia: “Ouvimos mais as empresas multinacionais do que os movimentos sociais. Falando claramente, ouvimos mais os poderosos do que os fracos e este não é o caminho”

    LER MAIS
  • “A atual loucura digital é um veneno para as crianças”. Entrevista com Michel Desmurget

    LER MAIS
  • A religião do medo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


21 Fevereiro 2020

Na série “Vozes que Resistem” a moradora da comunidade Bom Futuro, em Barcarena, fala sobre as ameaças que recebe por denunciar a contaminação da bacia de rejeitos sólidos da mineradora norueguesa Hydro Alunorte, no Pará.

A reportagem é publicada por Amazônia Real, 17-02-2019.

Maria Salistiano Cardoso é moradora da comunidade do Bom Futuro, que fica a 100 metros da bacia de rejeitos sólidos da mineradora Hydro Alunorte, a DRS-1, em Barcarena, no nordeste do Pará. A comunidade foi uma das mais atingidas pela lama vermelha da bacia de rejeitos de bauxita da mineradora, segundo laudo do Instituto Evandro Chagas, depois de um desastre ambiental na madrugada do dia 17 para o dia 18 de fevereiro de 2018.


Maria Salistiano Cardoso. Foto: Cícero Pedrosa Neto | Amazônia Real

A moradora denunciou a contaminação das águas, das plantas, dos animais de seu pequeno sítio na comunidade. Neste vídeo da série “Vozes que Resistem”, ela conta sobre as ameaças que sofre por causa das denúncias. As ameaças partem de pessoas da própria região, mas ninguém foi preso ou investigado pela polícia.

“Eu não tenho nada a temer, eu não tenho não. Não saio daqui corrida porque eu não prejudiquei ninguém, eu não fiz mal a ninguém. Já tinha acontecido a primeira vez [desastre]; aconteceu a segunda, ninguém fez nada. Agora na terceira, todo mundo botou a boca no trombone porque era demais, era demais”.

Maria também relata que não tem mais saúde por causa da contaminação da água e do solo. “Eu tomo o açaí – e não é só eu -, mas dá diarreia em todos nós. Se eu como uma goiaba, se a gente come algum cupuaçu que dá… olha, a pupunha… tudo dá. Tudo isso. É uma coceira, uma coceira que dá no corpo da gente. Tenho cansaço. Eu não tinha uma dor de cabeça assim, de repente que me dá”.

Quando chega o mês de fevereiro e se aproxima o mês de março, Maria Salistiano Cardoso diz que o temor de um novo desastre reacende. “Tenho medo de morrer subterrada”, diz ela. Apesar das doenças e dos danos ambientais, ela diz que nunca foi indenizada pela mineradora.

A mineradora Hydro Alunorte, que é de propriedade da multinacional norueguesa Norsk Hydro, nega o vazamento da barragem de rejeitos de bauxita em 2018.

Naquele ano, segundo a prefeitura de Barcarena, 2.007 famílias – cerca de 10 mil pessoas – das comunidades de Burajuba, Vila Nova e Bom Futuro, foram atingidas pelo vazamento da bacia DRS-1.

A empresa Hydro Alunorte foi multada em R$ 20 milhões pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

Por determinação do Ministério Público Federal (MPF), a mineradora fornece água potável aos moradores há dois anos. Os rios, lagos e poços artesianos ficaram contaminados por poluentes tóxicos, conforme apontou laudos do Instituto Evandro Chaves (IEC), órgão ligado ao Ministério da Saúde.

Em 2009, quando a Hydro era sócia minoritária da Alunorte – a majoritária era a então Companhia Vale do Rio Doce -, a população de Barcarena foi exposta à contaminação de produtos tóxicos das bacias de rejeitos. Na ocasião, o Ibama aplicou três autos de infração contra a mineradora pela poluição e lançamento de bauxita no rio Murucupi. Segundo o Ibama, as multas somaram R$ 17,1 milhões.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Barcarena - Pará. “Tenho medo de morrer subterrada pela mineradora”, diz moradora - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV