O que está impulsionando o desmatamento tropical? Cientistas mapeiam 45 anos de imagens de satélite

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • A “cristofobia” de Bolsonaro

    LER MAIS
  • “Maciel tinha uma capacidade incrível de manipular e enganar as pessoas”, revela ex-diretora vocacional dos Legionários de Cristo

    LER MAIS
  • A sabotagem social da prisão – Um olhar sobre o sistema carcerário

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


31 Outubro 2019

Um novo método de mapeamento baseado em dados de mais de 45 anos pode ajudar a identificar o que está causando o desmatamento tropical e onde as florestas são mais vulneráveis à degradação e incêndios futuros.

As florestas tropicais estão sob crescente pressão da atividade humana, como a agricultura. No entanto, para implementar medidas eficazes de conservação, os tomadores de decisão locais devem ser capazes de identificar com precisão quais áreas da floresta são mais vulneráveis.

Um novo método de análise liderado por pesquisadores do Centro Francês de Pesquisa Agrícola de Desenvolvimento Internacional (CIRAD), do Centro Internacional de Agricultura Tropical (CIAT) e da Universidade de Rennes-2 poderia ser a chave.

A informação é de International Center for Tropical Agriculture (CIAT), republicada por EcoDebate, 29-10-2019. A tradução e edição são de Henrique Cortez.

Uma mudança de paradigma


O método concentra-se no conceito de vulnerabilidade da floresta, significando a exposição da floresta a ameaças e sua capacidade de se recuperar delas. Anteriormente, esse conceito de vulnerabilidade, definido pelo Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC), era usado apenas em relação aos efeitos das mudanças climáticas nas florestas.

Os pesquisadores são pioneiros no uso do conceito de vulnerabilidade florestal em termos de atividade humana, além de integrar imagens de cobertura florestal e mudanças no uso da terra em uma análise holística e detalhada. Esse uso combinado de dados marca uma mudança de paradigma na maneira como a vulnerabilidade da floresta é calculada.

O método foi testado pela primeira vez no distrito de Di Linh, no Planalto Central do Vietnã, onde o cultivo de culturas comerciais como o café transformou as áreas florestais em áreas vulneráveis à seca, à erosão do solo e à eclosão de incêndios.

Meio século de dados


Os pesquisadores combinaram o mapeamento em mosaico do uso atual da terra com 45 anos de imagens de satélite Sentinel-2 e Landsat. Juntos, esses dados forneceram uma imagem detalhada de como o território havia mudado ao longo do tempo e permitiram a identificação precisa das áreas mais vulneráveis.

“Mostramos que as áreas mais vulneráveis são compostas por florestas degradadas, uma alta fragmentação do habitat florestal que aumenta a sensibilidade de uma floresta a incêndios e a presença do café por extensão”, disse Clément Bourgoin, cientista do CIAT e Ph. D. aluno do CIRAD que ajudou a desenvolver o método. “Esses mapas tornam possível atingir áreas onde devemos limitar a expansão das culturas e aumentar a capacidade de resposta das florestas, limitando a fragmentação”.

Os resultados do estudo, publicado no International Journal of Applied Earth Observation and Geoinformation , mostram como o desenvolvimento de infraestrutura, café, arroz e outras culturas na região tem sido às custas das florestas sempre verdes. Ele revela que, desde 1973, a cobertura florestal sempre verde na região foi reduzida de 100 para 60 milhões de hectares, como conseqüência direta da expansão agrícola. O desmatamento atingiu o pico em 1992 e desacelerou nos últimos anos, embora novas áreas ainda estejam sendo convertidas e evidências de degradação e fragmentação ainda possam ser vistas.

Capacitar tomadores de decisão


O método foi testado na região como parte de um projeto piloto de REDD + (Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação Florestal) que visa ajudar tomadores de decisão, como planejadores de uso da terra e guardas florestais locais, no monitoramento de florestas. Os pesquisadores esperam que o mapeamento leve a um monitoramento mais regular da vulnerabilidade da floresta por meio de sistemas como o Terra-i, que podem detectar o desmatamento quase em tempo real.

A equipe aplicou um método semelhante a uma antiga frente de desmatamento em Paragominas, no estado brasileiro do Pará, e espera publicar um estudo com suas descobertas no próximo ano.

Referência:

Clément Bourgoin, Johan Oszwald, Jeremy Bourgoin, Valéry Gond, Lilian Blanc, Hélène Dessard, Trong Van Phan, Plinio Sist, Peter Läderach, Louis Reymondin,
Assessing the ecological vulnerability of forest landscape to agricultural frontier expansion in the Central Highlands of Vietnam,
International Journal of Applied Earth Observation and Geoinformation,
Volume 84, 2020, 101958, ISSN 0303-2434. Leia aqui.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O que está impulsionando o desmatamento tropical? Cientistas mapeiam 45 anos de imagens de satélite - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV