A arte clerical de manifestar-se sem denunciar. Artigo de Pedro A. Ribeiro de Oliveira

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Pedro descansa onde ele sonhou, na beira do Araguaia, entre um peão e uma prostituta

    LER MAIS
  • Covid-19: Estudo indica como a pandemia do novo coronavírus chegou e se disseminou pelo Brasil

    LER MAIS
  • “A pandemia econômica será de uma brutalidade desconhecida”. Entrevista com Ignacio Ramonet

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


04 Dezembro 2019

"Uma nota episcopal não é obrigada a referir-se à chacina de Paraisópolis como resultado da política de terrorismo policial contra populações da periferia. Isso fazemos nós, cientistas sociais. Mas os bispos bem poderiam denunciar profeticamente a política de segurança pública do atual governo paulista como uma forma de necropolítica", escreve Pedro A. Ribeiro de Oliveira, professor aposentado de Sociologia da Religião da UFJF e da PUC-Minas.

Eis o texto. 

A Presidência do Regional Sul 1 da CNBB divulgou nota que é um primor na arte de se solidarizar com pessoas que sofrem, como é dever da Igreja, sem denunciar as pessoas ou instituições responsáveis por esse sofrimento – no caso, as forças policiais do governo paulista. A nota é um desafio ao saudável exercício de análise de discurso. É o que faço aqui, citando os trechos que me parecem mais significativos da nota.

O parágrafo inicial usa o verbo na voz ativa para dizer que “nove jovens perderam suas vidas”, como se fosse por iniciativa própria que eles e ela morreram. Se analisarmos com cuidado o parágrafo final, talvez essa hipótese não seja infundada. Com efeito, a nota termina dizendo: “providos dos mais nobres sentimentos e valores familiares, culturais, religiosos e humanos, os jovens trilharão caminhos de justiça e cidadania, livres das circunstâncias que conduzem à violência e à morte”. Ou seja, não seria a intervenção brutal da polícia, mas a falta de valores que conduz os jovens à morte. Mas deixemos de lado essa interpretação, que tem fundamento empírico mas talvez não corresponda à intenção dos autores, e vejamos outros trechos da nota que revelam omissões muito importantes.

No parágrafo inicial, os bispos referem-se à “triste e assustadora notícia da grave ocorrência em Paraisópolis”. Quem leu a notícia sabe que foi uma ação violenta de policiais militares, que, a pretexto de perseguirem dois motociclistas infratores, fecharam todas as possibilidades de fuga de um baile funk e provocaram nove mortes e muitos ferimentos por pisoteamento. Os bispos, porém, evitam descrever a chacina, limitando-se a usar a expressão típica das narrativas policiais: “ocorrência”.

O parágrafo seguinte refere-se aos “sentimentos de Jesus Cristo” para assegurar que “repudiamos toda forma de violência, manifestação de ódio e desrespeito à vida”. Isso vale para qualquer tempo ou lugar da história humana. Inclusive, aqui é usado o genérico “toda”, e não o específico “essa”. Assim fica o repúdio amplo, geral e irrestrito à violência, e não o repúdio à ação policial que causou aquele massacre dos jovens. Aliás, a nota evita falar de “chacina”, como o ato foi qualificado por entidades de defesa dos Direitos Humanos. Refere-se apenas a “este grave golpe mortal e sangrento” sem apontar a mão que o desferiu.

Depois os bispos referem-se a “periferias dilaceradas pela ausência de recursos materiais e políticas públicas indispensáveis ao bem-estar, fraternidade e sociabilidade”, como se ausência pudesse ser sujeito de alguma ação. Recursos materiais e políticas públicas podem, com certeza, diminuir dilacerações e sofrimentos nas periferias, mas suas causas são outras – e não foram apontadas.

Enfim, é notável a ausência da palavra polícia. A nota refere-se positivamente a “aparatos de segurança do Estado”, ao afirmar que cabe a eles “propiciar a todos, principalmente à população mais vulnerável, oportunidades e projetos eficazes que visem à superação da violência e das desigualdades econômicas e sociais”. E em seguida alerta que “não é ético nem patriótico que os recursos humanos e materiais sejam instrumentalizados para ferir e eliminar a vida e a dignidade de cada ser humano.” Mais uma afirmação genérica que ninguém precisa associar à ação policial em Paraisópolis....

Concluindo, é mister reconhecer que uma nota episcopal não é obrigada a referir-se à chacina de Paraisópolis como resultado da política de terrorismo policial contra populações da periferia. Isso fazemos nós, cientistas sociais. Mas os bispos bem poderiam denunciar profeticamente a política de segurança pública do atual governo paulista como uma forma de necropolítica.

Juiz de Fora, 3 de dezembro de 2019. 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A arte clerical de manifestar-se sem denunciar. Artigo de Pedro A. Ribeiro de Oliveira - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV