“A mediocracia é a antessala de uma revolução”. Entrevista com Alain Deneault

Revista ihu on-line

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

Mais Lidos

  • Comunhão na Igreja dos EUA ''já está fraturada''. Entrevista com Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Vozes que desafiam. A vida de Simone Weil marcada pelas opções radicais

    LER MAIS
  • A disrupção é a melhor opção para evitar um desastre climático, afirma ex-presidente irlandesa

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

11 Setembro 2019

Em poucos anos, tornou-se, junto com Naomi Klein, um dos intelectuais mais importantes da esquerda crítica do Canadá, publicando vários livros sobre as multinacionais da mineração e as facilidades que seu país concedia aos paraísos fiscais e refletindo sobre "governança" como uma maneira de transformar a política em uma retórica de gestão puramente gerencial e altamente coercitiva. Em seu novo livro, Mediocracia (Turner), o filósofo e professor de ciência política da Universidade de Montreal, Alain Deneault (Quebec, 1970), se aprofunda nas raízes do nosso sistema social para descobrir por que as mediocridades estão sobrerrepresentadas nos funcionários das empresas neoliberais e nos corredores do poder contemporâneo, ou seja, a razão pela qual vivemos em uma mediocracia.

Analisando vários aspectos atuais, seja o mau estado da pesquisa universitária, a perversão da linguagem pública e privada, o reinado de especialistas e a mudança da política em direção a um centro extremo, onde se confunde seus eixos, Denault adverte que “vivemos sem o advertir em um sistema no qual os indivíduos são destruídos pela invasão das normas empresariais e submetidos sem seu conhecimento, mesmo no uso das próprias palavras, a interesses capitalistas cada vez menos diferentes do poder público”. E acrescenta que "a mediocracia não é apenas um desarme intelectual, também constitui uma ferramenta para desmantelar a soberania do Estado em favor das corporações multinacionais".

A entrevista é de Andrés Seoane, publicada por El Cultural, 04-09-2019. A tradução é do Cepat.

Eis a entrevista.

O que é exatamente a mediocracia, o que a caracteriza e em que nos converte?

A mediocridade é em francês, como em espanhol, o substantivo que designa o que é médio, como "superioridade" e "inferioridade" se referem ao que é superior e inferior. Ser medíocre é incorporar a média, querer se ajustar a um padrão social, enfim, é conformidade. Mas isso não é, em princípio, pejorativo, pois somos todos medíocres em algo. O problema da mediocridade surge quando se torna, como hoje, a característica distintiva de um sistema social. Hoje, estamos em um sistema que nos obriga a ser um cidadão resolutamente médio, nem totalmente incompetente a ponto de não poder funcionar, nem competente a ponto de ter uma forte consciência crítica.

Aqueles que se distinguem por uma certa visão de altura, uma cultura sólida e a capacidade de mudar as coisas são deixados à margem. Para ter sucesso hoje, é importante não romper a categoria, mas se ajustar a uma ordem estabelecida, submeter-se a formatos e ideologias que deveriam ser questionadas. A mediocracia encoraja a viver e trabalhar como sonâmbulos e a considerar inevitáveis as especificações, até absurdas, às quais se é forçado.

Esse modelo de mediocridade foi estabelecido e fortalecido ao longo do século XX, por que foi assim e como foi ampliado a todos os níveis detalhados no livro: educacional, econômico, cultural e político?

No século XIX, a mediocridade se referia ao medo da burguesia do surgimento da classe média, que insistia cada vez mais que poderia desempenhar um papel em áreas que antes eram reservadas para ela, como artes, ciências, a política e o exército. Desde então, autores completamente diferentes, como Marx, Max Weber, Hans Magnus Enzensberger e Lawrence Peter, relatam uma evolução gradual, o medíocre se torna a referência de todo um sistema. No século XX, há uma inversão da relação: a "mediocridade" não denota mais o que a classe dominante teme, mas o que organiza: uma ordem na qual os agentes se comportam de maneira média, intercambiável, previsível e remota. Os medíocres tomaram o poder quase sem se dar conta, como resposta a uma evolução da sociedade em dois aspectos.

O primeiro foi a transformação gradual dos ofícios em empregos. Isso implicava uma padronização do trabalho, ou seja, algo médio. Gerou-se um tipo de média padronizada, requerida para organizar o trabalho em larga escala no modo alienante que conhecemos, e tornamos esse trabalho médio algo incorpóreo, que perde significado e que não é mais que um meio para o capital crescer e para que os trabalhadores possam subsistir.

"O outro aspecto dessa tomada de poder", continua Deneault, "foi o surgimento de corporações multinacionais em muitos setores após a Segunda Guerra Mundial, que incentivou o desenvolvimento de protocolos rígidos de trabalho e controles administrativos globais". Algo que, hoje, explica, é acentuado e consolidado pela “financeirização do capital, que nada a favor de uma oligarquia acionista obcecada apenas por retornos financeiros. O trabalho, agora padronizado, se reduz a uma atividade com critérios precisos e inflexíveis que permitem apenas subsistência. Seja como professor, como administrador ou até como artista, é preciso submeter-se a modalidades hegemônicas para subsistir”.

Atribui boa parte da consolidação desse sistema ao âmbito educacional e universitário. Como fomenta e sustenta a mediocracia?

A própria universidade anuncia seu desvio assim que assume sua autoridade sobre algo diferente das faculdades da mente. O conhecimento e o significado não podem surgir do tráfego baseado em interesses. Os professores que hoje vendem resultados de pesquisa para as empresas que os financiam não se distinguem dos sofistas descritos por Platão. A universidade não deve privilegiar de maneira alguma as perguntas que interessam a seus "clientes", que para ela são as empresas e as autoridades públicas.

Realizar trabalhos de pesquisa em instituições financiadas pelos cidadãos deveria servir para lhes proporcionar conhecimentos, conceitos e análises a partir dos quais podem pensar livremente sobre seu mundo, mas isso não acontece hoje em dia. No lugar dos intelectuais de outrora, hoje domina a figura do especialista, que, como explicava Edward Said, traduz de forma pseudocientífica um posicionamento que é, acima de tudo, o interesse de quem patrocina, sejam empresas que vão contra o meio ambiente ou políticos que querem chegar ao poder. E essa falta de independência é algo dramático, porque não gera estudantes universitários com pensamento crítico, mas trabalhadores para o sistema.

Ao longo do livro, critica a deformação da linguagem em todas as áreas. Até que ponto é fundamental questionar essa linguagem gerencial moderna para repolitizar a sociedade?

Desde o final do século XX, no mundo de fala inglesa foi se eliminado paulatinamente do vocabulário tudo o que poderia se referir às realidades do intercâmbio, da ajuda mútua e da solidariedade, bem como toda uma série de referências tradicionais como classes sociais e lutas, soberania popular, interesse geral, sujeitos coletivos ... Também se excluiu qualquer referência filosófica à cidadania, à "república" como princípio filosófico, assim como à democracia.

No lugar desses marcadores históricos, foram impostas as barbáries das teorias das organizações privadas: "sociedade civil" no lugar de cidadãos, "consenso" no lugar de debate, "empoderamento dos indivíduos" no lugar de solidariedade social, "responsabilidade social corporativa" no lugar de restrições sociais, "desenvolvimento sustentável" no lugar de ecologia política ... E a lista continua indefinidamente.

A semântica do poder inventa novos termos que os políticos, obcecados por suas carreiras, e os acadêmicos, obcecados por suas subvenções, repetem sem escrúpulos. Essa dialética é uma revolução anestésica. A linguagem não é mais um vetor de significado e questionamento, mas um jogo de afirmações falsas, articuladas na ideologia do lucro.

Por isso, Deneault considera que “esse ‘status quo’ medíocre é a antessala de uma revolução. Porque uma revolução não é apenas barricadas, nem bandeiras sangrentas, mas também consiste em romper com o estabelecido. E para isso é essencial romper com essa moderna linguagem gerencial”, defende Deneault. “Precisamos nos reconectar com o significado, com termos que tenham memória e um alcance crítico. A linguagem é o que nos ajuda a questionar as coisas e debater abertamente”.

Em sua opinião, sem a intensidade da linguagem das ideias, os debates são “reduzidos a artifícios da linguagem, onde quem ousa elevar seu tom é desqualificado pelo epíteto extremista. Sem questionar os termos lexicais do debate, permaneceremos desarticulados e convidados, no máximo, a viver uma vida medíocre”.

Agora que se fala tanto da polarização política em nossas sociedades, você afirma que na realidade vivemos em um centro extremo, que nunca questiona nossos sistemas e estruturas atuais. O modo de corromper a mediocracia seria questionar o capitalismo que orbita sobre tudo?

O extremismo, do ponto de vista moral, é ser intolerante com tudo o que não é a si mesmo. Nesse sentido, o centro extremo é uma estratégia ideológica e comunicativa que estabelece como "normal", "pragmático", "ponderado", "razoável", "racional" ou até mesmo "necessário" e "verdadeiro" um discurso que também se apresenta como não opcional, como inevitável. Vestido com a elegância da razão, da esperança e da necessidade, há um discurso de interesse destrutivo frente aos ecossistemas, injusto em termos de questões sociais e imperialistas sobre a geopolítica.

O marketing ideológico supera o pensamento político. Essa política, aprovada por uma necessidade da natureza, como se obedecesse às leis fundamentais, não busca colocar o cursor em algum lugar do eixo tradicional esquerda-direita, mas, sim, eliminar esse eixo. Existem muitos exemplos, mas um poderia ser, para não entrar em tópicos, Emmanuel Macron, que assumiu o poder no que parece ser um golpe de estado finamente executado pelos poderes do dinheiro. Ele é a figura dessa mediocracia, que dissolve a política na linguagem da gestão e das altas finanças para atuar como se tudo, absolutamente tudo, em termos de organização da vida em sociedade, fosse pensado de acordo com os critérios vigentes no mundo dos negócios.

Todos os argumentos políticos da atualidade, sejam identificados como de esquerda ou direita, partem de uma suposição inquestionável de que nossos sistemas e estruturas atuais são sólidas. Uma verdadeira revolução começaria com o reconhecimento de que o próprio capitalismo é defeituoso e implicaria, primeiro, em derrubar essa estrutura e substituí-la por algo mais humano e equitativo.

Por que esse sistema chegou agora a um ponto crítico? Por que não podemos mais permitir a mediocridade, hoje em dia?

Podemos nos permitir viver na mediocridade sempre que a degradação generalizada nos satisfaça e estejamos de acordo com a infantilização na qual o capitalismo nos submerge em questões políticas. Se estamos globalmente satisfeitos com o simples estado de "empregado" e "recursos humanos" (tristes expressões agora banalizadas pelo vocabulário da administração!) ou se nós mesmos percebemos o mundo do ponto de vista dos consumidores formatados pelo marketing, não há razão para que esse regime deva ser detido.

No entanto, enfrentamos problemas muito graves: aquecimento global, poluição do ar, colapso das instituições públicas... Há tantas ameaças que não podemos nos contentar em confiar o poder a chefes sem visão e sem convicções. Estamos em um ponto de inflexão, a questão é tanto política como moral e se refere ao fato de que coletivamente merecemos algo melhor.

Quais seriam, então, as alternativas para lutar contra a mediocracia?

O pensamento crítico continua sendo uma coisa fundamental, ou seja, recusar-se a usar as ideologias da época e caminhar de acordo com suas prescrições, sem fazer com que se detenham seriamente. Mas, a modernidade nos mostra, a partir do século XIX, que a crítica não é suficiente para gerar formas de resistência capazes de transformar profundamente a ordem das coisas. Não há uma transformação radical somente quando as pessoas decidem, mas também quando acontece algo decisivo em termos de eventos. A crise ecológica na qual estamos imersos anuncia mudanças de paradigma que influenciarão muito mais a mudança do que a vontade humana.

Não é um progresso hipertecnológico o que nos espera, mas outros fenômenos muito contrários, como o esgotamento da riqueza necessária para a fabricação de objetos de alta tecnologia, a interrupção da cadeia alimentar tradicional, devido ao desaparecimento massivo de espécies, a redução considerável de terras cultiváveis, o desaparecimento de florestas inteiras, o avanço do deserto, o derretimento das geleiras, o aumento das inundações, a poluição do ar ... Esses fenômenos provavelmente transformarão o mundo muito mais profundamente do que qualquer Revolução Francesa ou de 17 de outubro.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“A mediocracia é a antessala de uma revolução”. Entrevista com Alain Deneault - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV