A fracassada revolução de Hong Kong?

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Um gargarejo nos salvará? Enxaguar a boca e o nariz por 30 segundos com produtos de uso comum reduz muito a carga viral

    LER MAIS
  • Karl Rahner sobre o que significa amar Jesus

    LER MAIS
  • Nós precisamos repensar radicalmente a forma como vivemos e trabalhamos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


10 Outubro 2019

O fim de semana passado marcou uma aparente virada para os protestos em Hong Kong. Uma onda de violência sem precedentes por grupos de manifestantes radicais tomou conta do território. Estações subterrâneas foram atacadas e incendiadas. Até policiais de folga e empresários da China continental foram agredidos - enquanto os jovens manifestantes gritavam por "revolução".

A reportagem é de Francesco Sisci, publicada por Settimana News, 07-10-2019. A tradução é de Natália Froner dos Santos.

Ainda assim, como as revoluções não são uma festa do chá, deve-se pisar com cuidado em revoluções. A maioria em Hong Kong quer uma revolução? Caso contrário, eles podem apoiar uma contrarrevolução.

Talvez se deva perguntar também se as pessoas na China querem uma revolução em Hong Kong – ou se preferem apoiar uma “contrarrevolução” no território.

O que quer que esteja acontecendo em Hong Kong, talvez se deva lembrar que a maioria das revoluções falha.

Sem essa consciência, estão manifestantes radicais brincando em revolução, em vez de desenvolver uma estratégia adequada para alcançar alguns objetivos razoáveis ​​e se retirar?

As revoluções, de fato, fracassam por muitas razões diferentes, mas todas têm um denominador comum: a superficialidade dos revolucionários.

Além disso, muitos dos líderes em Pequim passaram por duas revoluções fracassadas, a Revolução Cultural (1966-1976) e o movimento Tiananmen de 1989. Eles têm um entendimento melhor do que as pessoas em Hong Kong sobre o porquê terem falhado como jovens revolucionários. Portanto, eles também podem saber uma coisa ou duas sobre como vencer os revolucionários agora.

Pelo que podemos ver, a melhor política para Pequim não é uma repressão, mas deixar que o movimento se coma por dentro e, assim, mostrar ao público doméstico chinês e ao mundo os resultados de demandas “democráticas” irrestritas e violência arbitrária. Poderíamos chamá-lo de evolução do método “Qiao Shi”.

Em face desse "caos revolucionário", Pequim, por outro lado, mostrará contenção e benevolência em não implantar tanques para uma repressão sangrenta e, no entanto, firmeza em não ceder a esses extremistas.

Quem vencerá a batalha por corações e mentes em Hong Kong e, mais importante, na China? Em contraste com os eventos de 2014, agora o público chinês está acompanhando seletivamente os eventos em Hong Kong e apoiando o governo de Pequim e indo contra os manifestantes de Hong Kong, que são culpados (em suas mentes) do pior crime: querer arrancar o território que os chineses abraçam.

O protesto radical poderia ser isolado e permitindo que sangre. Eventualmente, tudo pode se esgotar em meses ou anos. Com o tempo, tudo isso poderia acontecer em favor das autoridades de Hong Kong e Pequim. E talvez seja certo ser assim.

Na revolução, o governo precisa apenas aguentar e manter os nervos; são os manifestantes que precisam pensar em maneiras de conseguir uma vitória.

Além disso, há considerações regionais também. Lutar contra o que pode ser percebido ou apresentado como um caos aleatório e sem sentido ganha pontos na maior parte da Ásia, um continente cauteloso de tumultos iniciado sob a bandeira da democracia.

Essas vantagens em Hong Kong duplicam um sentimento crescente em Pequim sobre a guerra comercial com os EUA. Certo ou errado, a China sente que está dominando as negociações comerciais, já que os EUA estão muito divididos sobre o presidente Donald Trump, e o presidente pediu abertamente apoio chinês contra seu rival, o democrata Joe Biden.

“A China não interferirá nos assuntos internos dos EUA, e confiamos que o povo americano será capaz de resolver seus próprios problemas”, disse o ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi.

Ou seja: os chineses querem um acordo bipartidário sobre comércio, e não um que possa ser parcial ou totalmente renegado por um lado.

Tudo isso é uma grande vitória doméstica para Xi Jinping, que pode ter tido uma tarefa muito difícil ao propor a ideia de Desenvolvimento Pacífico, mencionada em seu discurso de 1º de outubro. A ideia é muito controversa internamente, pois muitos “linha-dura” se opõem a ela. Além disso, muitos dos oficiais esperavam que Xi tropeçasse por ser muito mole ou duro demais e, portanto, fosse responsabilizado por isso. Xi conseguiu ganhar vantagem tanto nos EUA quanto em Hong Kong, mantendo-se no meio do caminho – seguindo a linha do Qiao Shi.

Mas este não é o fim do jogo. Finalmente, ele traz a situação de volta a Tiananmen, de 1989: qual era o plano de Qiao Shi para a China se ele tivesse prevalecido?

Isso também pode ajudar nos próximos meses e anos.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A fracassada revolução de Hong Kong? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV