Fiscalização resgata cinco trabalhadores em condição análoga à de escravo em fazenda no Maranhão

Revista ihu on-line

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Mais Lidos

  • Para Chico Buarque, o golpe se aproxima. ‘‘Algum pretexto vai ser usado para fecharem de vez’’

    LER MAIS
  • Poder psiquiátrico e poder judicial, o caso Gianni Vattimo

    LER MAIS
  • “Tanto para mim quanto para a arquidiocese, o caminho não pode ser simplesmente voltar ao trabalho de sempre.” A resposta do cardeal Marx a Francisco

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


10 Abril 2019

Operação aconteceu na área rural de Ribamar Fiquene; sem registro em carteira, grupo dormia em estábulo sem banheiro, espaço para refeições e água potável

A informação é da Assessoria Ministério da Economia, publicada em 08-04-2019.

Uma ação de auditores fiscais da Gerência Regional do Trabalho de Imperatriz, no Maranhão, resgatou cinco trabalhadores que eram mantidos em condições análogas às de escravo, na Fazenda Maravilha, zona rural de Ribamar Fiquene (MA). Um dos funcionários tinha menos de 18 anos e era o responsável por servir a comida aos outros empregados.

A operação teve início quando os fiscais realizavam uma ação prevista no planejamento estratégico da Superintendência Regional do Trabalho no Maranhão em municípios da região e se depararam com os trabalhadores pernoitando em um estábulo, em uma área às margens da Estrada do Pombal. O resgate aconteceu no fim da tarde do dia 22 de março e contou com o apoio da Polícia Rodoviária Federal de Imperatriz.

Entre as 15 irregularidades encontradas, estavam a falta de banheiro, de lavatório e de água potável no local. Os trabalhadores não tinham registro em carteira profissional nem haviam realizado exame médico admissional. Também não houve avaliação de risco para a segurança e saúde dos operários. Os funcionários não tinham locais adequados para preparo ou consumo das refeições e não havia camas nos alojamentos nem armários individuais.

Após a operação, o empregador retirou os trabalhadores do local, realizou os exames médicos e efetuou o pagamento de R$ 7,8 mil em verbas rescisórias. O acerto ocorreu na sede da Gerência Regional do Trabalho de Imperatriz. O proprietário colaborou com a ação, segundo os auditores. Todos os trabalhadores resgatados receberam encaminhamento para dar entrada no Seguro-Desemprego Especial, que corresponde a três parcelas no valor de um salário mínimo (R$ 998) cada.

Leia mais

 

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Fiscalização resgata cinco trabalhadores em condição análoga à de escravo em fazenda no Maranhão - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV