Os macacos da América do Sul são altamente vulneráveis às mudanças climáticas e enfrentam um ‘risco elevado de extinção’

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Bolsonaro é retratado como criminoso de guerra em vídeo sobre Amazônia

    LER MAIS
  • É desumano continuar a morrer sozinhos. E não digam que não poderia ter sido feito de outra forma

    LER MAIS
  • A vacina não é um bem comum

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


18 Junho 2019

A pesquisa, envolvendo uma equipe internacional de cientistas, descobriu que uma grande porcentagem de primatas não-humanos – incluindo macacos e lêmures – está enfrentando aumentos substanciais de temperatura e mudanças marcantes de habitat nos próximos 30 anos.

A informação é publicada por University of Stirling, e reproduzida por EcoDebate, 17-06-2019. A tradução e edição são de Henrique Cortez.

A equipe, liderada pela Dra. Joana Carvalho, da Faculdade de Ciências Naturais de Stirling, concluiu que os macacos das Américas – que vivem principalmente na América do Sul tropical – serão particularmente afetados.

A Dra. Carvalho disse: “Com base em nossa análise, está claro que os macacos do Novo Mundo em particular podem ser considerados altamente vulneráveis aos aumentos projetados de temperatura, conseqüentemente enfrentando um elevado risco de extinção”.

O estudo analisou todas as 426 espécies de primatas não humanos contidas no banco de dados da Lista Vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN) e examinou seu risco de exposição a mudanças nas condições climáticas e de uso do solo previstas para o ano de 2050. Os autores consideraram o melhor cenário – o declínio lento das emissões, com a adoção de medidas de mitigação adequadas – e o pior cenário possível, supondo que as emissões continuem a aumentar sem controle.

A equipe identificou regiões-chave onde as condições futuras serão particularmente sombrias para as espécies – com os macacos do Novo Mundo expostos a níveis extremos de aquecimento. Eles disseram que 86% das faixas de primatas neotropicais sofrerão aumentos máximos de temperatura superiores a 3°C, enquanto o aquecimento extremo – de mais de 4°C – provavelmente afetará 41% de suas faixas, incluindo muitas áreas que atualmente abrigam as mais altas número de espécies de primatas.

A Dra. Carvalho continuou: “Estudos que quantificam o que as magnitudes dos primatas em aquecimento são capazes de tolerar fisiologicamente estão faltando. No entanto, temos razões para acreditar que aumentos extremos de temperatura – como os previstos com base no cenário de baixa mitigação – provavelmente superariam a tolerância térmica de muitas espécies ”.

O professor Hjalmar Kuehl, autor sênior do estudo e primatologista do Instituto Max Planck de Antropologia Evolucionária na Alemanha, disse: “As medidas de mitigação da mudança climática ainda não foram sistematicamente incluídas no manejo no local e no desenvolvimento estratégico da conservação de primatas.

“Dada a escala de tempo em que as mudanças climáticas e o impacto resultante nas populações de primatas ocorrerão, os esforços para integrar as medidas de mitigação da mudança climática precisam ser intensificados com urgência para poder desenvolver e implementar ações apropriadas.”

O estudo também sugere que mudanças antecipadas em como os humanos usam a terra e alteram habitats de primatas existentes irão exacerbar os efeitos negativos sobre as populações de primatas provocadas pelo aquecimento global.

Segundo os autores, cerca de um quarto dos primatas asiáticos e africanos enfrentará até 50 por cento de expansão das culturas agrícolas dentro do seu alcance, enquanto o habitat não perturbado deverá desaparecer quase inteiramente entre os limites das espécies e será substituído por alguma forma de perturbação humana.

Os autores concluem que é necessária “ação urgente” – em relação à implementação de medidas de mitigação da mudança climática – para evitar extinções de primatas em uma escala sem precedentes.

O estudo também envolveu o professor Bruce Graham, da Universidade de Stirling; Dra. Gaëlle Bocksberger, Instituto Max Planck de Antropologia Evolutiva; Dr. Christoph Meyer, Universidade de Salford; Professor Serge Wich, Universidade de Liverpool John Moores; e Hugo Rebelo, Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos em Portugal.

O trabalho de pesquisa, ‘A global risk assessment of primates under climate and land use/cover scenarios’ , foi publicado na revista Global Change Biology.

Referência:

Carvalho, JS, Graham, B, Rebelo, H, et al. A global risk assessment of primates under climate and land use/cover scenarios. Glob Change Biol. 2019; 00: 1– 16. 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Os macacos da América do Sul são altamente vulneráveis às mudanças climáticas e enfrentam um ‘risco elevado de extinção’ - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV