Vítimas de abuso querem que cardeal Luis Ladaria perca sua imunidade

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Bartomeu Melià: jesuíta e antropólogo evangelizado pelos guarani (1932-2019)

    LER MAIS
  • Bolsonaro institui o Dia do Rodeio na Festa de São Francisco de Assis

    LER MAIS
  • “O transumanismo acredita que o ser humano está em um suporte equivocado”, afirma filósofo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

22 Março 2019

O prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé pediu ao cardeal Barbarin que “evite todo escândalo público” em relação ao Pe. Bernard Preynat.

A reportagem é de La Croix International, 21-03-2019. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

A sentença sobre o cardeal Philippe Barbarin, proferida em 7 de março pelo Tribunal de Magistrados de Lyon, na França, e as denúncias apresentadas contra o núncio apostólico em Paris deram novas esperanças a uma associação que defende os direitos das vítimas de abuso sexual clerical.

Em uma carta datada de 20 de março, o advogado das vítimas do Pe. Bernard Preynat solicitou à Promotoria Pública de Lyon que peça ao cardeal Luis Ladaria Ferrer que compareça perante o tribunal.

O advogado Jean Boudot também pediu à Promotoria Pública para solicitar ao Ministério das Relações Exteriores de Paris que o cardeal, que atualmente é prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, perca a sua imunidade funcional.

Evitar todo escândalo público

A investigação sobre o Pe. Preynat revelou que o cardeal Ladaria, então secretário da Congregação para a Doutrina da Fé, foi informado pelo cardeal Barbarin sobre a acusação apresentada por uma das vítimas e sobre certos documentos no dia 19 de dezembro de 2014.

“Em resposta a essa informação completamente explícita sobre as múltiplas ofensas sexuais cometidas pelo Pe. Preynat, o arcebispo Luis Ladaria pediu que o cardeal Barbarin, em uma carta de 3 de fevereiro de 2015, prescrevesse todas as medidas disciplinares adequadas, evitando o escândalo público”, recorda o advogado em sua carta.

La Parole Libérée (“A Palavra Libertada”) – uma associação para defender os direitos das vítimas de abuso sexual do clero – fez uma primeira tentativa em vão de fazer uma intimação direta contra a autoridade da Congregação para a Doutrina da Fé.

Depois, dirigiu-se à Promotoria Pública de Lyon, que enviou a intimação ao gabinete da Promotoria Geral. A intimação, então, foi enviada à Divisão de Assuntos Criminais do Ministério da Justiça e para o Ministério das Relações Exteriores, que a enviou, “por meios diplomáticos”, ao Estado do Vaticano.

Em setembro de 2018, a Secretaria de Estado do Vaticano recusou-se a notificar o cardeal sobre a intimação, considerando que os atos foram cometidos “em sua qualidade de autoridade pública em nome e em prol da Santa Sé” e, consequentemente, protegida pela imunidade diplomática.

Dois novos desdobramentos

Dois novos desdobramentos justificam essa nova tentativa da La Parole Libérée.

Em primeiro lugar, o cardeal Barbarin – cuja renúncia acaba de ser rejeitada pelo Papa Francisco – recebeu uma sentença de seis meses de prisão no dia 7 de março por não informar as autoridades judiciais sobre as ações do Pe. Preynat precisamente para “evitar o escândalo público”.

Em sua decisão de 7 de março, o tribunal observou que parecia que essa era a única prioridade do cardeal e o “único motivo para a [sua] inércia” em 2015.

O advogado Jean Boudot argumentou em sua carta que, “dada a motivação precisa da decisão”, não havia dúvida de que, “de acordo com essa decisão”, o cardeal Luis Ladaria “é totalmente responsável por uma condenação na França”, por cumplicidade com o crime de não denúncia de abuso sexual.

Além disso, a Promotoria Pública de Paris recentemente solicitou o levantamento da imunidade diplomática do núncio apostólico e arcebispo Luigi Ventura, que está sendo investigado após três acusações de abuso sexual cometido na França, disse Boudot.

“O promotor público de Paris fez o seu trabalho”, disse François Devaux, presidente da La Parole Libérée. “Não entenderíamos se Lyon deixasse de nos apoiar.”

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Vítimas de abuso querem que cardeal Luis Ladaria perca sua imunidade - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV