Ecos das jornadas de 2013

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “A mulher precisa, e as religiosas sobretudo, sair daquele papel de que ela é inferior”. Entrevista com a Ir. Maria Freire

    LER MAIS
  • Governo Bolsonaro deixa estragar 6,8 milhões de testes de covid-19

    LER MAIS
  • A Economia de Francisco. ‘Urge uma nova narrativa da economia’. A vídeomensagem do Papa Francisco

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


09 Janeiro 2020

"Não adianta eleger um bode expiatório para explicar a assunção da extrema direita protofascista como resultado externo aos desacertos cometidos em 2013 por quem estava no centro do poder. A cantilena da corrupção associada exclusivamente ao PT teve ampla adesão da sociedade. Isso porque a população se encontrava insatisfeita com os limites da inserção via consumo e exigia, principalmente nos espaços urbanos, o direito efetivo à cidade".

A análise é de Robson Sávio Reis Souza, pós-doutor em Direitos Humanos, doutor em Ciências Sociais, coordenador do Núcleo de Estudos Sociopolíticos da PUC Minas, onde também é professor do Departamento de Ciências da Religião, membro da Sociedade Teologia e Ciências da Religião (Soter) e vice-presidente do Conselho Estadual de Direitos Humanos de Minas Gerais.

Eis o artigo. 

O ex-presidente Lula, em recente entrevista, disse que os EUA estavam por trás das jornadas de junho de 2013 a articularem um movimento golpista no Brasil. Essa análise reacendeu um grande debate, nas redes sociais, sobre esse período intenso da vida sociopolítica brasileira.

A não ser que Lula tenha elementos objetivos para comprovarem sua tese (e talvez os tenham) discordo da análise do ex-presidente.

Não há fatos que corroboram a tese segundo a qual as manifestações de 2013 foram o primeiro ato do golpe de 2016, mesmo considerando que, em certos momentos, houve um protagonismo de grupos anarquistas e de extrema-direita naqueles protestos.

As jornadas de 2013 foram um grito libertário (apesar de passageiro), um movimento de massas, relativamente espontâneo (e com certos limites) de uma população predominantemente urbana, que não se contentava com uma democracia de mentirinha (apesar dos avanços sociais desde 1988 e principalmente nos governos petistas). As massas urbanas reivindicavam mais e melhores políticas públicas; exigiam mais participação e demandavam rupturas com as velhacas estruturas dos sistemas econômico e político brasileiros. Denunciavam os limites de uma democracia marcada pela desigualdade e de baixíssima intensidade. Repudiavam as benesses públicas dirigidas a entidades corporativas internacionais, como a Fifa (que exorbitavam poderes a ponto de ameaçarem o governo local), em detrimento de investimentos em políticas sociais.

Naquele momento, os segmentos de elite das esquerdas, encabeçados pelo PT (no governo federal), preferiram apostar na institucionalidade, no status quo, na "lei e na ordem" para enfrentarem os clamores revolucionários da população: a aprovação de lei antiterrorismo é o corolário desse erro estratégico. E perderam a oportunidade histórica de propor mudanças estruturais (para além das importantes políticas incrementais) que historicamente fazem do Brasil um dos países mais desiguais, violentos e injustos do mundo.

Paradoxalmente, as esquerdas que sempre discursaram contra o sistema, optaram por proteger o sistema.

Passadas as jornadas de junho de 2013, um rescaldo de insatisfação e decepção pairavam na sociedade. E o resultado foi a captura de muitas das legítimas demandas por mudanças da população pela direita. Em 2014, num cenário de violenta disputa eleitoral e a partir do discurso antissistema e golpista de Aécio Neves (que não aceitou a institucionalidade, ou seja, o resultado das urnas), a direita e setores fascistas da sociedade brasileira, vitaminados pela mídia, começaram a controlar o debate público e o protagonismo das ruas do Brasil.

Agora, não adianta eleger um bode expiatório para explicar a assunção da extrema direita protofascista como resultado externo aos desacertos cometidos em 2013 por quem estava no centro do poder. A cantilena da corrupção associada exclusivamente ao PT (o canto da sereia que embalou o lavajatismo golpista) teve ampla adesão da sociedade. Isso porque a população se encontrava insatisfeita com os limites da inserção via consumo (que não suplantava os guetos sociais, étnicos etc.) e exigia, principalmente nos espaços urbanos, o direito efetivo à cidade.

É claro que os EUA são responsáveis, direta e indiretamente, por todos os golpes havidos na América Latina desde a segunda metade do século passado. Especificamente em relação ao golpe de 2016, os EUA (Departamento de Justiça, CIA, think tanks ultraliberais) e seus parceiros fiéis brasileiros (banqueiros, grandes industriais, latifundiários, reacionários da classe média...) souberam aproveitar da insatisfação popular generalizada e da incoerência entre a teoria e a prática da esquerda (ou seja, da reação pro-establishment ao invés da proposição de mudanças) para proporem pseudonarrativas de mudanças e arquitetarem o farsesco impeachment (com Temer, parlamento, lavajatismo e "com o supremo com tudo"), possibilitando em 2018, com diversas outras traquinagens (guerra híbrida, chantagens da caserna, atuação neopentecostal, seletividade do sistema de justiça etc.), a eleição do governo mais esdrúxulo da história republicana.

Que 2013 sirva de aprendizado. E não de desculpas...

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Ecos das jornadas de 2013 - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV