Mudanças Climáticas: Prevenir o colapso de ecossistemas marinhos após eventos catastróficos

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • In memoriam do teólogo que apostou no “ministro da comunidade” para superar o clericalismo

    LER MAIS
  • Abuso de autoridade na igreja. Problemas e desafios da vida religiosa feminina

    LER MAIS
  • Uma Igreja pobre? Dinheiro, sectarismo e tradição católica. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


27 Abril 2019

À medida que os impactos da mudança climática aumentam, os ecossistemas provavelmente passarão por eventos que perturbarão populações inteiras. Nos ecossistemas marinhos, o aquecimento antropogênico sujeitou os organismos a temperaturas elevadas, perda de oxigênio e acidificação.

O aumento da frequência e gravidade de eventos catastróficos pode inibir a capacidade de recuperação de uma população e, por sua vez, pode provocar o colapso.

A informação é de The American Naturalist, reproduzida por EcoDebate, 26-04-2019. A tradução e edição são de Henrique Cortez.

Eventos de mortalidade em massa podem exacerbar o risco de extinção para espécies que são propensas aos efeitos de Allee, particularmente espécies coletadas comercialmente. Quando as espécies experimentam efeitos de Allee, elas exibem um sucesso reprodutivo diminuído com a diminuição da densidade populacional. Pescarias gerenciadas frequentemente mantêm populações em baixas densidades.

Em “Catastrophic Mortality, Allee Effects, and Marine Protected Areas”, publicado em The American Naturalist , Emilius A. Aalto, Fiorenza Micheli, Charles A. Boch, José A. Espinoza Montes, C. Broch Woodson e Giulio A. De Leo focaram em uma espécie marinha impactada pelos efeitos de Allee – o abalone verde (Haliotis fulgens) perto de Baja California Sur, no México.

Usando a pescaria de Isla Natividad como exemplo, os autores examinam se as estratégias de gestão espacial são mais eficazes do que as estratégias de gestão não espacial em aliviar os danos causados por eventos catastróficos. Em particular, os autores procuram averiguar se a designação de áreas marinhas protegidas (AMPs) na pesca ajudará a combater o colapso quando uma população que enfrenta uma catástrofe também é suscetível aos efeitos da Allee.

Enquanto eventos hipóxicos recentes levaram a quedas significativas de abalone em Isla Natividad, as “reservas não-aproveitadas” na região sustentaram uma densidade maior de abalones e produziram níveis de recrutamento mais altos após a interrupção em comparação com as áreas onde a pesca ocorre.

Os autores propõem que a implementação de áreas marinhas protegidas (MPAs) que incorporam “reservas não aproveitadas” oferece uma estratégia de gerenciamento espacial que garante recursos disponíveis para restaurar populações esgotadas e incentivar o recrutamento em áreas de baixa densidade após um desastre.

Quando uma pescaria é devastada por um evento de mortalidade em massa, também existem estratégias não espaciais que podem ser empregadas. Uma pescaria, em resposta, poderia fechar temporariamente para dar à população um período de recuperação. Os autores referem-se a essa estratégia como um “fechamento dinâmico de pesca pós-catástrofe” ou a estratégia de CD. Outra opção é que a pescaria renuncie inteiramente ao fechamento. Os autores referem-se a essa estratégia como a estratégia de gerenciamento “sem fechamento (NC)”.

Utilizando um modelo de projeção integral (IPM) espacialmente explícito, os autores fizeram simulações para determinar como cada uma dessas três estratégias de gerenciamento influenciaria a recuperação após um evento de mortalidade em massa. As simulações mediram o número de instâncias em que uma captura foi capaz de retornar a um nível acima do limiar do colapso. Os autores também realizaram análises de sensibilidade para determinar como outros fatores, como a distância de dispersão, o tamanho do MPA e a gravidade da catástrofe, impactaram a recuperação da população.

Os resultados indicam que a implementação de MPAs ajuda significativamente na prevenção do colapso da população.

“Nosso modelo prevê que uma rede de áreas protegidas que reduzam ou possivelmente eliminem os distúrbios antrópicos possam minimizar o risco de colapso populacional causado por eventos climáticos extremos em grande escala para espécies cuja dinâmica em baixa densidade é caracterizada por um efeito Allee. As redes de áreas protegidas podem efetivamente aumentar a resiliência se seu tamanho e disposição espacial forem capazes de manter uma população reprodutiva suficiente para reconstruir o potencial reprodutivo, apesar da presença dos efeitos da Allee”, escrevem os autores.

Referências:

Catastrophic Mortality, Allee Effects, and Marine Protected Areas - Emilius A. Aalto, Fiorenza Micheli, Charles A. Boch, Jose A. Espinoza Montes, C. Broch Woodson, and Giulio A. De Leo

The American Naturalist 2019 193:3, 391-408 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Mudanças Climáticas: Prevenir o colapso de ecossistemas marinhos após eventos catastróficos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV