“Privada ou estatal, Vale sempre esteve a serviço da acumulação capitalista e é isso que precisa mudar”

Revista ihu on-line

Etty Hillesum - A resistência alegre contra o mal

Edição: 534

Leia mais

Direito à Moradia, Direito à Cidade

Edição: 533

Leia mais

Veganismo. Por uma outra relação com a vida no e do planeta

Edição: 532

Leia mais

Mais Lidos

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

04 Fevereiro 2019

Sete dias após o rompimento da barragem de minério de ferro da Mina do Córrego do Feijão, Brumadinho (MG), são 110 mortos (71 já encontrados) e 231 desaparecidos. Tal como em Mariana, em 2015, todos os atos desta peça dantesca se repetem, desde governos a empresas, passando por uma mídia regularmente alimentada pela publicidade da Vale, a maior mineradora do mundo. Sobre o que muitos fazem questão de interpretar como crime ambiental, entrevistamos o sociólogo e agrônomo Raimundo Gomes da Cruz, que há décadas acompanha os empreendimentos da empresa e seu histórico de depredação humana e ambiental.

“Entendemos que este modelo, nos moldes do sistema capitalista, não interessa à sociedade brasileira, apenas aos executivos das empresas que recebem vultosos salários e acionistas, que na sua maioria estão fora do país. Aqui na região de Carajás nós (dos movimentos sociais em lutas) questionamos a exploração mineral, ainda pela Companhia Vale do Rio Doce, desde a década de 1980”, explicou.

Também militante das Brigadas Populares no estado do Pará, onde vive e conhece melhor a atuação da empresa, Raimundo chama o acontecimento de “Tragédia Monitorada”, pois há anos os críticos da empresa denunciam bombas-relógio da mineração de larga escala e abusos sócioambientais. “Na região de Carajás chamamos atenção, principalmente para a barragem do projeto Sossêgo e do projeto Salobo, no município de Marabá, que vai para sua terceira etapa de expansão”.

Dessa forma, Raimundo Cruz espera que finalmente o debate sobre o modelo de exploração mineral brasileiro seja encarado com profundidade pela sociedade e deixe de ser um assunto restrito a interessados e afetados. 

“Outra situação, um pouco mais difícil, é a atuação junto aos trabalhadores e trabalhadoras da Vale, para que compreendam que seus trabalhos estão voltados para o saque de seu país e de seu povo. E neste momento, em especial, precisamos ir à rua para denunciar a situação e mostrar que uma outra realidade é possível e se faz necessária. Enquanto ainda há tempo”.

A entrevista é de Gabriel Brito, publicada por Correio da Cidadania, 01-02-2019.

Eis a entrevista.

Correio da Cidadania: O que comentar do rompimento da barragem de Brumadinho, mais um grande desastre ambiental da mineração em solo brasileiro, cujo número de mortos e desaparecidos já é altíssimo?

O rompimento da barragem de Brumadinho é mais um ato de irresponsabilidade da empresa Vale para com os verdadeiros e necessários cuidados que tem de ter com suas barragens de rejeitos país afora. 

Nós das Brigadas Populares estamos chamando de Tragédia Monitorada. Por quê? Porque os técnicos sabem como se encontram as precárias situações das barragens, as populações denunciam, mas a voz autoritária da empresa com o poder que tem sobre os governos e políticos canalhas deste país faz calar todos os clamores. 

No caso de Brumadinho fica muito claro o que afirmamos. Moradores relatam que representantes da empresa “passaram avisando para ficarem atentos ao alerta”, só que não houve o alerta. Eles sabiam o perigo que as barragens ofereciam às populações e aos trabalhadores.

Correio da Cidadania: Como avalia as primeiras reações do governo?

As reações dos governos são as mesmas. Muitas falações que demonstram diversos despreparos para se posicionarem diante da tragédia e tomarem posições enérgicas diante das empresas. Procuram transferir a responsabilidade de solução dos problemas para as famílias, como fica claro com a liberação para saque do FGTS. A população não tem de recorrer a suas reservas para solucionar o problema, o recurso tem de sair das empresas e do Estado, que é conivente com o desmando das empresas.

É difícil falar das reações patéticas deste governo, que um dia falava em rebaixar as exigências para licenciamento e agora fala em rigidez. Além do resgate dos corpos não há uma agenda positiva no sentido de responsabilizar duramente as empresas. 

Como fica o discurso do novo governo, no sentido de flexibilizar legislações ambientais e liberar terras indígenas para mineração?

O discurso pode até desaparecer por algum tempo, mas na prática o discurso estará presente, porque esta chamada flexibilização (não cumprimento da lei) faz parte das ordens imperialistas para ampliar o saque do petróleo, do gás, das águas e das madeiras. Este é um governo a serviço dos imperialistas, principalmente a vertente norte-americana, não tenhamos dúvidas. Portanto, podem até mudar o discurso, mas a intervenção nos territórios, concessões para exploração mineral e plantio de soja vai continuar acelerada. 

Em sua visão, quais as responsabilidades a serem distribuídas pelo ocorrido?

As responsabilidades pelo ocorrido devem recair ao Estado e à Vale. O Estado por não fiscalizar os projetos, permitindo todo tipo de absurdos que as empresas desejarem fazer. No estado do Pará já vimos denunciando todos os projetos de mineração pelos descasos, mas nada é feito pelo Estado. 

Na verdade este apodrecido Estado há muito tempo não faz gestão dos territórios, quem faz é a Vale. A Vale tem de ser responsabilizada por esta tragédia, a de Mariana e as tragédias anunciadas em todos os estados que ela atua.

Não estamos perdendo tempo com o debate entre privatismo e estatismo na gestão de uma empresa/setor de tamanho porte e deixando de lado o que seria mais importante, isto é, o modelo de extração de matérias primas em vigor?

Em 2011 desencadeamos a Campanha Contra o Saque dos Nossos Minérios, que tem como principal objetivo questionar o modelo mineral no país. Entendemos que este modelo, nos moldes do sistema capitalista, não interessa à sociedade brasileira, apenas aos executivos das empresas que recebem vultosos salários e acionistas, que na sua maioria estão fora do país. 

Aqui na região de Carajás nós (dos movimentos sociais em lutas) questionamos a exploração mineral, ainda pela Companhia Vale do Rio Doce, desde a década de 1980. Consideramos que o Estado a serviço da acumulação capitalista e dos imperialistas não tem capacidade para gerenciar qualquer bem público. Tudo se torna propriedade privada dos capitalistas. 

Ainda assim, o que fazer em relação à Vale? 

Eu acho que não é só com a Vale. Este país precisa de uma profunda revolução para colocar suas riquezas em beneficio da sociedade e não para um pequeno grupo de sanguessugas. Porque a Vale representa interesses imperialistas, no sentido de realizar o saque dos nossos minérios, sempre com custos de extração e transporte baixíssimos, sendo ela privada ou estatal. 

Países como a Bolívia, considerada um dos países da América Latina que mais avançou na estatização de suas riquezas naturais, continuam submissos às ordens do mercado internacional. Portanto, não se avançou o necessário para superar o modelo de dominação. Não vamos mudar o modelo somente impondo à Vale mais sanções, aumento de impostos e alíquotas da CFEM (Compensação Financeira para Exploração Mineral). Temos que transformar este modelo profundamente.

São muitas bombas relógios que a mineração brasileira tem pelo território? Como lidar com a grande quantidade de barragens espalhadas pelo país?

Em um artigo que escrevi há dois anos com o companheiro Thiago Martins, denominado Alerta para uma Tragédia em Curso, nós chamamos atenção para o caso da barragem de rejeitos do projeto Sossêgo, da Vale, no município de Canaã dos Carajás, estado do Pará. Porque estas barragens de rejeitos da exploração de cobre acumulam muito mais substâncias tóxicas do que as de exploração de ferro. 

Na região de Carajás chamamos atenção, principalmente para a barragem do projeto Sossêgo e do Projeto Salobo, no município de Marabá, que vai para sua terceira etapa de expansão. Para lidar com esta questão temos de mobilizar as populações de todos os estados ameaçados, para a formação de Brigadas que deem conta de adentrar em tais projetos para averiguação da situação, e se necessário paralisação de imediato. Para tanto, vamos ter que enfrentar as milícias armadas da Vale e seu sistema de espionagem.  

São diversos os movimentos sociais de atingidos por barragens e projetos mineradores, em especial da própria Vale. O que fazer para tornar essas lutas mais visíveis e encampadas pela sociedade brasileira?

Estamos apostando na Campanha Contra o Saque dos Nossos Minérios. Tornar visível as contradições geradas pela exploração mineral, tanto no que se refere à degradação ambiental em relação a outras atividades, como geração de pobreza, miséria, violência e acumulação de riqueza por poucos. 

Outra situação, um pouco mais difícil, é a atuação junto aos trabalhadores e trabalhadoras da Vale, para que compreendam que seus trabalhos estão voltados para o saque de seu país e de seu povo. E neste momento, em especial, precisamos ir à rua para denunciar a situação e mostrar que uma outra realidade é possível e se faz necessária. Enquanto ainda há tempo.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Privada ou estatal, Vale sempre esteve a serviço da acumulação capitalista e é isso que precisa mudar” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV