Argentina. Para Macri, lei contra agrotóxicos perto das escolas é irresponsável

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Uma “bispa católica” em Lyon: provocação ou profecia?

    LER MAIS
  • Os limites do Papa Francisco

    LER MAIS
  • O Papa afasta Enzo Bianchi da comunidade de Bose

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Wagner Fernandes de Azevedo | 06 Abril 2019

Depois de uma intensa mobilização popular, a Justiça da província de Entre Ríos, na Argentina, proibiu a aplicação de agrotóxicos em plantações que estejam a 1km de distância de alguma escola. A decisão foi apresentada em outubro de 2018. Entretanto, na quinta-feira, 04-04-2019, o presidente Maurício Macri visitou a província e declarou à imprensa que “a decisão é irresponsável”.

Durante um ano, todas as terças-feiras, a organização “Basta es Basta” marchava até à Casa de Gobierno de Entre Rios, na capital da província Paraná, protestando contra o avanço da soja transgênica que trazia junto maiores fumigações. As marchas saíram da capital e se espalharam para outras cidades da província. Quando saiu a decisão da justiça, a organização considerou “um avanço importante para a saúde das crianças e trabalhadores”.

Essa luta ganhou destaque devido a um episódio ocorrido na “Escuela Rural 44”, no município de Santa Anita, quando um empresário aplicou veneno diretamente sobre as crianças em aula. Em março de 2018, foi a vez da “Escuela 54”, na capital Paraná, ser alvo de fumigação em horário de aula. Nessa ocasião alguns alunos passaram mal e a escola precisou ser evacuada. As crianças iam à escola com máscaras para se proteger do veneno.

A decisão judicial garantiu a proibição da aplicação de agrotóxicos por terra em plantações que estejam em um raio de 1km de escolas, e de 3km quando forem aplicações por avião. O juiz que emitiu a sentença foi Oscar Daniel Benedetto, que manifestou na sua decisão que “é impossível de prevenir que o modelo de produção agrícola possa gerar um crescente problema de saúde pública, devido aos fungicidas que contém substâncias químicas tóxicas que afetam os cultivos, mas que muito provavelmente também tenham efeitos nocivos na saúde da população rural”.

Entretanto, na quinta-feira, 04-04, Macri considera a sentença uma irresponsabilidade da Justiça. Após cumprir agenda presidencial na província, nas cidades de Gualeguay e Gualeguaychú, declarou em entrevista coletiva que a nova lei “põe em risco mais de 20% da capacidade produtiva agroindustrial da província”. Ainda, de acordo com o presidente a sentença “não tem nenhum rigor científico”.

A organização "Basta es Basta" emitiu uma nota condenando as declarações de Macri e apontando estudos que comprovam os danos que os agrotóxicos causam à saúde. Entre eles, há um estudo apresentado no VII Congreso Argentino de la Sociedad de Toxicología y Química Ambiental elaborado pelos pesquisadores Damián Marino, Juan Manuel Santillán, Fernando Mañas e Delia Aiassa, que estudou 48 crianças do departamento de Uruguai, na província de Entre Ríos, e 100% apresentaram modificações genéticas causadas pelo glifosato.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Argentina. Para Macri, lei contra agrotóxicos perto das escolas é irresponsável - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV