Nicarágua. A política da vingança

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • “Os pecados da carne não são os mais graves. Os mais graves são aqueles que têm mais angelicalidade: a soberba, o ódio”. Entrevista do Papa Francisco

    LER MAIS
  • Metaverso? Uma solução em busca de um problema. Entrevista com Luciano Floridi

    LER MAIS
  • Comunidades Eclesiais de Base, sim. Artigo de Pedro Ribeiro de Oliveira

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


18 Junho 2019

Compartilhamos uma voz anônima da Nicarágua, que reflete o sentimento de rejeição ao regime de Ortega, gritado pelos nicaraguenses.

O artigo é publicado por CPAL Social, 17-06-2019. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

Dizem que em 25 de fevereiro de 1990, ao conhecer que ele e a Frente Sandinista haviam sido derrotados nas urnas, Daniel Ortega repetia incessantemente "O povo é mal agradecido". E assim foi por vários dias. Estava convencido que ganharia... e perdeu. "Se tivéssemos sabido que íamos perder, teríamos preparado a fraude", confessou um dos seus assessores mais próximos, anos mais tarde.

Anos depois, aquele ressentimento seguia presente, e desde seu regresso ao governo, em 2007, começou logo a valer-se das instituições e das leis, para aplicar todo tipo de arbitrariedade - incluída a morte -, a seus adversários, aos quais não lhe agradeciam. 

"Ele não esquece a derrota de 1990, está passando a conta para nós", diziam aqueles que o conheciam mais proximamente. Na Nicáragua, "passar a conta" significa vingar-se.

Foi desde abril de 2018 que Ortega institucionalizou a política de vingança em todo o país. Aos rebeldes, aos ingratos, aos que não agradecem, aos que não se submetem, aos que pensam de maneira diferente ... Para os que há censura, perseguição, repressão, tortura, morte ...

Em 23 de maio, a Aliança Cívica convocou uma greve nacional para rejeitar a ditadura de Ortega. Os cidadãos responderam principalmente, permanecendo em suas casas. Houve também apoio significativo de empresas e empresas de todos os tamanhos. Antes da greve, o governo ameaçou multar os bancos que fechavam as portas. Eles as abriram, mas praticamente ninguém chegou. A greve foi protagonizada pelo povo.

Nos dias seguintes à greve, os trabalhadores do regime começaram a emitir ordens de fechamento para empresas, fecharam suas portas no dia 23 com qualquer desculpa. Uma nova versão da política de vingança.

Mais de 19 farmácias foram fechadas por todo o país. Uma é a Farmácia Morazán, a única que há em San Ramón, um município de 30 mil habitantes, no departamento de Matagalpa. Sua dona é Ada Luz Morazán, irmã do preso político e militar retirado do Exército Sandinista, Alfonso Morazán, libertado em 30 maio.

Alfonso Morazán foi capturado pela polícia em outubro de 2018 por ter participado dos protestos azul e branco contra o regime de Ortega. Foi levado ao El Chipote. Ali passou vários dias em um dos calabouços de castigo, escuro e quente, tão pequeno que somente se pode ficar de pé, torna-se impossível se sentar. "É um caixão de morto, na vertical", disse um outro preso político que ali sofreu essa tortura. Depois, Morazán passou "55 dias com a cueca jogada nos azulejos de uma cela, coberta de mosquitos".

Ele contou isso quando foi libertado. De El Chipote, Morazán foi para a prisão Modelo, onde ficou preso por seis meses.

Seu filho, Yaser Morazán, um dos mais ativos jovens nicaraguenses nas redes sociais, escreveu depois de ouvir o fechamento da farmácia de sua tia esta mensagem: "Essas pessoas nos batem como pinhata: sequestraram, prenderam e torturaram meu pai, tem um mandado de prisão contra a minha irmã, obrigaram meu irmão a desistir de seu emprego, atiraram contra meu primo, exilaram todos os meus irmãos, e agora eles fecharam o negócio da minha tia, a única pessoa que poderia ajudar o meu pai no seu tempo na prisão".

A farmácia de Morazán abriu há doze anos em San Ramón. Com sua ampla gama de medicamentos, beneficiou todas as comunidades próximas. Com o fechamento, de agora em diante, quem precisar de medicamentos terá que viajar 12 quilômetros para encontrar a farmácia mais próxima.

Os Morazán, simpatizantes históricos da Frente Sandinista e eleitores de Ortega, não "agradeceram". Eles se rebelaram contra Ortega em abril, reivindicando os direitos dos cidadãos e pedindo uma mudança no país. Consequentemente, a política de vingança foi aplicada a eles.

A política de vingança foi aplicada aos proprietários de 32 fazendas. Suas terras permanecem invadidas por paramilitares, de acordo com a União dos Produtores Agrícolas da Nicarágua. Ela foi aplicada a mais de 300 médicos e médicas, demitidos de seus empregos no Ministério da Saúde por terem tratado feridos durante os protestos ou por terem criticado o regime, segundo a União Médica da Nicarágua. Ela foi aplicada a um número incontável de funcionários públicos que criticaram a repressão desencadeada pelo regime desde abril. Ela foi aplicada a 9 mil estudantes que desertaram da Universidade Nacional da Nicarágua, após a sua expulsão ou prevendo que os expulsariam, por discordar a falta de autonomia universitária e a ausência de liberdade de cátedra...

A política de vingança põe a Nicarágua em uma grave crise de direitos humanos, a maior experimentada pelo país em tempos de paz.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Nicarágua. A política da vingança - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV