O Sínodo da Amazônia deve se pronunciar sobre os incêndios florestais, afirma editorial de revista inglesa

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • O testamento de Dom Jacques Noyer, bispo francês. “O celibato eclesiástico é uma falsa aventura”

    LER MAIS
  • Uma heresia pós-moderna: o uso distorcido da religião para sustentar teorias da conspiração

    LER MAIS
  • As grandes mulheres por trás das vacinas contra o Covid

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


31 Agosto 2019

Se a floresta tropical da Amazônia é crucial para conter o aquecimento global – como um pulmão que ajuda o planeta a respirar –, então os incêndios florestais que queimam agora a região amazônica da América do Sul podem ser comparados a um câncer de pulmão, uma ameaça à vida.

O editorial é da revista The Tablet, 31-08-2019. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Nada poderia ser mais alarmante, portanto, do que o fato de os líderes dos dois Estados mais envolvidos, Brasil e Estados Unidos, serem ambos negacionistas das mudanças climáticas. Os presidentes Jair Bolsonaro e Donald Trump se recusam a aceitar que o planeta está doente e desprezam desdenhosamente os esforços internacionais para curá-lo.

O governo brasileiro rejeitou a oferta de 22 milhões de dólares [cerca de 91 milhões de reais] dos países do G7, acordada na cúpula realizada pelos franceses em Biarritz, dizendo que isso cheira a colonialismo. No entanto, o Brasil recentemente reclamou que não possui recursos suficientes para combater os milhares de incêndios que estão ocorrendo agora.

Existem outros destinos possíveis para o dinheiro, é claro, como a Bolívia, onde a sua porção de floresta amazônica também está ameaçada por incêndios em larga escala, queimando fora do controle. O gesto do G7 poderia ser mais realista e mais convincente se a quantia oferecida fosse 10 vezes maior – pois isso seria mais próximo de um pacote de ajuda que correspondesse à escala do desastre.

Essa crise é quase inteiramente provocada pelo ser humano. Assim que a floresta é queimada, a terra pode ser preparada para a agricultura. O gado pode pastar nela, mas, ainda mais significativamente, a soja geneticamente modificada encontra um enorme mercado nos Estados Unidos, onde é usada para alimentar o gado de corte e leiteiro. Após o processamento, a soja também é usada diretamente para consumo humano. A derrubada de florestas e o cultivo de soja são ameaças sérias à biodiversidade.

O Brasil tem leis para controlar e restringir o desmatamento, mas o governo Bolsonaro incentivou tacitamente a ilegalidade, a corrupção e os abusos disseminados. A exploração comercial da terra muitas vezes leva à violência.

Governos sucessivos demonstraram pouca preocupação com o bem-estar das tribos indígenas que habitam a floresta tropical e que a entendem melhor. Elas são os guardiões naturais desse tesouro global único de vida vegetal e animal e precisam da solidariedade do restante do mundo para sobreviver.

O Sínodo Amazônico de outubro, convocado pelo Papa Francisco, deveria permitir que isso seja demonstrado, apesar de correr o risco de ser tragado pela fumaça e pelas chamas dessa crise imediata.

O aquecimento global é um fato científico, envolvendo a captura de calor na atmosfera pelos gases de efeito estufa. A Floresta Amazônica desempenha um papel vital na absorção de alguns desses gases. Em pouco tempo, haverá um ponto de virada crítico em que o processo não estará mais em equilíbrio, e o clima começará a se desestabilizar. Ninguém sabe ao certo o que acontecerá, mas certamente serão más notícias para a raça humana.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O Sínodo da Amazônia deve se pronunciar sobre os incêndios florestais, afirma editorial de revista inglesa - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV