Honduras. As perseguidas “filhas” da líder ambiental Berta Cáceres

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Como viver o Advento em tempos de quarentena

    LER MAIS
  • Uma nova economia é possível!

    LER MAIS
  • Caixa do Carrefour: “Eu ficava das onze da manhã às três da tarde sentada e evitava tomar água, pra não ter que ir ao banheiro, porque não tinha quem ficasse no meu lugar”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


05 Julho 2019

A defensora Berta Cáceres, assassinada por defender sua terra, continua incomodando aqueles que a calaram. Atuam por ela uma grande quantidade de mulheres que denunciam que as elites e empresas nacionais e internacionais estão (continuam) esgotando seus recursos.

A reportagem é de Lula Gómez, publicada por Público, 01-07-2019. A tradução é do Cepat.

A maioria são donas de casa e camponesas de El Salvador, Guatemala e Honduras, com numerosas responsabilidades familiares, que não tremem diante de autênticos gigantes. Fazem isso mesmo sem o ativismo não ser bem acolhido em suas famílias (pais, mães, maridos, irmãos ...), nem em suas comunidades, compradas muitas vezes. Tampouco, repetem, contam com o respeito dos movimentos de resistência e organizações: sua voz não é tão valorizada como a dos homens.

Conversamos com duas delas que, apesar de seus diferentes perfis, concordam na essência: a defesa da terra. Estes são os temas que delineamos.

Riscos de gênero

"Sim, porque somos mulheres, somos assediadas sexualmente, gritam conosco, insultam e humilham, nos dizem para ir esfregar, o que é que fazemos demandando nada. E tudo isso ao mesmo tempo em que devemos continuar mantendo as casas e ser o centro dos cuidados. Porque, afinal, somos nós que, além de defender o que pertence a todos, devemos cuidar da limpeza, da roupa, da comida ...", ressalta Sonia Sánchez, líder em El Salvador do Movimento das Mulheres, em Santo Tomás.

Ela vem lutando há anos contra a multinacional Investimentos Robles, uma construtora que cortou mais de 30.000 árvores para construir casas de luxo. Sua particular disputa lhe rendeu duas ações por coação (das quais foi absolvida), difamação e diversas calúnias.

A resposta de Ana Rutilia Ical, catedrática e candidata a deputada na Guatemala é semelhante. Sim, ser mulher e defensora dos direitos ambientais tem um custo adicional por questões de gênero. No seu caso, a batalha contra uma hidrelétrica, Renace, do grupo espanhol ACS, fez com que fosse criminalizada, estigmatizada, difamada e rotulada como "louca". Também a acusam de ser contra o desenvolvimento. "Sim, eu sou contra o desenvolvimento dos ricos e daqueles que se esquecem que 29.000 indígenas vivem neste território", aponta.

Chamada para a comunidade internacional

"Buscamos um compromisso com os direitos humanos para além do componente econômico. Assim como o capitalismo se globalizou, nós queremos globalizar as lutas dos territórios e visibilizar a vulnerabilidade daqueles que defendem a terra", diz Sonia Sánchez. A política guatemalteca aponta que a defesa do planeta é uma questão universal. "Não temos outro planeta e este está acabando. Não entendem? A Terra não é uma mercadoria".

O significado da Terra

"É a minha mãe. E minha mãe não se vende, se ama", diz Ana Rutilia. "Fonte de vida", ressalta Sonia Sánchez.

Desenvolvimento

"Isso é algo que devemos explicar. O desenvolvimento deve ser sinônimo do bem viver. Ter um ar saudável, água, rios, saúde e, claro, recursos como a educação e o respeito à vida", afirma a mulher guatemalteca, ao mesmo tempo em que recorda que ela é maia, e explica que a Europa não é a Mesoamérica. A salvadorenha se opõe ao que chama de "mau desenvolvimento" e aposta apenas no que é feito em harmonia com a natureza. "Eu não posso viver sem água. Não sei vocês", aponta. Para ela, a chave é rever a educação que recebemos, a de um sistema capitalista que nos leva a um individualismo absoluto, baseado em uma cultura do consumo. "Dissemos adeus à espiritualidade e aos valores", conclui.

Medo das ameaças, atentados e sequestros

"Não. Já os eliminei", explica a guatemalteca, que pensa que apesar de lutar contra um sistema racista, discriminatório, de classe, patriarcal e machista, há avanço. Sonia Sánchez diz que precisa trabalhá-los, porque, sim, tem medos e angústias (não tanto por ela, mas pelos seus, também atingidos). "Não é fácil enfrentar uma empresa que tem o poder de comprar juízes e até mesmo nossas comunidades", explica.

Esperança de futuro

"Há esperança. Existe um futuro, mas para isso precisam nos ouvir e reconhecer nossos direitos. É necessário também uma formação ambiental, aqui e lá ", opina Sánchez. Ana Rutila não hesita: "Se a Coca-Cola foi detida em determinado momento ... é claro que podemos".

As duas defensoras estiveram na Espanha, convidadas pela ONG Alianza por la Solidarida, que nesses dias lançou a campanha DesTieRRRadas. Com ela, pretende conquistar mudanças na legislação e nas políticas nacionais e internacionais relativas à proteção das mulheres defensoras. A organização também apresentou um relatório a esse respeito.

O documento destaca que em 54% dos casos as defensoras são agredidas por dirigentes políticos, policiais, militares, juízes e promotores, a quem acusam de cuidar mais dos interesses das empresas do que da população atingida por seus projetos. Além disso, 13% são atacadas ou ameaçadas em seus ambientes privados (em sua comunidade, nas organizações e famílias), uma vez que é muito comum as empresas seguirem a estratégia de gerar graves divisões nas comunidades.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Honduras. As perseguidas “filhas” da líder ambiental Berta Cáceres - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV