Atira-se muito, atira-se mal!

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Igreja Universal cria seu exército particular com "recrutamento" de PMs

    LER MAIS
  • A semana em que 47 povos indígenas brasileiros se uniram por um manifesto anti-genocídio

    LER MAIS
  • “Do fundo do nosso coração” é um “de profundis”. Ou seja, o Concílio Vaticano II não é opcional

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

24 Setembro 2019

Você sabe qual a taxa de precisão do tiro do policial de sua polícia, por modalidade defensiva de tiro e tipo de armamento? Certamente não, indaga Jacqueline Muniz, professora do Departamento de Segurança Pública da Universidade Federal Fluminense (UFF), fundadora da Rede de Policiais e Sociedade Civil da América Latina e integrante do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, antropóloga e cientista política, em artigo publicado por Jornalistas Livres, 23-09-2019.

Eis o artigo

Você sabe qual a taxa de precisão do tiro do policial de sua polícia, por modalidade defensiva de tiro e tipo de armamento? Certamente que não.

Aqui atira-se muito, atira-se mal! Não há padrão de tiro e menos ainda programa continuado de uso suficiente de força para todos os policiais do estado. Para não usar a cidadania como manequim de tiro, o policial tem que tirar do bolso o treinamento. Atira-se primeiro e pergunta depois, porque frequentemente não se sabe onde pôs a bala. A insegurança decisória do tiro que deveria ser preciso, profissional, é elevada e, por isso, mascarada com os tiros de supressão, “sentar o dedo nervoso”, plataforma aérea de tiro, etc. Atira-se muito porque atira-se com medo.

Medo da arma mascar, medo da própria imprecisão decisória, medo da desaprovação social, medo da solidão na cena tática, medo do kit sucesso, medo do tiro amigo. Com o dinheiro desperdiçado pela Intervenção militar seria possível capacitar 750 mil policiais brasileiros em uso concreto de força, para reduzir os erros, as incapacidades e incompetências que custam as vidas dos próprios policiais e de civis.

Observa-se que o policial é tão ou mais inseguro que o cidadão comum, porque armado atrai ocorrência e não dispõe de juízo tático qualificado para agir repressivamente reduzindo incerteza, risco e perigos reais para ele, seu companheiro de guarnição e os cidadãos envolvidos ou não na ação policial. Pior que uma polícia mal paga e joguete de oportunistas políticos e carreiristas corporativos, é uma polícia insegura no que deve ser o estado de sua arte: uso potencial e concreto de força em tempo real, no imediato do nosso medo, insegurança e temor.

Não existe bala perdida, existe “bala achada” nos corpos tombados! Não existe policial rambo, existem zumbis de patrulhamento, cujas vidas foram desprezadas tal como as das vítimas civis! Se o policial possui uma taxa de precisão de tiro estático e dinâmico abaixo de 95% é fundamental ser capacitado para a profissão ou virar professor de segurança pública como eu!

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Atira-se muito, atira-se mal! - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV