70 católicos presos em Washington protestando contra a política de fronteira dos EUA

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • “O que acumulamos e desperdiçamos é o pão dos pobres”, afirma o papa Francisco em carta à FAO

    LER MAIS
  • Metade dos brasileiros vive com R$ 413 mensais

    LER MAIS
  • O Sínodo nos ajuda a entender que a solução não está no Direito Canônico, mas na profecia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

22 Julho 2019

Algumas centenas de ativistas católicos, incluindo dezenas de mulheres religiosas, reuniram-se ao pé do Capitólio dos Estados Unidos em 18 de julho, pedindo aos políticos que parassem com o "tratamento desumano" das crianças imigrantes na fronteira e lembrando as pessoas de fé para se posicionarem melhor contra as atuais políticas de fronteira dos EUA.

A reportagem é de Carol Zimmermann, publicada por Catholic News Service, 18-07-2019. A tradução é de Natália Froner dos Santos.

A manifestação, em uma manhã sufocante em Washington, incluiu momentos de oração, algumas músicas e vários discursos. A certa altura, alguém na multidão começou a cantar: "Onde estão os bispos?" que foi repetido por muitos participantes, mas mais tarde no evento, os palestrantes leram trechos de mensagens que foram enviadas ao grupo de vários bispos dos EUA, agradecendo-lhes a participação e estimulando-os a continuar falando sobre a crise na fronteira.

Uma mensagem do bispo Robert W. McElroy, de São Diego, disse em parte: “Estamos em um momento em que nosso governo armou o medo – o medo sendo semeado dentro de nossa nação como um todo que os refugiados e imigrantes, que têm sido a força vital histórica da América, agora se tornaram o inimigo; e o medo ainda mais repreensível sendo desencadeado nos corações e almas das mães e pais imigrantes de que eles serão separados de seus filhos puramente como um ato de intimidação.”

Muitos dos oradores do “Dia Católico de Ação para Crianças Imigrantes”, organizado pelos grupos Fé na Vida Pública e Fé em Ação, eram principalmente mulheres religiosas que enfatizaram a necessidade de acabar com a prática atual de colocar crianças em centros de detenção na fronteira e enfatizaram que a necessidade de iniciar uma nova onda de protestos contra essas políticas deve ser vista como uma postura pró-vida.

A irmã Carol Zinn, irmã de São José da Filadélfia e diretora executiva da Conferência de Liderança de Religiosas, disse ao grupo: “Irmãs católicas têm uma longa história com comunidades de imigrantes. Vimos a dor, o sofrimento, o medo e o trauma em primeira mão. Nos últimos meses, com o aumento da crise humanitária, nos juntamos às dezenas de milhares de pessoas que estão indignadas com a terrível situação em nossa fronteira sul.”

Ela apontou que as religiosas têm ministrado aos necessitados e doado dinheiro para apoiar aqueles que buscam proteção, liberdade, segurança e uma vida melhor para suas famílias. “Estamos aqui hoje por causa de nossa fé. Os comandos do evangelho e os valores de nossa pátria exigem que nós ajamos”, acrescentou.

A mensagem de urgência estava essencialmente falando ao coro porque esses ativistas, que mostraram seu apoio com rodadas de “Améns!” claramente não era novidade para esta questão e muitos participaram do protesto particularmente para seu final: quando as prisões de 70 pessoas por desobediência civil ocorreram no adjacente Edifício De escritórios do Senado. Billy Critchley-Menor, S.J., estagiário na revista América, estava entre os presos.

Uma jovem mãe de El Salvador segurou seu bebê enquanto se dirigia à multidão em espanhol. Em comentários, que foram traduzidos, ela agradeceu ao grupo por seus esforços em ajudar os imigrantes e disse que está em busca de refúgio, mas tem medo de que ela seja separada de seu bebê.

Enquanto grupos de turistas passavam e homens e mulheres em trajes de negócios iam em direção ao Capitólio, não podiam deixar de ver os cartazes erguidos com mensagens como “Franciscanos pela Justiça”, “Deixe as crianças estarem com seus pais” e “Católicos pelas Famílias: Juntos e Livres”, bem como cartazes com imagens de crianças que morreram sob custódia dos EUA na fronteira.

A Irmã da Misericórdia Patricia Murphy, de 90 anos, de Chicago, que compareceu ao evento para participar da desobediência civil, disse ao Catholic News Service antes do comício que “não poderia não estar aqui”.

A irmã usava uma camisa roxa identificando-a como uma Irmã da Misericórdia, um broche que dizia: "Você é meu vizinho" e carregava um cartaz com o rosto de Felipe Gomez Alonzo, um menino de 8 anos da Guatemala que morreu doente em custódia de imigração dos EUA depois de cruzar a fronteira com seu pai.

Irmã Patricia disse que esta seria sua sexta prisão e ela esperava que a ação levasse outras pessoas a fazer mais. Nos últimos 12 anos, ela manteve vigília, orando e protestando diante de um centro de detenção de imigrantes em Chicago todas as sextas-feiras pela manhã.

Antes das prisões por desobediência civil no Edifício de Escritórios do Senado, os participantes continuaram a segurar cartazes com sua mensagem e falar em protesto. Depois de avisos da polícia de que seriam presos se ficassem na rotunda do prédio, aqueles que escolheram ficar recitaram a Ave Maria enquanto esperavam para serem algemados e escoltados pela polícia.

Momentos antes das prisões, a irmã Donna Korba, uma irmã dos Servos de Maria em Scranton, Pensilvânia, disse que sua participação no encontro do dia resultou de sua vida de ativismo, incluindo recente voluntariado na fronteira EUA-México com outras irmãs em dezembro passado, e os 12 anos que ela passou na Guatemala.

“Não há respostas fáceis, mas precisamos olhar para as causas da imigração”, disse ela, lembrando que quando perguntou a um pai da Guatemala por que ele faria a árdua jornada aos Estados Unidos, ele disse: “Porque meus filhos estão com fome.”

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

70 católicos presos em Washington protestando contra a política de fronteira dos EUA - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV