Breves do Facebook

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Os bispos do Sínodo farão um novo “Pacto das Catacumbas” para a Amazônia

    LER MAIS
  • A ideologização da Sociologia (além de uma simples distração). Artigo de Carlos Gadea

    LER MAIS
  • Críticos não percebem a importância global do Sínodo da Amazônia, afirma Peter Hünermann

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

08 Abril 2019

Cid Benjamin

Nove militares do Exército, integrantes de um comboio, desferiram mais de 80 tiros num carro em que uma família ia para um chá de bebê em Guadalupe, no Rio.

Resultado: um morto e vários feridos.

Diz a nota que os militares foram alvo de tiros antes e "revidaram a injusta agressão".

Não havia qualquer arma no carro transformado em peneira, depois da balaceira.

Algumas observações podem ser feitas:


1. O flagrante despreparo dos militares.


2. A flagrante falta de transparência e de boa fé na versão que o Exército apresenta para a tragédia.


3. A falta de bom senso dos militares envolvidos. Afinal, como imaginar que, de um carro com crianças, alguém atacaria um comboio com soldados armados de fuzil?


4. A certeza de que isso não vai dar em nada e que, depois de um inquérito sigiloso, os responsáveis não serão punidos.

 

Cid Benjamin

Inspirado num post do Leandro Fortes, sugiro umas poucas perguntas aos editores e diretores de jornais para que a próxima vez em que sejam convidados para ir ao Palácio. Assim poderemos ter uma entrevista jornalistica, e não apenas um encontro social.

Aqui vão elas:

1. O que ele pensa das milícias e de grupos de extermínio? Mantém a posição expressada há algum tempo, de que elas deveriam ser estimuladas, ou a reformulou?

2. O que tem a dizer sobre as notícias a respeito de suas relações com milicianos?

3. Como ele vê a ingerência de seus filhos em assuntos de governo?

4. Ele admite a possibilidade de que sua política com Israel prejudique as relações do Brasil com países árabes, com consequências negativas no plano econômico?

5. Tal qual alguns ministros, ele também acha que o nazismo era de esquerda?

 

Ricardo Timm de Souza

A filosofia é uma questão moral. Ou ela serve para combater a injustiça, ou não serve para nada.


Fernando Altemeyer Junior

 

Se você quer escrever uma carta ao papa aqui o endereço postal. Ao menos diga que o apoia em sua Reforma da Igreja no seguimento de Jesus. Francisco precisa ouvir nossa voz pois anda cercado e perseguido por lobos vorazes dentro e fora de Roma.

 

Ricardo Timm de Souza

O oposto da vida não é a simples morte, mas a injustiça. Pois a injustiça é a via mais rápida de negação de tudo o que é vital.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Breves do Facebook - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV