Sea Watch 3. A capitã alemã já não está tão sozinha

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Com Francisco ou fora da Igreja. O duro desabafo do presidente da CEI

    LER MAIS
  • Núcleo de pesquisa da USP publica nota sobre criacionismo defendido por novo Presidente da CAPES

    LER MAIS
  • A nova teologia do Ecoceno. Entrevista com Leonardo Boff

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

29 Junho 2019

A luta continua. O navio da organização alemã não-governamental (ONG) Sea Watch 3, anteontem aproximou-se da ilha italiana de Lampedusa para tentar desembarcar os 42 migrantes salvos no mar há 15 dias, ainda à espera de serem autorizados a se aproximar do porto. Apesar de, na quarta-feira, a tripulação e dos migrantes terem seus passaportes sob o controle da Guarda Costeira italiana, a capitã Carola Rackete, que estava com o barco Sea Watch 3 a três milhas náuticas do porto de Lampedusa, não tendo nenhuma resposta quinta-feira decidiu seguir em frente. Sua ideia era usar os botes infláveis para desembarcar os migrantes. Mas uma milha do porto, os navios da Guardia di Finanza italiana prendeu, forçando-a para desligar os motores. Entre os migrantes, há três menores, sendo o mais novo de apenas 11 anos.

A reportagem é de Elena Llorente, publicada por Página/12, 28-06-2019. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

O ministro do Interior e vice-primeiro-ministro italiano Matteo Salvini, que na verdade é quem controla o governo e que há vários meses ordenou o fechamento das portas para limitar a chegada de migrantes - ainda muito firme em sua posição e furioso. E esperar, como já disse à imprensa que o capitão e toda a tripulação da Sea Watch sejam presos e processados. São os tribunais italianos, em princípio, que devem tomar uma primeira decisão, especialmente para estabelecer se alguém tentar desembarcar pessoas desesperadas, com fome, doentes, exaustas, que passaram pelos centros da Líbia controladas por traficantes de seres humanos, é cometer um crime como Salvini diz, ou não.

Salvini usa a questão dos migrantes como bandeira de publicidade ("italianos primeira", diz ele). Ele fez recentemente aprovado um segundo decreto contra a migração, impondo multas e processos judiciais ONGs para salvar migrantes no Mediterrâneo. Na quarta-feira, o problema com o Sea Watch 3 foi evidente não só lançou palavras provocativas contra o jovem capitão que se atreveu a violar as suas regras, mas fez ameaças contra a União Europeia acusando-a de não assumir migrantes que chegam à Itália, conforme estabelecido pelos padrões europeus.

Lampedusa, Itália. Gráfico: Wikimedia Commons

Enquanto isso, a capitã tornou-se uma heroína e provocou a solidariedade, não só dos partidos de oposição, o Partido Democrático (PD), Sinistra Italiana e MásEuropa, que enviou vários parlamentares para Lampedusa, mas as igrejas evangélicas e Valdese, que prometem cuidar dos migrantes quando desembarcarem. E outras organizações, incluindo a Rete Antifascista, que conseguiu reunir 72 mil euros para ajudar a Sea Watch e sua capitã nas taxas legais que provavelmente irão enfrentar na Itália. "O navio da esperança nunca vai ser deixado sozinho", escreveu o Rete Antifascista. O PD de Lazio, a região de Roma, também está recolhendo doações para a mesma finalidade, assim como há relatos de uma manifestação em Nápoles e outras cidades pedindo "portos abertos". Tudo isso, mais uma vez provocou a fúria de Salvini: "Com cinco milhões de italianos pobres, a prioridade da esquerda é financiar um navio ilegal que transporta clandestinos. Que vergonha!". Os cinco milhões de pessoas pobres deveriam ter uma resposta do governo, vários entrevistados da televisão retrucaram.

O prefeito de Palermo (Sicília), Leoluca Orlando, que já tinha expressado sua solidariedade com o capitão e os migrantes, anunciou ontem que será concedida a cidadania honorária de Palermo para toda a tripulação da Sea Watch 3, como tinha feito a alguns anos com Médicos Sem Fronteiras, "para honrar os cidadãos nos últimos meses são os protagonistas de uma operação da humanidade e profissionalismo, um ato de amor e coragem todos os dias salvar vidas, ele oferece uma nova esperança e construir uma ponte de solidariedade no Mediterrâneo ", disse ele.

A Sea Watch por sua vez, apresentou uma queixa junto aos tribunais italianos, para avaliar a eventualidade de uma "conduta criminosa" no comportamento das autoridades "marítimas e portuárias" por impedirem o desembarque de migrantes. Ela também solicitou que todas as medidas necessárias fossem tomadas para autorizar o desembarque.

E Salvini continuou sua guerra: "A Sea Watch se aproveitou de 42 pessoas para fazer uma batalha política", escreveu ele em um tweet. E acrescentou: "As ONGs ajudam os traficantes de seres humanos. Eu não apoio quem ajuda a traficantes que com o dinheiro de imigrantes depois compram armas e drogas".

Segundo o secretário do PD Nicola Zingaretti, Salvini insiste nesta questão porque quer fazer com que as pessoas esqueçam os muitos problemas do país e que seu governo não conseguiu resolver, como o aumento de impostos, o travamento do crescimento econômico, a perda de confiança a nível internacional, jovens que não encontram trabalho na Itália e deixam o país. "Para todos eles, o governo deveria dar-lhes respostas. Mas ele não tem ", assinalou.

A União Européia, que deveria tomar as rédeas da questão, está tentando "coordenar os Estados membros para encontrar uma solução e alojar os migrantes", disse o comissário europeu Dimitris Avramopoulos. Mas a solução só pode ser encontrada depois que as pessoas desembarcarem, disse ele, acrescentando que espera que a Itália "contribua para uma solução rápida".

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Sea Watch 3. A capitã alemã já não está tão sozinha - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV