Vaticano: imprensa alemã afirma que Dom Gänswein foi exonerado

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • O cálculo político de Ciro Gomes

    LER MAIS
  • Tomar a Bíblia ao pé da letra

    LER MAIS
  • A riqueza dos mais ricos cresce um trilhão durante a covid. O ranking dos patrimônios

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


06 Fevereiro 2020

O prefeito da Casa Pontifícia e secretário particular de Bento XVI teria sido exonerado para dedicar mais tempo ao ex-Papa Ratzinger, mas o Vaticano esclarece: trata-se de uma redistribuição comum das tarefas.

A reportagem é de Paolo Rodari, publicada por La Repubblica, 05-02-2020. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Suspense no Vaticano. Segundo relatos da imprensa alemã dessa quarta-feira, 5, o Papa Francisco teria “demitido” Dom Georg Gänswein, prefeito da Casa Pontifícia e secretário particular de Bento XVI.

O “Pe. Georg”, como todos o chamam do outro lado do Rio Tibre, 63 anos, permaneceu como secretário de Joseph Ratzinger após a renúncia ao sólio de Pedro em 2013.

Ele é prefeito da Casa Pontifícia desde 2012, mas, no fim da manhã dessa quarta-feira, a Sala de Imprensa vaticana esclareceu: “A ausência de Dom Gänswein durante determinadas audiências nas últimas semanas se deveu a uma redistribuição comum dos vários compromissos e funções do prefeito da Casa Pontifícia, que também desempenha o papel de secretário particular do papa emérito”.

O Tagespost escreveu: “O Papa Francisco demitiu o prefeito da Casa Pontifícia, arcebispo Georg Gänswein, por tempo indeterminado. O secretário privado do papa emérito continua sendo o chefe da Prefeitura, o escritório vaticano responsável pelas audiências públicas da papa, mas foi exonerado para poder dedicar mais tempo a Bento XVI”.

Segundo o Tagespost, jornal conservador próximo a Ratzinger, essa decisão ainda não confirmada pelo Vaticano teria se baseado na “infeliz apresentação do livro sobre o sacerdócio do cardeal Robert Sarah, ao qual Bento XVI contribuiu com um artigo”, uma apresentação que “inicialmente deu a impressão de que ambos, o papa emérito e o prefeito da Congregação para o Culto Divino, quisessem impor que o papa reinante resolvesse a questão dos viri probati proposta pelo Sínodo sobre a Amazônia”.

Mas, de acordo com outras fontes, o que está na base da decisão também pode ser simplesmente um momentâneo problema de saúde.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Vaticano: imprensa alemã afirma que Dom Gänswein foi exonerado - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV