NASA mapeia monóxido de carbono associado a incêndios na região amazônica do Brasil

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • “Existe uma luta política na Igreja, entre os que querem a Igreja sonhada pelo Vaticano II e os que não” constata Arturo Sosa, superior-geral dos jesuítas

    LER MAIS
  • O agrotóxico que matou 50 milhões de abelhas em Santa Catarina em um só mês

    LER MAIS
  • “Estamos diante de uma crise do modelo de civilização”. Entrevista com Donna Haraway

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

06 Setembro 2019

Novos dados do instrumento Atmospheric Infrared Sounder (AIRS) da NASA, a bordo do satélite Aqua, mostram, na alta atmosfera, o movimento de monóxido de carbono associado a incêndios na região amazônica do Brasil.

A reportagem é de Tony Greicius, publicada por NASA / JPL-Caltech, e reproduzida por EcoDebate, 05-09-2019. A tradução e edição são de Henrique Cortez

Esta série cronológica mapeia o monóxido de carbono a uma altitude de 5.500 metros de 18 a 22 de agosto de 2019. À medida que a série avança, a pluma de monóxido de carbono cresce na região noroeste da Amazônia e depois se move em uma pluma mais concentrada em direção ao sudeste parte do país.

Esta série cronológica mostra o monóxido de carbono associado a incêndios na região amazônica no Brasil de 8 a 22 de agosto de 2019. Feitas com dados coletados pelo Atmosférico Infravermelho (AIRS) no satélite Aqua da NASA, as imagens mapeiam o monóxido de carbono a aproximadamente 18.000 pés (5.500 metros) de altitude. Cada “dia” da série é feito calculando a média de três dias de medições. (Créditos: NASA / JPL-Caltech) 

Cada “dia” da série é feito calculando a média de três dias de medições, uma técnica usada para eliminar as lacunas de dados. Verde indica concentrações de monóxido de carbono em aproximadamente 100 partes por bilhão em volume (ppbv); amarelo, a cerca de 120 ppbv; e vermelho escuro, com cerca de 160 ppbv. Os valores locais podem ser significativamente mais altos.

Poluente que pode viajar grandes distâncias, o monóxido de carbono pode persistir na atmosfera por cerca de um mês. Na alta altitude mapeada nessas imagens, o gás tem pouco efeito no ar que respiramos; no entanto, ventos fortes podem carregá-lo para baixo, onde podem afetar significativamente a qualidade do ar. O monóxido de carbono desempenha um papel na poluição do ar e nas mudanças climáticas.

O AIRS, em conjunto com a Advanced Microwave Sounding Unit (AMSU), detecta radiação infravermelha e de microondas da Terra para fornecer uma visão tridimensional do tempo e do clima da Terra. Com mais de 2.000 canais detectando diferentes regiões da atmosfera, os instrumentos criam um mapa tridimensional global de temperatura e umidade atmosférica, quantidades e alturas de nuvens, concentrações de gases de efeito estufa e muitos outros fenômenos atmosféricos.

Os instrumentos AIRS e AMSU são gerenciados pelo Laboratório de Propulsão a Jato da NASA em Pasadena, Califórnia, sob contrato com a NASA. JPL é uma divisão da Caltech.

Mais informações sobre o AIRS podem ser encontradas aqui

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

NASA mapeia monóxido de carbono associado a incêndios na região amazônica do Brasil - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV