Quem são os “idiotas úteis”?

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Bispo brasileiro diz que ordenará mulheres ao diaconato se papa permitir

    LER MAIS
  • “A ética do cuidado é um contrapeso ao neoliberalismo”. Entrevista com Helen Kohlen

    LER MAIS
  • Irmã Dulce, símbolo de um Brasil que está se esquecendo dos pobres. Artigo de Juan Arias

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

18 Maio 2019

"Lembro a Jair Bolsonaro e à sua equipe que os “Idiotas úteis”, usados como “massa de manobra” são eles, que - por adorarem o “deus dinheiro” - tornaram-se “obedientes serviçais” do sistema capitalista neoliberal, que é estruturalmente perverso, iníquo, antiético, desumano e anticristão e que - como diz o Papa Francisco - “ninguém aguenta mais”. Ele destrói a natureza, explora, descarta e mata os pobres com uma frieza diabólica", escreve Marcos Sassatelli, frade dominicano, doutor em Filosofia (USP) e em Teologia Moral (Assunção - SP) e professor aposentado de Filosofia da UFG.

Eis o artigo.

Na tarde do último dia 15 (Dia Nacional de Luta da Educação), estudantes e educadores ocuparam a Praça Universitária, em Goiânia, durante manifestação de protesto contra os cortes na área da Educação, contra a Reforma da Previdência e por uma Educação Pública de qualidade para todos e todas. Os organizadores estimam que mais de 20 mil pessoas participaram do ato.

Pela manhã, com o apoio do Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Goiás (Sintego), foram realizadas manifestações em 40 municípios goianos. No Brasil inteiro, mais de 500 cidades foram mobilizadas.

Em Goiânia, entre gritos de "não vai ter corte, vai ter luta", os manifestantes - em sua maioria jovens estudantes (da UFG, IFG, IF Goiano, UEG e outros) e muitos professores e professoras - seguiram em caminhada, ocupando toda a Rua 10, até a Praça Cívica, em frente ao Centro Administrativo, onde - depois de muitas falas - o ato foi encerrado, por volta das 18 horas.

As Centrais Sindicais e Movimentos Populares presentes informaram que a manifestação era apenas um preparativo para o dia 14 de junho, data da Greve Geral de todos os Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil.

Jair Bolsonaro, em Dallas nos Estados Unidos, chamou os organizadores dos protestos desse dia de “idiotas úteis” e “massa de manobra”.

“São uns idiotas úteis que estão sendo usados como massa de manobra de uma minoria espertalhona, que compõe o núcleo das Universidades Federais”. Como cidadão e professor de filosofia (sublinho: filosofia) aposentado da UFG, sinto-me desrespeitado e ofendido! Trata-se de um doente mental que precisa - com urgência - ser internado e tratado. Tenho vergonha de chamar um desequilibrado como esse - que se tornou motivo de chacota no mundo inteiro - de presidente do Brasil.

Bolsonaro afirma também que não gostaria que houvesse cortes na Educação, mas que não teve outra saída. “O que houve é um problema que a gente pegou o Brasil destruído economicamente, com baixa nas arrecadações, afetando a previsão de quem faz o orçamento”. O descaramento não tem limite! É uma afronta a todos e a todas que têm o uso da razão e um mínimo de capacidade de discernimento! Os grandes ricos (1% da população) - que também são o Brasil - não estão “destruídos economicamente”! O dinheiro do Brasil - roubado “legalmente” e, às vezes, até “ilegalmente” - está com eles, que se enriqueceram cada vez mais às custas da exploração e do sangue dos trabalhadoras e das trabalhadoras. A solução humana, ética e cristã é uma só: taxar as grandes fortunas, obrigando os ladrões a devolver o dinheiro roubado “legal e ilegalmente”.

Os bens são bons e são um dom de Deus para todos e todas, mas a riqueza indica um relacionamento para com os bens desordenado, perverso, iníquo, desumano, antiético e anticristão, contrário ao projeto de Deus.

Outra afirmação de Bolsonaro é essa: “A maioria ali (ou seja, nos protestos) é militante”, como se “ser militante” fosse algo de negativo e pejorativo. É muita ignorância e estupidez! O ser humano - já dizia Aristóteles - é um “ser político”. Por isso, senhor Bolsonaro, “ser militante” é parte integrante do “ser político”, ou seja, da vocação “ontológica” do ser humano! O estudo de um pouco de filosofia, poderia - talvez - diminuir sua ignorância e sua estupidez! Como ganha muito bem, contrate um professor de Filosofia. Quem sabe!?

Por fim, lembro a Jair Bolsonaro e à sua equipe que os “Idiotas úteis”, usados como “massa de manobra” são eles, que - por adorarem o “deus dinheiro” - tornaram-se “obedientes serviçais” do sistema capitalista neoliberal, que é estruturalmente perverso, iníquo, antiético, desumano e anticristão e que - como diz o Papa Francisco - “ninguém aguenta mais”. Ele destrói a natureza, explora, descarta e mata os pobres com uma frieza diabólica.

Parabéns ao Movimento Estudantil unido e organizado, que - com entusiasmo juvenil e a certeza da vitória - !utam por uma Educação Pública de qualidade; parabéns aos educadores e educadoras (professores/as e funcionários/as), que - com sua garra e perseverança - sustentam e fortalecem a luta dos estudantes; e parabéns a todos os trabalhadores e trabalhadoras, que - com constância e firmeza - defendem seus direitos!

A causa é justa! Jesus está do nosso lado e caminha conosco! Até à Greve Geral (no próximo dia 14)! Vamos parar o país e - com coragem profética - dizer qual é o Projeto de Brasil que nós queremos e lutar por ele!

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Quem são os “idiotas úteis”? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV