Fórum Econômico Mundial: o “grito” do patriarca Bartolomeu: “não há lugar para a indiferença; e não há tempo para a indecisão”

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • "O pior de tudo em Manaus é a sensação de impotência"

    LER MAIS
  • O testamento de Dom Jacques Noyer, bispo francês - " “O celibato eclesiástico é uma falsa aventura"

    LER MAIS
  • “Pelo amor de Deus, nos enviem oxigênio”, apelam os bispos do Amazonas e Roraima

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


22 Janeiro 2020

Estamos todos no mesmo barco! Não há lugar para a indiferença; e não há tempo para a indecisão. Muitos dos líderes políticos e globais do mundo estão entre nós. Pedimos que sejam mais ambiciosos em sua legislação e mais tenazes em suas ações". Esse é o "grito" que será lançado esta tarde pelo Patriarca Ecumênico Bartolomeu I, no Painel "Como salvar o planeta", no contexto do 50º Fórum Econômico Mundial em Davos. Depois de Greta Thunberg, é o Patriarca a pedir uma maior ação política em favor da terra. Um discurso forte em que Bartolomeu também se faz porta-voz dos jovens que em todo o mundo saíram às ruas.

A reportagem é publicada por Agência SIR, 21-01-2020. A tradução é de Luisa Rabolini.

“Ouvimos os fatos; fomos informados pela ciência; temos previsões para o futuro. Ao contrário das gerações anteriores, não temos desculpas; não podemos dizer que não sabíamos", diz Bartolomeu. "No entanto, apesar das informações à nossa disposição, está ficando claro que infelizmente muito pouco está sendo feito." "Há uma enorme lacuna e uma imensa distância entre a cabeça, o coração e as mãos." O Patriarca, portanto, pede ao establishment político e econômico mundial, reunido em Davos, para “preencher essa lacuna; aproximar essa distância".

Resta pouco tempo: “Colocamos à prova a sustentabilidade do nosso mundo e esgotamos os recursos do nosso planeta; exploramos a terra e levamos prematuramente as espécies à extinção; o que é pior, expusemos os mais vulneráveis entre nós às consequências de nosso imprudente consumo de energia". Daí o convite à ação.

Dirigindo-se aos líderes mundiais, ele diz: “Encorajo vocês a prestarem atenção ao impulso e aos protestos de todo o mundo, não apenas para aqueles que sofrem com o impacto das mudanças climáticas, mas também para os jovens que imploram por seu futuro e pedem solidariedade entre as gerações. O mundo deles - o nosso mundo - não é negociável! O mundo está esperando; o mundo está assistindo. Somos responsáveis por nossas ações inadequadas e incoerentes. Somos responsáveis pelo papel que desempenhamos na difícil situação dos refugiados e pela contribuição que estamos dando às calamidades naturais. Para alguma misteriosa conexão que nem sempre entendemos (e às vezes optamos por ignorar), a Terra nos lembra nossa vocação de proteger a ela e aos seus recursos naturais, de preservar e apoiar as gerações futuras. Seremos julgados pela urgência com que reagimos à crise ecológica da nossa época".

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Fórum Econômico Mundial: o “grito” do patriarca Bartolomeu: “não há lugar para a indiferença; e não há tempo para a indecisão” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV