MPF se reúne com indígenas Boe (Bororo) pra tratar da revisão de limites da Terra Indígena

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco ataca o 'desejo de poder', a 'rigidez disciplinar' e a 'deslealdade' nas associações de fiéis, dos movimentos eclesiais e das novas comunidades

    LER MAIS
  • O que significa ser padre hoje? Artigo de Timothy Radcliffe

    LER MAIS
  • Jacques Dupuis: um caso aberto

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


28 Março 2019

O Ministério Público Federal em Mato Grosso, por meio do procurador da República Ricardo Pael Ardenghi, titular do Ofício de Populações Indígenas e Comunidades Tradicionais, esteve na Terra Indígena (TI) Tereza Cristina, da etnia Boe (Bororo), na quinta e sexta-feira (21 e 22) para se reunir com os indígenas. O objetivo foi tratar da revisão de limites da TI, bem como da construção da Pequena Central Hidrelétrica (PCH) Mantovilis na região, e seus impactos, entre outros temas.

A reportagem é publicada por Procuradoria da República em Mato Grosso e reproduzida por Amazonia.org, 27-03-2019.

Cerca de 50 indígenas da aldeia Córrego Grande participaram da reunião e expuseram os principais problemas da população Boe no local, especialmente com relação à educação escolar, ao atendimento à saúde e às condições da estrada de acesso às aldeias.

Ao final, tratou-se da revisão de limites da demarcação da TI Tereza Cristina e da construção da PCH Mantovilis.

O procurador Ricardo Pael visitou as dependências das escolas estadual e municipal e também o posto de saúde, que ficam na aldeia. Registrou as informações para levar ao conhecimento das autoridades locais a fim de que sejam realizadas as melhorias necessárias. Pael informou que já existem procedimentos instaurados no âmbito do MPF sobre as questões abordadas.

Os indígenas também foram informados sobre a decisão favorável na Ação Civil Pública 1002351-95.2018.4.01.3600, em que se determinou a retomada do processo de revisão de limites da Terra Indígena Tereza Cristina, demarcada anteriormente com limites menores do que realmente deveria ser. O procurador da República destacou que o prazo dado para que a Funai concluísse os trabalhos de identificação e delimitação da área, fazendo publicar o respectivo Relatório Circunstanciado de Identificação e Delimitação era de 60 dias, sob pena de multa. Os indígenas foram, então, questionados se a Funai havia estado no local para dar prosseguimento ao processo. Como a resposta foi negativa, o procurador afirmou que iria levar tal informação para os autos da ação civil pública e pedir o aumento do valor da multa, para compelir a Funai a cumprir a decisão.

Por fim, tratou-se da construção da PCH Mantovilis e da conciliação na ACP 1006195-53.2018.4.01.3600, explicando-se que, pelo acordo firmado, a empresa responsável pelo empreendimento hidrelétrico deverá realizar uma consulta prévia, livre e informada, nos termos da Convenção 169 da OIT, junto aos indígenas Boe (Bororo) para, só então, dar continuidade às obras. O procurador enfatizou, ainda, que toda a comunidade indígena deve ser ouvida sobre como será feito o protocolo de consulta a ser seguido pelo empreendedor. “Isso é de suma importância e deverá prevalecer a voz da comunidade indígena”, enfatizou.

Participaram da reunião: o cacique da Aldeia Córrego Grande, Bruno Tavie; o diretor da escola estadual, professor Fernando Kudoro Bororo, além de outras autoridades da aldeia e parte da população indígena do local.

TI Tereza Cristina

A antiga Colônia Indígena Tereza Cristina foi demarcada em 1896 pelo engenheiro militar Marechal Cândido Rondon. A superfície total era de aproximadamente 166 mil hectares, parcela reduzida do habitat dos Bororo do vale do São Lourenço. Dos quase 166 mil hectares destinados aos Bororo pelo Governo Provincial e demarcados por Rondon, aproximadamente 130 mil foram usurpados dos índios ao longo do tempo em razão da política fundiária, por atos arbitrários, contrários aos interesses da União, que comprometeram sobremaneira o direito do povo Bororo à terra.

A demarcação atual, realizada em 1976 sob a supervisão da Funai, veio concretizar o processo de expropriação territorial dos Bororo, estimulado pelos governantes do estado de Mato Grosso a partir da década de 50 e a superfície atual é inferior à metade do território original: apenas 25.694 hectares.

Sob a proteção de decretos e leis – estaduais, federais, inconstitucionais –, consolidaram-se as invasões nas terras destinadas aos Bororo em fins do século passado. A área de terras demarcada por Rondon, no entanto, jamais deixou de ser referência dos índios e objeto permanente de suas reivindicações.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

MPF se reúne com indígenas Boe (Bororo) pra tratar da revisão de limites da Terra Indígena - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV