Cinco meses após a tragédia de Brumadinho (MG), Vale tem 33 barragens paralisadas

Revista ihu on-line

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Mais Lidos

  • A CNBB urge o governo a tomar “medidas sérias para salvar uma região determinante no equilíbrio ecológico do planeta”

    LER MAIS
  • Planeta em chamas. Artigo de Eliane Brum

    LER MAIS
  • 10 mapas e imagens de satélite internacionais que mostram a dimensão das queimadas no Brasil

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

02 Julho 2019

Na semana em que a tragédia de Brumadinho (MG) completou cinco meses, a mineradora Vale tem 33 barragens com as atividades interditadas em Minas Gerais. A maioria das paralisações são em decorrência de determinações da Justiça, atendendo a pedidos do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) com base em documentos que questionam a segurança das estruturas. Decisões da Agência Nacional de Mineração (ANM), da Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável de Minas Gerais (Semad) e até da própria Vale também culminaram em interdições.

A reportagem é de Léo Rodrigues, publicada por Agência Brasil, 01-07-2019.

Três das 33 estruturas paralisadas estão na Mina Córrego do Feijão, em Brumadinho, onde houve o rompimento da barragem B1 em 25 de janeiro, causando mais de 200 mortes. As demais estruturas com operações suspensas se situam nas cidades mineiras de Nova Lima, Ouro Preto, Itabirito, Itabira, Barão de Cocais, Rio Piracicaba e Mariana.

Para diversas barragens, o nível de segurança, índice que indica o risco de rompimento, foi elevado para 2 ou 3. Quatro delas apresentam as situações mais delicadas: Sul Superior, em Barão de Cocais; Forquilha I e Forquilha III, em Ouro Preto; e B3/B4, em Nova Lima. Essas barragens estão no nível 3, alerta máximo que significa risco iminente de ruptura.

No último dia 22, foram retomadas na integralidade as operações da barragem de Laranjeiras. Ela integra a Mina de Brucutu, a maior da Vale em Minas Gerais. Inaugurada em 2006 no município de São Gonçalo do Rio Abaixo (MG), a mina foi implementada ao custo de US$ 1,1 bilhão.

Divergências

Desde a tragédia de Brumadinho, as operações na barragem de Laranjeiras têm sido afetadas por decisões judiciais divergentes. As atividades foram paralisadas pela primeira vez em 1º de fevereiro, por meio de liminar concedida pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) em atendimento a um pedido do MPMG. A partir de então, intercalaram-se duas decisões liberando os trabalhos e duas determinando novamente a interrupção.

Na semana passada, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) suspendeu os efeitos da última liminar concedida pelo TJMG para paralisar as atividades na barragem de Laranjeiras. A nova decisão foi tomada em 18 de junho. “A Vale reafirma seu guidance de vendas de minério de ferro e pelotas de 307-332 Mt em 2019, anteriormente divulgado, e informa que a expectativa atual é que as vendas se aproximem do centro da faixa”, informa a mineradora em nota.

Compensação

Para compensar os municípios que perderam arrecadação devido à paralisação de suas atividades, a Vale vem mantendo um acordo com a Associação dos Municípios Mineradores de Minas Gerais e do Brasil (Amig). Em abril, foi anunciado um aporte de R$100 milhões que seriam distribuídos a 10 municípios: Barão de Cocais, Belo Vale, Congonhas, Itabirito, Mariana, Nova Lima, Ouro Preto, Rio Acima, São Gonçalo do Rio Abaixo e Sarzedo. Nesta semana, foi acordado um novo repasse de mesmo valor.

“Entendemos que esse novo apoio financeiro temporário é necessário para melhorar a oferta de serviços básicos fornecidos pelos Poderes Públicos das cidades em que foram prejudicadas pela paralisação das nossas operações. A Vale reafirma seu compromisso a continuar produzindo e investindo em Minas Gerais, estado estratégico para o presente e para o futuro da empresa”, disse Luiz Eduardo Osorio, diretor-executivo de Relações Institucionais da mineradora.

Barragens a montante

A Vale não planeja voltar a operar em todas estruturas interditadas. Pelo menos nove delas estão em processo de descomissionamento, conforme anúncio feito cinco dias após a tragédia de Brumadinho. Todas elas são alteadas pelo método a montante, que é considerado menos seguro. Tal método era utilizado não apenas na barragem que se rompeu em Brumadinho, como também na que colapsou em Mariana, no ano de 2015, quando 19 pessoas morreram após o vazamento de rejeitos do complexo da mineradora Samarco, joint venture da Vale e da anglo-australiana BHP Billiton.

De acordo com a mineradora, US$ 1,9 bilhão foi provisionado para o processo de descomissionamento. Duas barragens serão completamente descomissionadas em três anos. Outras cinco deverão primeiro ser submetidas a uma alteração do alteamento, que passará a utilizar o método a jusante, considerado mais seguro.
Há ainda duas estruturas que, antes do descomissionamento, passarão por intervenções para aumentar suas condições de segurança. Além dessas nove, também está sendo descaracterizada a barragem que se rompeu em Brumadinho.

Confira todas as barragens paralisadas:

Brumadinho

1) Barragem VI, da Mina Córrego do Feijão

2) Barragem Menezes I, da Mina Córrego do Feijão

3) Barragem Menezes II, da Mina Córrego do Feijão

Nova Lima

4) Barragem Vargem Grande, do Complexo de Vargem Grande (em descomissionamento)

5) Barragem Fernandinho, do Complexo de Vargem Grande (em descomissionamento)

6) Dique III, do Complexo de Vargem Grande

7) Barragem Captação Trovões, do Complexo de Vargem Grande

8) Dique Taquaras, da Mina de Mar Azul

9) Barragem B3/B4, da Mina de Mar Azul (em descomissionamento)

10) Dique B, da Mina de Capitão do Mato

11) Barragem Capitão do Mato, da Mina de Capitão do Mato

12) Peneirinha, da Mina de Capitão do Mato

13) Dique Auxiliar da Barragem 5, da Mina de Águas Claras

14) Barragem 8B, da Mina de Águas Claras (em descomissionamento)

Ouro Preto

15) Barragem Forquilha I, do Complexo de Fábrica (em descomissionamento)

16) Barragem Forquilha II, do Complexo de Fábrica (em descomissionamento)

17) Barragem Forquilha III, do Complexo de Fábrica (em descomissionamento)

18) Barragem Forquilha IV, do Complexo de Fábrica

19) Barragem Grupo, do Complexo de Fábrica (em descomissionamento)

20) Barragem Marés II, do Complexo de Fábrica

21) Barragem Doutor, da Mina de Timbopeba

22) Barragem Natividade, da Mina de Timbopeba

23) Barragem Timbopeba, da Mina de Timbopeba

Itabirirto

24) Barragem Maravilhas I, da Mina do Pico

25) Barragem Maravilhas II, da Mina do Pico

Itabira

26) Dique Cordão Nova Vista, da Mina de Cauê

27) Dique Minervino, da Mina de Cauê

28) Dique 02, do sistema de barragens de Pontal

Barão de Cocais 

29) Barragem Sul Superior, da Mina de Gongo Soco (em descomissionamento)

Rio Piracicaba 

30) Barragem Diogo, da Mina Água Limpa

Mariana

31) Barragem Campo Grande, da Mina de Alegria

Sabará

32) Barragem Galego, da Mina Córrego do Meio

33) Dique da Pilha 1, da Mina Córrego do Meio 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Cinco meses após a tragédia de Brumadinho (MG), Vale tem 33 barragens paralisadas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV