“Descansa, come, bebe, aproveita!” (Lc 12,19). Proximidades e distâncias entre o Evangelho e o Eclesiastes. Artigo de Andrea Grillo

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Padres despedaçados. Artigo de Pietro Parolin

    LER MAIS
  • Na igreja do Papa Francisco, os movimentos estão parando

    LER MAIS
  • Abusos, sínodo e a falsa prudência

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


05 Agosto 2019

“No entrelaçamento entre a sabedoria do Eclesiastes e a parábola de Jesus, a Igreja pode levar a sério o que o homem rico diz à sua alma: não pela cobiça, mas pela graça de um dom recebido gratuitamente e gratuitamente oferecido.”

A reflexão é do teólogo italiano Andrea Grillo, professor do Pontifício Ateneu Santo Anselmo, em Roma, do Instituto Teológico Marchigiano, em Ancona, e do Instituto de Liturgia Pastoral da Abadia de Santa Justina, em Pádua, em artigo publicado por Come Se Non, de 04-08-2019. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

O evangelho deste 18º Domingo do Tempo Comum nos oferece um caso exemplar de relação complexa entre o Primeiro e o Novo Testamento. De fato, ele põe em relação o Evangelho com o texto do Eclesiastes sobre a “vaidade das vaidades”. Há muitos pontos de contato entre a parábola do homem rico e o texto sapiencial. Dos muitos pontos de contato, gostaria de trazer à tona um texto decisivo do Evangelho, em que o homem rico fala à sua alma e diz: “Descansa, come, bebe, aproveita!”. O texto, acima de tudo, não é uma expressão de “cobiça”, mas é a citação quase literal de um texto do Eclesiastes, que não aparece na primeira leitura, mas que se situa imediatamente após o texto proclamado como primeira leitura. De fato, lá se diz assim:

“De fato, que resta ao homem de todos os trabalhos e preocupações que o desgastam debaixo do sol? Toda a sua vida é sofrimento, sua ocupação, um tormento. Nem mesmo de noite repousa o seu coração. Também isso é vaidade. Vejam: a felicidade do homem está em comer e beber, desfrutando o produto do seu trabalho. Contudo, percebo que também isso vem das mãos de Deus. De fato, quem pode comer e beber, sem que isso lhe venha de Deus?” (Eclesiastes 2,22-25).

É muito interessante que o que é expresso pelo homem rico é um “ideal sapiencial” do povo de Israel. Obviamente, isso não significa que “por si sós” as quatro ações sejam garantia de “salvação”. Mas, em vez disso, representam “limiares” significativos de relação com Deus. Isso também é decisivo para interpretar o sentido da parábola e para não cair em uma leitura simplesmente “moralista”. De fato, não se trata de rejeitar as quatro ações como “pecados”, mas de recuperar o seu sentido mais pleno e mais verdadeiro.

De fato, poderíamos dizer que a “maldição” do homem rico está em ter subtraído das quatro verdades a sua verdade temporal. Perdendo a relação com o tempo, descanso, comida, bebida e jogo tornam-se perigosos.

Por outro lado, a própria estrutura da Igreja se alimenta dessas quatro ações. E a grande tradição cristã da ascese também se situa em uma relação não unívoca com o descansar, com o comer, com o beber e com o divertir-se.

O discurso que o homem rico faz à sua alma é um discurso muito sério, que perdeu o contato com o tempo. Mas a Igreja herda o mesmo discurso do seu Senhor. Aprende dele a “descansar, comer, beber e aproveitar”. Como?

Acima de tudo, sabendo “fazer festa”. O descanso continua sendo um grande ideal cristão, de que precisamos para reencontrar o ritmo do tempo.

No centro do “repouso festivo” está o comer/beber que Jesus nos deixou e que nós repetimos “em memória d’Ele”. Cada eucaristia responde à verdade do “comei” e “bebei”.

Por fim, o “divertir-se”, saber sair do absolutismo dos direitos e dos deveres, para redescobrir os dons que os fundamentam. Saber “fazer culto”, saber “brincar diante de Deus” é um recurso decisivo da fé cristã.

Assim, no entrelaçamento entre a sabedoria do Eclesiastes e a parábola de Jesus, a Igreja pode levar a sério o que o homem rico diz à sua alma: não pela cobiça, mas pela graça de um dom recebido gratuitamente e gratuitamente oferecido.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Descansa, come, bebe, aproveita!” (Lc 12,19). Proximidades e distâncias entre o Evangelho e o Eclesiastes. Artigo de Andrea Grillo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV