“A demarcação que eu puder rever, eu vou rever”, afirma Bolsonaro

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Irreverência

    LER MAIS
  • Uma prova do conclave. O próximo papa assumirá o nome da Comunidade de Santo Egídio

    LER MAIS
  • “Eu estou tirando Deus da Bíblia”. Entrevista com Marc-Alain Ouaknin

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

10 Abril 2019

Durante a campanha eleitoral, Jair Bolsonaro prometeu que não iria demarcar mais nenhum centímetro de terras para indígenas. Ontem, em entrevista à Jovem Pan, foi mais longe: "A demarcação que eu puder rever, eu vou rever", garantiu. E ainda lembrou: "Quando estive agora com Trump, conversei com ele que quero abrir para ele explorar a região amazônica em parceria. Como está, nós vamos perder a Amazônia, aquela área é vital para o mundo".

O presidente acha que existe uma "indústria da demarcação" de terras indígenas, e que isso "inviabiliza qualquer projeto na Amazônia". Insinuou que as demarcações são definidas por "laudos suspeitos", relatando que já ouviu queixas de fazendeiros sobre isso. Ele também reclamou do tamanho da área destinada a indígenas no país. Quer que indígenas e quilombolas possam "vender ou explorar suas terras como quiserem".

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“A demarcação que eu puder rever, eu vou rever”, afirma Bolsonaro - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV