Papa chama a si mesmo de “peregrino missionário” no Japão

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Segunda onda da covid-19 no Brasil é ‘risco iminente’, alerta Nicolelis

    LER MAIS
  • A horripilante foto eleitoral da ‘terrorista de direita’

    LER MAIS
  • Os ricos do mundo mais ricos com a covid

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


25 Novembro 2019

Mais de meio século desde que se juntou aos jesuítas com a esperança de se tornar um missionário no Japão, o Papa Francisco finalmente realiza o sonho de visitar esta terra, seguindo os passos do co-fundador de sua ordem religiosa.

A reportagem é de Inés San Martín, publicada por Crux, 23-11-2019. A tradução é de Natália Froner dos Santos.

Francisco fez uma prévia da viagem ao se dirigir aos bispos locais no sábado. Ele disse que quando visitar Hiroshima e Nagasaki, as únicas cidades do mundo que sofreram a devastação causada por armas nucleares, ele "ecoará" os "apelos proféticos dos bispos" pelo desarmamento nuclear".

"Desejo conhecer aqueles que ainda sofrem as feridas deste trágico episódio da história da humanidade, bem como as vítimas do triplo desastre", disse o Papa, referindo-se ao terremoto, tsunami e acidente nuclear de 2011. "Seus sofrimentos contínuos são um lembrete eloquente de nosso dever humano e cristão de ajudar aqueles que estão com problemas de corpo e espírito e de oferecer a todos a mensagem evangélica de esperança, cura e reconciliação."

O mal não tem preferências, disse Francisco aos bispos, e não se importa com o pano de fundo ou a identidade das pessoas afetadas por ele. Em vez disso, simplesmente “explode com sua força destrutiva”, como foi o caso de um tufão recente que matou centenas de pessoas e causou muita devastação em outubro.

"Confiamos à misericórdia do Senhor aqueles que morreram, suas famílias e todos os que perderam seus lares e bens materiais", disse o Papa. “Que nunca tenhamos medo de perseguir, aqui e em todo o mundo, uma missão capaz de falar e defender toda a vida como um presente precioso do Senhor.”

Oficialmente abrindo sua visita de 23 a 26 de novembro ao Japão, ele se considerou um "peregrino missionário" que segue os passos de São Francisco Xavier, cofundador dos jesuítas que chegaram ao Japão há 470 anos, marcando o início da propagação do cristianismo no país.

"Eu não sei se vocês estão cientes disso, mas desde que eu era jovem, sinto carinho e afeição por essas terras", disse Francisco no sábado, durante a conferência dos bispos japoneses. “Muitos anos se passaram desde aquele impulso missionário, cuja realização demorou a chegar.”

Ao chegar à nunciatura, a casa do representante papal no Japão e onde ele ficará, ele se dirigiu aos bispos. Francisco sentou-se para fazer seu discurso com a ajuda do padre jesuíta argentino Renzo De Luca, jesuíta provincial no Japão e ex-aluno do então padre Jorge Mario Bergoglio.

Ele começou a reunião com uma piada: desculpando-se por não cumprimentar cada bispo individualmente antes de sua palestra, ele disse: “Vocês devem pensar: ‘como esses argentinos são rudes.’”

A empolgação do Papa por estar no Japão contrasta um pouco com a situação no local, onde meio milhão de católicos do país representam menos de 0,3% da população total.

Embora as paróquias anunciam a viagem no final de cada missa há meses, a maioria das pessoas no Japão teve outras coisas em mente recentemente, desde a entronização do novo imperador e o início da era Reiwa, e até um momento histórico nos esportes japoneses: chegar às quartas de final da Copa do Mundo de Rugby, realizada no Japão pela primeira vez.

"Acho que muitas pessoas ainda não sabem que o Papa virá ao Japão", disse o leigo Kazuto Kano, nos dias que antecederam a visita. “Ultimamente, a boa luta do Japão na Copa do Mundo de Rugby; o enorme dano causado pelo tufão gigantesco nº 19; a deterioração das relações Japão-Coreia; os movimentos do presidente Trump; o atrito comercial EUA-China; e a cerimônia da entronização do imperador; têm destaque maior na mente dos japoneses.”

As coisas estavam se animando durante a visita de Francisco de 20 a 23 de novembro à Tailândia. O leigo Hiroki Joseph Nakanishi disse na sexta-feira que estações de TV e agências de notícias on-line divulgavam notícias sobre a viagem do Papa, mas não estava claro para ele se estava tendo algum impacto na "maioria do público não católico".

"Pessoalmente, sinto que os japoneses tendem a ter reservas sobre (ou mesmo preconceito contra) seguir uma religião em particular, especialmente quando se trata de uma religião monoteísta como o catolicismo", disse ele.

No entanto, ele pessoalmente tem grandes esperanças na primeira visita de um papa ao Japão em quase quarenta anos – o último chefe da Igreja a visitar o país foi João Paulo II.

"Espero que a presença do Papa e sua mensagem ao povo do Japão aproximem cada um de nós dos pobres, das pessoas com deficiência, dos refugiados e de todos os que são banidos por nossa sociedade", disse Nakanishi. "Ao mesmo tempo, espero que eu e todos os católicos japoneses nos sintamos encorajados e participemos da verdadeira evangelização como resultado."

Durante suas declarações aos bispos no sábado, o Papa lembrou-se dos muitos mártires cristãos, que dedicaram suas vidas servindo o povo japonês e "implantando o Evangelho", sendo testemunhas até a morte.

"Esse auto sacrifício por manter a fé viva em meio à perseguição ajudou a pequena comunidade cristã a se desenvolver, crescer forte e dar frutos", disse ele. "Também podemos pensar nos "cristãos ocultos "da região de Nagasaki, que mantiveram a fé por gerações, graças ao batismo, orações e catequese."

A história do catolicismo no Japão está profundamente ligada à Companhia de Jesus, também conhecida como Jesuítas, fundada em 1534 por Santo Inácio de Loyola e seis companheiros, incluindo Francisco Xavier. Ele foi o primeiro missionário da Companhia de Jesus, chegou ao Japão em 1549 e ficou conhecido como o "Apóstolo do Japão".

Devido à severa perseguição aos cristãos, todos os missionários foram mortos ou expulsos, com o catolicismo proibido até 1873. Por dois séculos, o governo Tokugawa implementou medidas completas para erradicar os cristãos, mas, nos arredores de Kyushu, os cristãos continuaram secretamente entregando sua fé ao longo de gerações, enquanto se disfarçavam exteriormente como budistas.

Os jesuítas voltaram ao Japão em 1908, mas a situação daqueles que seguem Jesus estava longe de ser fácil: após alguns anos de crescimento, um nacionalismo militarista ligado à religião xintoísta silenciou o cristianismo até o final da Segunda Guerra Mundial. Somente após a guerra a Igreja Católica foi autorizada a florescer no Japão.

Segundo um relatório divulgado pela igreja local antes da visita do Papa, atualmente existem 440.893 católicos no Japão, que frequentam 966 igrejas, com 1.366 membros do clero, incluindo bispos, padres e diáconos, e são acompanhados em sua fé por 4.997 irmãos e irmãs religiosos. Mas o número relativamente pequeno de católicos torna as outras estatísticas ainda mais impressionantes: existem 764 casas religiosas, 42 instalações médicas, 643 instalações de assistência social e mais de 800 instalações educacionais, de pré-escolas a universidades.

Embora se desvie das estatísticas, Francisco observou no sábado que, apesar de a Igreja no Japão ser pequena e os católicos serem uma minoria, a Igreja Católica é conhecida e respeitada pela pegada social que deixou no país.

Além disso, os números, disse ele, “não devem diminuir seu compromisso com a evangelização. Em sua situação particular, a palavra mais forte e mais clara que você pode falar é a de um testemunho diário humilde, e a abertura ao diálogo com outras tradições religiosas.”

Reconhecendo que cerca de metade dos católicos no Japão são de fato estrangeiros, Francisco disse que a hospitalidade que a igreja local mostra aos trabalhadores estrangeiros que enchem os bancos das igrejas “não apenas serve como testemunho do Evangelho na sociedade japonesa, mas também atesta a universalidade da Igreja.”

O pontífice listou vários dos desafios da sociedade japonesa em que a comunidade católica pode ser um farol de esperança, estando presente na vida de muitos que são marcados pela solidão, desespero e isolamento, com crescentes “taxas de suicídio, bullying e vários tipos de carência” que criam “novas formas de alienação e desorientação espiritual”.

O suicídio é a maior causa de morte entre os jovens, e a taxa de suicídio no Japão é a sexta mais alta do mundo.

“Reconheço que a colheita é ótima e os trabalhadores são poucos. Por isso, incentivo você a procurar e desenvolver uma missão capaz de envolver as famílias e promover uma formação que alcance as pessoas onde elas estão, sempre levando em consideração as especificidades de cada situação”, disse Francisco. “O ponto de partida para todo apostolado é o lugar concreto em que as pessoas se encontram, com suas rotinas e ocupações diárias.”

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Papa chama a si mesmo de “peregrino missionário” no Japão - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV