O Papa: o diabo destrói o homem porque Deus se tornou como nós

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Irã. A história política do país persa, xiita e anti-imperialista

    LER MAIS
  • Alvim e Goebbels: Foi traçado um limite para o absurdo

    LER MAIS
  • Com acusação de ambientalistas que trabalham na proteção da Amazônia, "o medo está instalado", diz Libération

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

13 Novembro 2019

O Papa Francisco, na homilia da Missa na Casa Santa Marta, analisa a Primeira Leitura do Livro da Sabedoria e enfatiza que, por inveja de Jesus que se fez homem, o Grande Mentiroso tenta-nos para destruir a humanidade.

A reportagem é de Alessandro Di Bussolo, publicada por Vatican News, 11-11-2019. A tradução é de Luisa Rabolini.

O diabo existe e por sua inveja do Filho de Deus que se fez homem, semeia o ódio no mundo, que provoca morte. O Papa Francisco reitera isso na homilia da missa da manhã na Casa Santa Marta, que ele dedica à passagem do Livro da Sabedoria (Sab 2.23-3.9) proposto pela liturgia na Primeira Leitura. O Papa analisa o primeiro versículo, no qual o profeta lembra que "Deus nos criou à sua imagem, somos filhos de Deus", mas logo depois acrescenta, "mas pela inveja do diabo a morte entrou no mundo".

Ouça o culto com a voz do papa (em italiano).

A inveja do "anjo soberbo" que não aceita a encarnação

Francisco explica que "a inveja desse daquele anjo soberbo que não quis aceitar a encarnação" o levou "a destruir a humanidade ". E assim algo entra em nossos corações: "ciúme, inveja, competição" enumera o Pontífice, enquanto "poderíamos viver como irmãos, todos em paz". Assim começa "a luta e o desejo de destruir". O Papa Francisco retoma seus "diálogos" com os fiéis: "Mas padre - eu não destruo ninguém". "Não? E o falatório que você faz? Quando fala mal de outra pessoa? Destruí-o sim”. E cita o apóstolo Tiago: "A língua é uma arma feroz, mata". "O falatório mata, a calúnia mata". "Mas, padre, fui batizado, sou cristão praticante, como posso me tornar um assassino?" Porque ainda lembra o Papa "dentro de nós, temos a guerra", desde o início. "Caim e Abel eram irmãos - observa Francisco - mas o ciúme, a inveja de um destruiu o outro". É a realidade, basta olhar para um noticiário: "guerras, destruição, pessoas que causa das guerras também morrem por doenças".

A tentação: alguém que semeia o ódio em nossos corações

O Pontífice lembra a Alemanha e o aniversário da queda de Muro de Berlim, mas também os nazistas e "as tortura contra todos aqueles que não eram de 'raça pura'." E outros horrores das guerras.

Por trás disso, há alguém que nos leva a fazer essas coisas. É o que chamamos de tentação: quando vamos à confissão, dizemos ao padre: "Padre, eu tive tal tentação, essa outra, aquela outra ...". Alguém que toca seu coração para fazer você seguir o caminho errado. Alguém que semeia a destruição em nosso coração, que semeia o ódio. E hoje devemos dizer claramente, existem tantos semeadores de ódio no mundo que destroem.

O diabo inveja a nossa natureza humana

"Tantas vezes - comenta o Papa Francisco – me acontece pensar que as notícias são uma história de ódio para destruir: atentados, guerras”. É verdade que "muitas crianças morrem de fome, de doenças" porque não têm água, instrução, educação em saúde. "Mas porque o dinheiro que seria necessário para isso - ele denuncia - vai para fabricar armas e as armas são para destruir". É o que acontece no mundo, mas também "na minha alma, na tua, na tua". Para a "semente da inveja do diabo, do ódio". "E do que o diabo tem inveja? - pergunta o Papa - da nossa natureza humana”.

E vocês sabem por quê? Porque o Filho de Deus se tornou um de nós. Isso ele não pode tolerar, não consegue tolerar.

Os políticos que preferem o insulto ao confronto limpo

E então destrói. "Isso - explica o Papa - é a raiz da inveja do diabo, é a raiz dos nossos males, das nossas tentações, é a raiz das guerras, da fome e de todas as calamidades do mundo". Destruir e semear o ódio, Francisco continua, "não é uma coisa habitual, mesmo na vida política", mas "alguns fazem isso". Por que um político muitas vezes tem "a tentação de enlamear o outro, de destruir o outro", tanto com mentiras quanto com verdades, e, assim não faz um confronto político saudável e limpo "para o bem do país". Ele prefere o insulto, "destruir o outro". "Eu sou bom, mas ele parece melhor do que eu?" ele pensa, e então "eu vou derrubá-lo com insultos".

Gostaria que cada um de nós hoje pensasse sobre isso: por que há tanto ódio semeado no mundo hoje? Nas famílias, que às vezes não conseguem se reconciliar, na vizinhança, no local de trabalho, na política ... O semeador do ódio é esse. Por inveja do diabo, a morte entrou no mundo, dizem alguns: mas padre, o diabo não existe, é o mal, é um mal tão etéreo ... Mas a Palavra de Deus é clara. E o diabo se irritou com Jesus, leia o Evangelho: quer tenhamos fé ou não, é claro.

Cristo se fez homem para vencer o mal em nossa carne.

Rezemos ao Senhor, é a invocação final de Francisco, "que faça crescer em nossos corações a fé em Jesus Cristo, seu Filho", que assumiu a nossa natureza humana "para lutar com a nossa carne e vencer na nossa carne" o diabo e o mal. E que essa fé "nos dê a força para não entrar no jogo desse grande invejoso, o grande mentiroso, o semeador do ódio".

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O Papa: o diabo destrói o homem porque Deus se tornou como nós - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV