Novo estudo revela que partes da Europa estão aquecendo mais rápido que os modelos climáticos

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • In memoriam do teólogo que apostou no “ministro da comunidade” para superar o clericalismo

    LER MAIS
  • Uma Igreja pobre? Dinheiro, sectarismo e tradição católica. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Abuso de autoridade na igreja. Problemas e desafios da vida religiosa feminina

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


31 Agosto 2019

A mudança climática está aumentando o número de dias de calor extremo e diminuindo o número de dias de frio extremo na Europa, o que representa um risco para os residentes nas próximas décadas, segundo um novo estudo.

A reportagem é de Abigail Eisenstadt, publicada por American Geophysical Union, e reproduzida por EcoDebate, 30-08-2019. A tradução e edição são de Henrique Cortez.

As temperaturas na Europa atingiram níveis recordes neste verão, passando de 46,0 graus Celsius (114,8 graus Fahrenheit) no sul da França. Nova pesquisa na revista AGU Geophysical Research Letters revela que o número de dias de verão com calor extremo triplicou desde 1950 e os verões se tornaram mais quentes no geral, enquanto o número de dias de inverno com frio extremo diminuiu em frequência em pelo menos metade e invernos se tornaram mais quentes no geral.

O novo estudo descobriu que partes da Europa estão aquecendo mais rápido que os modelos climáticos.

“Mesmo nessa escala regional sobre a Europa, podemos ver que essas tendências são muito maiores do que o que poderíamos esperar da variabilidade natural. Isso é realmente um sinal da mudança climática”, disse Ruth Lorenz, cientista climática do Instituto Federal de Tecnologia da Suíça, em Zurique, Suíça, e principal autora do novo estudo.

O calor extremo é perigoso porque estressa o corpo humano, levando potencialmente a exaustão por calor ou insolação. Os cientistas sabiam que a mudança climática estava aquecendo a Europa, mas eles estudaram principalmente mudanças de longo prazo em temperaturas extremas. O novo estudo analisou dados observacionais para avaliar se os modelos climáticos usados para projeções regionais podem reproduzir tendências observadas.

No novo estudo, Lorenz e seus colegas usaram dados observacionais obtidos por estações meteorológicas europeias de 1950 a 2018 e analisaram os 1% dos extremos de calor mais quentes e os maiores extremos de umidade, e os 1% mais frios durante esse período.

“Nós olhamos mais para o dia mais quente ou a noite mais fria por ano, então para cada ano nós procuramos o valor máximo / mínimo e como eles mudaram com o tempo”, disse Lorenz.

Eles descobriram que o número de dias de calor extremo na Europa triplicou desde 1950, enquanto o número de dias de frio extremo diminuiu por fatores de dois ou três, dependendo da região. Os dias extremamente quentes tornaram-se mais quentes em uma média de 2,30 graus Celsius (4,14 graus Fahrenheit), enquanto os dias extremamente frios aqueceram em média 3,0 graus Celsius (5,4 graus Fahrenheit). Os dias mais quentes e as noites mais frias aqueceram significativamente mais do que as temperaturas médias correspondentes no verão e no inverno.

Regiões individuais em toda a Europa experimentaram tendências de temperatura drasticamente diferentes, o que torna difícil comparar as temperaturas médias europeias com os extremos de estações específicas, de acordo com os autores. Na Europa Central, os extremos aquecidos por 0,14 graus Celsius (0,25 graus Fahrenheit) por década mais do que a média do verão, equivalente a quase 1,0 grau Celsius (1,8 grau Fahrenheit) aumentar mais do que a média durante todo o período do estudo, de acordo com Lorenz.

Mais de 90% das estações meteorológicas estudadas mostraram que o clima estava aquecendo, uma porcentagem alta demais para ser puramente da variabilidade climática natural, de acordo com os pesquisadores.

Os resultados também mostraram que a região estava aquecendo mais rápido do que os modelos climáticos projetados. Algumas regiões experimentaram extremos mais altos do que o esperado e algumas tiveram extremos menores que o esperado.

“Na Holanda, Bélgica, França, as tendências do modelo são cerca de duas vezes menores do que as tendências observadas”, disse Geert Jan van Oldenborgh, analista climático do Instituto Real de Meteorologia da Holanda em De Bilt, Holanda, que não estava ligado à novo estudo. “Estamos alcançando novos recordes mais rápido do que você espera.”

Os verões e invernos europeus só crescerão mais calorosamente nos próximos anos com a aceleração da mudança climática, impactando cidades e pessoas despreparadas para o aumento das temperaturas, segundo os autores do estudo.

“Muitas pessoas não têm ar condicionado, por exemplo, e isso torna isso realmente importante”, disse Lorenz. “Esperamos resultados baseados em estudos de modelagem, mas é a primeira vez que vemos isso no que observamos até agora”. 

Imagem de satélite da energia térmica emitida pela Europa em 25 de julho de 2019 mostra os maiores extremos deste verão. (Crédito: Agência Espacial Europeia)

Referência:

Lorenz, R., Stalhandske, Z., & Fischer, E. M. ( 2019). Detection of a climate change signal in extreme heat, heat stress, and cold in Europe from observations. Geophysical Research Letters, 46, 8363– 8374.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Novo estudo revela que partes da Europa estão aquecendo mais rápido que os modelos climáticos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV