25° Grito dos Excluídos ocorrerá no berço da primeira grande ocupação urbana no RS

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Movimento que pediu pacote antiambiental a Paulo Guedes inclui Gerdau, Google, Amazon, Globo e outros

    LER MAIS
  • Refazer os padres, repensando os seminários. Artigo de Erio Castellucci

    LER MAIS
  • São Vicente de Paulo e a atualidade de sua herança espiritual

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


04 Setembro 2019

A 25ª edição do Grito dos Excluídos no Rio Grande do Sul será realizada, dia 7 de setembro, na Vila Santo Operário, em Canoas, que foi berço há 40 anos da primeira grande ocupação urbana no Estado. A escolha do local da tradicional manifestação organizada por pastorais sociais católicas, de outras tradições religiosas e de movimentos populares, na data que celebra a independência do Brasil, marca uma inflexão na estratégia das entidades organizadoras da manifestação, motivada pelo cenário de agravamento de violações de direitos e de exclusão social no país. O anúncio foi feito na tarde desta segunda-feira (2), durante entrevista coletiva, no Plenarinho da Assembleia Legislativa, concedida pela organização da manifestação.

A reportagem é de Marco Weissheimer, publicada por Sul21, 02-09-2019.

Segundo Egidio Fiorotti, a edição deste ano do Grito dos Excluídos, tratará do presente das diferentes expressões de exclusão no país indo ao encontro de um território atingido diretamente por elas e lembrando um período que marcou a ascensão dos movimentos populares no país, no final da ditadura militar. Com o lema “Vida em primeiro lugar. Este sistema não vale”, o 25° Grito dos Excluídos pretende denunciar o cerceamento da liberdade, a retirada de direitos conquistados, a volta da fome, o aumento do desemprego e da violência contra a população mais pobre e contra grupos sociais historicamente discriminados no Brasil.

Card 25° Grito dos Excluídos. (Divulgação)

“Historicamente, o Grito dos Excluídos acontecia após o desfile de 7 de setembro. Aqui em Porto Alegre, nos dois últimos anos, ele foi realizado na Praça das Cuias. Este ano resolvemos fazer uma mudança de local, por dois motivos. O primeiro é que decidimos ir ao encontro de um ambiente de exclusão. O segundo é que 2019 marca os 40 anos do início da história das ocupações de terra no Rio Grande do Sul. Em 1979, as ocupações da Santo Operário, em Canoas, e da fazenda Macali, em Pontão, deram início ao processo de grandes ocupações de terra no Estado, em busca de uma alternativa de vida para milhares de pessoas”, assinalou.

Este ano, a caminhada do Grito dos Excluídos iniciará às 14h30min, na vila Santo Operário, no bairro Mathias Velho, e percorrerá cerca de 2,5 quilômetros por dentro da vila. Ela terá onze momentos diferentes e, em cada um deles, um movimento popular falará sobre a sua luta contra as exclusões. Representantes desses movimentos participaram da entrevista coletiva desta segunda, detalhando a agenda política da manifestação do próximo dia 7 de setembro.

O professor e advogado Goddman Andrade Santos, do coletivo ANGLICANXS+, da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil, disse que o Grito dos Excluídos é também um espaço de manifestação para uma população historicamente excluída na sociedade brasileira e que vive hoje um agravamento da condição de preconceito e violência. “Eu tenho 32 anos e nunca tinha sido agredido até este ano”, resumiu.

Davison Soares, morador do Quilombo dos Alpes e integrante da Federação Quilombola do Rio Grande do Sul, falou, por sua vez, sobre a angústia vivida hoje pela população quilombola e também pela população indígena, diante das posições assumidas pelo governo Bolsonaro. “Esse governo já disse que, se depender dele, não teremos mais um palmo de terra demarcada no Brasil”.

Greice Machado, do Movimento de Trabalhadores e Trabalhadoras por Direitos (MTD), lembrou dados recentes do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que apontam a existência de 12,6 milhões de desempregados hoje no Brasil (cerca de 11,8% da população economicamente ativa), além de outros 11,7 milhões com trabalhos informais precários e temporários, sem carteira assinada. Esse é o maior contingente de trabalhadores desempregados desde 2012, destacou. “Estima-se que, só para procurar um emprego hoje, um trabalhador precisa de 300 reais por mês. Temos milhões de pessoas hoje no país vivendo com um sentimento de impotência, de baixa estima, a um passo da depressão”, acrescentou. Mostrando uma carteira de trabalho, Greice definiu o que representa para ela o Grito dos Excluídos. “Esse documento assinado é o símbolo maior de dignidade dos trabalhadores. É isso que vamos buscar no Grito”.

Secretário de Comunicação da Central Única dos Trabalhadores no Rio Grande do Sul (CUT-RS), Ademir Wiederkehr, também destacou a centralidade da denúncia violação de direitos sociais e trabalhistas na edição deste ano do Grito. “Além do aumento do desemprego, estamos vendo o crescimento da informalidade, da precarização e do trabalho sem direitos após a Reforma Trabalhista. As elites brasileiras querem que voltemos ao tempo da escravidão”, afirmou.

Outro tema que integra a agenda deste ano do Grito dos Excluídos no Rio Grande do Sul está relacionado aos impactos sociais e ambientais dos grandes projetos de mineração que pretendem se instalar no Estado. Michele Ramos, do Movimento pela Soberania Popular na Mineração (MAM), afirmou que projetos como o da Mina Guaíba, que pretende explorar carvão a céu aberto na Região Metropolitana de Porto Alegre, ameaçam o abastecimento de água e a qualidade de vida de milhões de pessoas.

Nana Sanches, da ocupação Mulheres Mirabal, destacou que os retrocessos que estão acontecendo hoje no Brasil recaem fundamentalmente sobre as mulheres que sofrem, entre outros problemas, com o aumento da violência doméstica e do feminicídio.

Nana Sanches. (Foto: Marcus Perez – CUT-RS)

Por outro lado, ela defendeu a necessidade de superar o discurso derrotista diante da atual conjuntura política. “No dia 25 de novembro, vai fazer três anos que estamos fazendo esse trabalho na ocupação Mirabal, desde que Sartori desmontou a estrutura de políticas públicas para mulheres. Tem muita luta acontecendo no Brasil e precisamos reverter o discurso de medo e de derrotas que só nos paralisa”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

25° Grito dos Excluídos ocorrerá no berço da primeira grande ocupação urbana no RS - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV