O apelo do Papa: o desmatamento compromete o nosso futuro

Revista ihu on-line

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

Mais Lidos

  • Comunhão na Igreja dos EUA ''já está fraturada''. Entrevista com Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Vozes que desafiam. A vida de Simone Weil marcada pelas opções radicais

    LER MAIS
  • A disrupção é a melhor opção para evitar um desastre climático, afirma ex-presidente irlandesa

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

09 Setembro 2019

Pá na mão, o Papa Francisco planta um baobá, emblema da flora do Madagascar. É um gesto que lembra a visita do Pontífice à ilha africana, a quarta maior do mundo, que hospeda 5% de todas as espécies animais e florais conhecidas. E também simboliza o apelo que o Bispo de Roma lançou alguns minutos antes ao falar com as autoridades locais. Mas foi um apelo lançado ao mundo, diante também de "representantes da comunidade internacional": devemos defender a biodiversidade do desmatamento, que muitas vezes é "em benefício de poucos" e pode "comprometer o futuro do planeta". É por isso que incêndios como os que estão devorando a Amazônia são uma ameaça para toda a humanidade, ressalta o Papa.

A reportagem é de Domenico Agasso jr, publicada por La Stampa, 08-09-2019. A tradução é de Luisa Rabolini.

Respeito pelos direitos dos povos. O apelo de Bergoglio do Oceano Índico antecipa o Sínodo sobre a Amazônia convocado para outubro e resume sua mensagem social sobre o cuidado da criação e o dever de respeitar os direitos e valores dos povos.

E sobre a pobreza: Francisco ficou profundamente chocado e preocupado com a extrema miséria nas ruas de Antananarivo. Andando pelas ruas da capital, viu com seus próprios olhos as crianças acocoradas no chão amassando tijolos entre os barracos e os menores com o olhar perdido e exausto e uma mão estendida na espera de algum trocado dos transeuntes. Eis que, em seu discurso, Francisco pede antes de tudo que a política cumpra seu dever de proteger os cidadãos, "especialmente os mais vulneráveis", promovendo um desenvolvimento digno e justo, isto é, "integral" e não apenas econômico.

Depois, recordando a riqueza dos recursos naturais da "Ilha Vermelha", como é chamada por causa da riqueza de laterita, listou uma série de denúncias: "As florestas restantes são ameaçadas por incêndios, pela caça predatória, pelo corte descontrolado de madeira preciosa". O país perde cerca de 200 mil hectares por ano de seu patrimônio florestal. A biodiversidade de plantas e animais está em risco "devido ao contrabando e às exportações ilegais".

Ilha de Madagascar

Francisco sabe que "para as populações envolvidas, muitas dessas atividades que prejudicam o meio ambiente garantem no momento a sua sobrevivência". Portanto, é decisivo "criar empregos e atividades geradoras de renda que respeitem o meio ambiente e ajudem as pessoas a sair da pobreza". Em outras palavras, "não pode haver uma verdadeira abordagem ecológica sem uma justiça social" que possa garantir "o direito ao destino comum dos bens da terra às gerações atuais e futuras".

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O apelo do Papa: o desmatamento compromete o nosso futuro - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV