Brasil perdeu 2,5 Alemanhas em florestas em 34 anos

Revista ihu on-line

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Mais Lidos

  • Vaticano, roubadas da igreja estátuas indígenas consideradas “pagãs” e jogadas no Tibre

    LER MAIS
  • A peleja religiosa. Artigo de José de Souza Martins

    LER MAIS
  • Começa a hora da decisão para os bispos da Amazônia na semana final do Sínodo. Artigo de Thomas Reese

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

30 Agosto 2019

Nova coleção de mapas do MapBiomas mostra que vegetação natural teve redução de 89 milhões de hectares entre 1985 e 2018; agropecuária cresceu 86 milhões de hectares.

A reportagem é publicada por Observatório do Clima, 29-08-2019.

Um dado divulgado nesta quinta-feira em Brasília dá a dimensão da idiotice que políticos brasileiros cometem quando mandam, por exemplo, a chanceler Angela Merkel “reflorestar a Alemanha”. O maior esforço já feito de mapeamento de vegetação do Brasil mostrou que em apenas 34 anos o Brasil perdeu em florestas o equivalente a duas vezes e meia o território alemão.

Foram 89 milhões de hectares (890 mil quilômetros quadrados) de vegetação nativa perdidos entre 1985 e 2018, segundo o projeto MapBiomas, que lançou sua quarta coleção de mapas. A Alemanha, que derruba florestas desde antes do Império Romano e é o país mais rico da Europa, não acabou com as suas.

Iniciativa do Observatório do Clima, o MapBiomas reúne duas dezenas de ONGs, universidades e empresas de tecnologia para mapear todas as mudanças de uso e cobertura do solo ocorridas no Brasil desde o ano da redemocratização. Cada pedaço de 30m x 30m do território nacional tem sua história contada por imagens de satélite.

As florestas do Brasil recuaram de 587 milhões de hectares em 1985 para 505 milhões no ano passado. Mais de metade dessa perda – 47 milhões de hectares – ocorreu na Amazônia. A vegetação não-florestal, como campos naturais e mangues, recuou de 71 milhões para 64 milhões de hectares. Já a agropecuária cresceu de 174 milhões de hectares para 260 milhões. Hoje o Brasil ocupa com lavoura e pastagem uma área quase equivalente a todo o território da Argentina (incluindo desertos, montanhas e geleiras). Há quem ache que é pouco.

“Quando somado às queimadas, o desmatamento gera maior emissão de gases de efeito estufa na atmosfera e diminui o sequestro de carbono, fundamental para reduzir a concentração destes gases na atmosfera e sem o qual não será possível limitar o aquecimento global abaixo de 2oC”, afirmou Tasso Azevedo, coordenador técnico do OC e do MapBiomas.

O MapBiomas também vem mapeando mudanças no modo de produzir no Brasil., nota, por exemplo, que a área de pastagens parou de crescer no país por volta de 2005 e vem caindo nos últimos anos. “Isso se deve à expansão da agricultura sobre áreas de pastagem”, afirma Azevedo. Ou seja, a produtividade da pecuária em algumas regiões aumentou.

O surto de construção de hidrelétricas também fez com que aumentasse a área do Brasil ocupada por corpos d’água – em 3 milhões de hectares. A área com mineração mais do que triplicou, assim como a infraestrutura urbana.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Brasil perdeu 2,5 Alemanhas em florestas em 34 anos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV