Aldeia indígena atingida pela lama reclama do descaso da Vale e de autoridades de MG

Revista ihu on-line

Etty Hillesum - O colorido do amor no cinza da Shoá

Edição: 531

Leia mais

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Nietzsche. Da moral de rebanho à reconstrução genealógica do pensar

Edição: 529

Leia mais

Mais Lidos

  • “América Latina caminha para o enfraquecimento e a desintegração”. Entrevista com Juan Tokatlian

    LER MAIS
  • Ernesto Cardenal. Não é um filho pródigo da Igreja

    LER MAIS
  • Papa Francisco revoga permanentemente todas as sanções canônicas contra o padre e poeta Ernesto Cardenal

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

30 Janeiro 2019

A comunidade Pataxó com 65 índios vive em função do Rio Paraopeba, a 22 km de Brumadinho. Desde ontem, o nível da água já subiu e peixes mortos foram retirados do local. A Funai levou água potável para o local, já que o Paraopeba não pode mais prover a tribo.

A reportagem é de Pedro Durán, publicada por CNB, 29-01-2019.

A lama que escorreu da barragem de Feijão chegou até a aldeia indígena de uma tribo Pataxó que tem 65 índios. A tribo vive às margens do Rio Paraopeba, por onde escorreu a lama, a 22 km de Brumadinho. Eles vieram para cá de vários lugares em novembro de 2017. Juntando as etnias Pataxó e Pataxó Hã-hã-Hãe, que vieram da Bahia, mas também já tem mistura de negros e europeus.

As águas do rio serviam de lazer e sustento para 17 crianças, dois idosos, sete mulheres grávidas e 34 adultos. O cacique Hayô conta que a comunidade vivia em função do Rio. “A água para gente é tudo. Não só para a gente, como também para os animais. Agora, não podemos usar para mais nada”, lamenta.

A equipe da CBN foi com eles até um acesso à margem do rio, que fica a poucos metros da aldeia por uma pequena trilha. Na beira, a vara enfiada na margem mostrava que de ontem pra hoje o Paraobeba já subiu de nível, como explicou o guarda indígena Tarrão. “Já dá para ver que a lama invadiu um pouco mais. Peixe aqui não existe. Só morto”, conta o guarda.

Ontem, a Funai esteve no local e trouxe doações, especialmente de água potável já que eles bebiam a água do Rio. A mulher do cacique é presidente da Federação dos Povos Indígenas do Brasil. Ãngohó cobra explicações das autoridades, já que nem a Vale e nem a Defesa Civil não visitaram a tribo desde a tragédia.

“Ficamos olhando até onde vai a ganância dos homens. Queria saber dos governantes e do pessoal da Vale se o cérebro deles é de minério. Eles não raciocinam. Será que eles consegue dormir em paz? Imagina se o filho deles pede água e na torneira deles saísse essa água vermelha”, Lamenta Ãngohó.

Tradicionalmente, os índios fazem a Festa das Águas e fumam o timberio, um cachimbo que leva aneska, capim de aruanda, alecrim em uma mistura que eles chamam de Xanduca. Nos últimos rituais, eles agradeceram por não terem sido atingidos pela lama e pediram desculpas para natureza pelo que aconteceu.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Aldeia indígena atingida pela lama reclama do descaso da Vale e de autoridades de MG - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV