Bispos devem ceder algum poder aos leigos, diz teólogo alemão

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Que sociedade é essa que só reconhece a sobrevivência como valor? Artigo de Giorgio Agamben

    LER MAIS
  • Silas Malafaia, 1º cavaleiro do apocalipse brasileiro. Artigo de Fábio Py

    LER MAIS
  • Comunidade de Bose: já estava tudo escrito. Artigo de Paolo Farinella

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


11 Mai 2019

A partilha do poder entre o clero e os leigos é essencial para um “procedimento sinodal vinculante”.

A reportagem é de Christa Pongratz-Lippitt, publicada por La Croix International, 09-05-2019. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Os bispos católicos alemães anunciaram recentemente que um compromisso de iniciar um “procedimento sinodal vinculante” será um fracasso se os prelados não abrirem mão de algum poder aos leigos, advertiu um jovem teólogo.

Michael Seewald, professor de dogmática de 32 anos da Universidade de Münster, disse que um procedimento sinodal bem-sucedido dependerá de como os bispos compartilharão o poder, fomentarão a participação e implementarão um sistema de freios e contrapesos.

Em um artigo do dia 26 de abril no jornal alemão Süddeutsche Zeitung, Seewald disse que isso exigiria um ato de coragem por parte dos bispos que “ainda estão amarrados às rédeas da Cúria Romana”.

Vaticano II e autoridade episcopal compartilhada

O teólogo observou que o Concílio Vaticano II (1962-1965) quis que o Colégio dos Bispos participasse da liderança da Igreja junto com o papa. Mas ele disse que isso ainda não foi posto em prática porque as autoridades da Cúria no Vaticano alegam deter poder sobre os bispos por meio da autoridade do papa.

Teoricamente, um bispo é todo-poderoso em sua diocese, disse Seewald. Mas ele observou que, de fato, a liderança diocesana é muito mais complexa, e muitas pessoas estão envolvidas de um modo que é difícil de entender. Ele disse que é essa discrepância que contribuiu para os escândalos de abuso sexual clerical nos últimos anos.

Por um lado, um bispo detém todo o poder de decisão. Mas, por outro, especialmente quando as falhas se tornam de conhecimento público, o poder de decisão é tornado anônimo, de modo que o bispo fica livre de qualquer responsabilidade direta.

A crise dos abusos e uma nova opção de partilha do poder

O professor Seewald disse que a crise atual pode ser superada, mas exigirá que os bispos tomem uma decisão fundamental.

A primeira opção é criar estruturas que distribuam o poder de modo direto e facilmente compreensível e em que os tomadores de decisão sejam responsabilizados.

Mas isso só será possível, disse ele, se os bispos renunciarem a alguns de seus poderes, se deixarem monitorar e permitirem que os leigos sejam mais envolvidos.

Seewald disse que a outra opção é permitir que tudo permaneça como está. Mas ele disse que isso é arriscado, porque, quando o próximo escândalo surgir, os bispos terão de enfrentar demandas justificadas de renúncia, caso ocorram erros graves em suas dioceses.

O teólogo disse que outro aspecto do poder é que aqueles que o possuem não apenas decidem o que pode ser feito, mas também o que se pode dizer.

Ele afirmou que a promessa dos bispos de fazer tudo para limpar os abusos foi de pouco valor até agora, já que isso só é possível em uma cultura de mente aberta, em que as mágoas possam ser declaradas abertamente.

Mente aberta e o fim dos tabus

Infelizmente, a Igreja Católica ainda está longe de ser culturalmente aberta, disse o professor Seewald.

Ele disse que, em uma Igreja onde é oficialmente proibido discutir certos assuntos, foi necessária uma pressão externa para quebrar o tabu de discutir o abuso sexual clerical. E ele lamentou que ainda existam outras questões que são tabus e que quem se atreve a discuti-las deve enfrentar as sanções internas da Igreja.

“O procedimento sinodal só terá sucesso se os bispos renunciarem a todos os tabus e colocarem a Cúria, que perdeu o controle, no seu lugar”, disse Seewald.

Ele disse que isso exigirá muita coragem, porque renunciar ao poder não é para os fracos. Até agora, os bispos diocesanos sempre apontaram para o que não é possível por causa das considerações para a Igreja global. Mas Seewald disse que eles devem começar a afirmar claramente o que é inaceitável em nível local.

“O procedimento sinodal só pode ter sucesso se os bispos conseguirem reunir coragem suficiente para adotar essa abordagem”, disse.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Bispos devem ceder algum poder aos leigos, diz teólogo alemão - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV