Argentina: empossado o presidente Fernández, “superar o ódio, o Papa Francisco é uma referência”

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Discernimentos depois da Primeira Assembleia Eclesial. Artigo de Paulo Suess

    LER MAIS
  • Formação e espiritualidade do Ministro Extraordinário da Eucaristia

    LER MAIS
  • Paris, o Papa aceita a renúncia de Aupetit

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


12 Dezembro 2019

O novo presidente da Argentina, Alberto Fernández, tomou posse na última terça-feira e prestou juramento perante o Parlamento, após a troca de comando com presidente Mauricio Macri. Como apontado pela agência Aica, o presidente, em seu primeiro discurso perante a Assembleia Legislativa, citou em várias oportunidades o Papa Francisco, prestou homenagem a ele e usou várias de suas expressões.

A reportagem foi publicada por SIR, 11-11-2019. A tradução é de Luisa Rabolini.

O líder da Frente de Todos, que venceu as eleições acompanhado por Cristina Fernández Kirchner como vice-presidente, usou a fórmula "por Deus, pela Pátria e os santos evangélicos" quando jurou como presidente.

Em sua mensagem, Fernández se referiu ao Santo Padre como "caro Papa Francisco" e usou algumas de suas expressões habituais, como "cultura do desperdício", "marginalizados e excluídos", "últimos", "inclusão e equidade", "casa comum”. Da mesma forma, ele antecipou que o Ministério do Meio Ambiente será inspirado na encíclica Laudato si', definida como um ponto de referência em nível ético e universal.

A diminuição e a superação da pobreza extrema, a inclusão social, a unidade do país e o meio ambiente foram alguns dos temas mencionados por Fernández. "Em um contexto de extrema gravidade e emergência, devemos entender que não há possibilidade de pedir sacrifícios para aqueles que estão com fome - disse o novo presidente -, não se pode pedir sacrifícios para aqueles que não conseguem chegar ao final do mês. Temos de sair desta situação com a solidariedade".

Depois, o apelo à concórdia: "Se conseguirmos parar o ódio, podemos parar a queda da Argentina. A primeira e principal libertação como país é garantir que o ódio não tenha poder sobre os nossos espíritos. Que o ódio não nos colonize".

A Argentina, aliás, "precisa de uma política ambiental ativa, que promova a transição para um modelo de desenvolvimento sustentável, consumo responsável e avaliação dos recursos naturais. Nessa pesquisa, nos inspiramos na encíclica Laudato si' de nosso amado Papa Francisco, um magna carta ética e ecológica universal”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Argentina: empossado o presidente Fernández, “superar o ódio, o Papa Francisco é uma referência” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV