Reforma da Previdência e o abono salarial. “24 milhões perderão 6% da renda anual”, avalia economista

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • O cálculo político de Ciro Gomes

    LER MAIS
  • Tomar a Bíblia ao pé da letra

    LER MAIS
  • A riqueza dos mais ricos cresce um trilhão durante a covid. O ranking dos patrimônios

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


29 Abril 2019

“Outro ponto muito perverso da reforma da Previdência é a questão do abono salarial. Pouca gente fala nisso, mas ele tem um impacto de curto prazo muito grande. É um impacto distributivo e macroeconômico muito grande. Nós fizemos os cálculos e esse impacto gira em torno de 17 bilhões de reais por ano. Ele tira, de 24 milhões de brasileiros trabalhadores, em torno de 6% da renda, isso entre trabalhadores que ganham entre um e dois salários mínimos. Estes vão perder o direito de abono salarial, ou seja, são 24 milhões que vão perder 6% da renda anual. Portanto, é um impacto distributivo muito forte e um impacto macroeconômico pelo crescimento dessa demanda também muito forte. E isso não está sendo discutido”.

A constatação é de Pedro Rossi, professor do Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas - Unicamp, em entrevista concedida à revista IHU On-Line desta semana.

A revista estará disponível na página do IHU nesta segunda-feira, a partir das 18h.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Reforma da Previdência e o abono salarial. “24 milhões perderão 6% da renda anual”, avalia economista - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV