O que podemos aprender com a forma indígena de gestão ambiental

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Bartomeu Melià: jesuíta e antropólogo evangelizado pelos guarani (1932-2019)

    LER MAIS
  • Do samba ao funk, o Brasil que reprime manifestações culturais de origem negra e periférica

    LER MAIS
  • Vivemos uma ‘psicopatia difusa’ na política brasileira, diz psicanalista

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

08 Novembro 2019

Como a agricultura em larga escala, a seca, os incêndios florestais e as espécies introduzidas reduzem a biodiversidade e a prosperidade a longo prazo de países inteiros, os acadêmicos indígenas estão pedindo um novo olhar sobre a governança e as práticas das principais instituições de gestão ambiental.

A reportagem é publicada por Flinders University, e reproduzida por EcoDebate, 07-11-2019. A tradução e edição são de Henrique Cortez.

A visão de mundo dos aborígenes australianos e a conexão com o país fornecem uma rica fonte de conhecimento e inovações para melhores políticas de gestão da terra e da água quando a tomada de decisão indígena é reconhecida, dizem os pesquisadores.

Incorporar mais o espírito e os princípios da apreciação aborígine e de outras pessoas das Primeiras Nações e a profunda compreensão da paisagem e suas características foram negligenciados ou marginalizados no passado – em detrimento do meio ambiente, diz um novo relatório.

“Quando nações indígenas se tornam parceiras soberanas na gestão ambiental, as estruturas de poder e as visões de mundo subjacentes à tomada de decisões podem ser produtivamente desafiadas … criando novas soluções para questões ambientais urgentes”, diz a pesquisadora da Universidade Flinders, Dra. Samantha Muller, principal autora do artigo.

“A agência e a governança indígena estão impulsionando inovações no gerenciamento da terra em todo o mundo, que fornecem soluções mais equitativas e abordagens estratégicas para cuidar das terras, águas e todos os seres vivos, principalmente diante das mudanças climáticas”.

“Relações sagradas, éticas e recíprocas com a natureza podem melhorar e desenvolver abordagens mais sustentáveis para viver no que muitos chamam de era do antropoceno (o período atual em que a atividade humana tem sido a influência dominante no clima e no meio ambiente) “.

O cidadão e diretor da nação indígena Ngarrindjeri, professor Daryle Rigney, com o professor associado Steven Hemming, anteriormente em Flinders e agora Instituto Jumbunna de Educação e Pesquisa Indígena, trabalharam com a Dra. Muller para comparar exemplos de conservação e gestão da terra entre os grupos das Primeiras Nações em Aorearoa / Nova Zelândia e América do Norte com um estudo de caso de Ngarrindjeri no sul da Austrália.

“Um dos atos mais significativos do colonialismo é impor uma compreensão do país como algo separado dos humanos, com decisões baseadas na ciência e nas instituições ocidentais”, afirmam os autores.

“As nações indígenas em todo o mundo têm afirmado suas soberanias, o que está remodelando as práticas de gestão ambiental”.

• Por exemplo, a Ngarrindjeri Nation, na foz do Murray, no sul da Austrália, desenvolveu acordos de Kungun Ngarrindjeri Yunan (KNY) com o Governo do Estado que reconhecem Ngarrindjeri como parceiros soberanos na gestão ambiental. Essa fundação permitiu que Ngarrindjeri conduzisse soluções ambientais inovadoras durante a seca do milênio, levando a ser premiado com o Australian Riverprize 2015.

• Em Aoetaroa / Nova Zelândia, os Maori afirmaram seus direitos soberanos de forjar acordos que concedem a personalidade jurídica do rio Whanganui e do Parque Nacional Te Urewera. Essas mudanças legais dão voz à “natureza” de acordo com as visões de mundo maoris e reconhecem a soberania Maori.

• O manejo florestal Menominee nos EUA é reconhecido como uma boa prática. Baseia-se na visão e visões de mundo do Menominee para o manejo florestal, possibilitadas pelo reconhecimento da soberania do Menominee e pela tomada de decisões.

“As formas indígenas de manter relações sagradas, éticas e recíprocas com a” natureza “podem melhorar e desenvolver abordagens mais sustentáveis para viver no que muitos chamam de era do Antropoceno (o período atual em que a atividade humana tem sido a influência dominante no clima e no meio ambiente).”

Referência:

Muller, S., Hemming, S., and Rigney, D. ( 2019) Indigenous sovereignties: relational ontologies and environmental management. Geographical Research.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O que podemos aprender com a forma indígena de gestão ambiental - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV