Confrontar a realidade: o que faltou ao retiro dos bispos dos EUA

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • ‘Cultura do descarte e do ódio’ de governantes atuais lembra Hitler, confessa papa Francisco

    LER MAIS
  • O que suponho que Lula deveria dizer. Artigo de Tarso Genro

    LER MAIS
  • Bolívia. Breve reflexão a partir do golpe de Estado de 10 de novembro de 2019

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

21 Janeiro 2019

A maior parte do falatório do frei capuchinho Raniero Cantalamessa no retiro dos bispos dos Estados Unidos presume que não há nada muito errado com o status quo. Ele parece indiferente à profundidade do problema ou ao modo como ele foi perturbador para as vítimas, suas famílias e, por extensão, para a comunidade católica mais ampla.

Publicamos aqui o editorial do National Catholic Reporter, 18-01-2019. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

Foi um evento altamente incomum quando a maioria dos bispos dos Estados Unidos se reuniram para um retiro de uma semana no início de janeiro, no Seminário Mundelein, nos arredores de Chicago. O evento foi impulsionado por um problema muito incomum e debilitante, a crise dos abusos sexuais do clero, que atormentou a Igreja nos Estados Unidos durante quase 34 anos.

O evento em si pode ter sido o objetivo principal – reunir um grupo de homens publicamente divididos sobre uma série de questões para rezarem e meditarem longe das pressões diárias. Só o tempo dirá se haverá benefícios em longo prazo.

Mais imediatamente, entretanto, o ponto central do encontro, no que se refere ao escândalo dos abusos, permanece bastante intrigante, particularmente à luz das 11 palestras proferidas pelo frei capuchinho Raniero Cantalamessa, pregador oficial da Casa Papal.

Ele começou anunciando que o encargo que recebeu do Papa Francisco era para que ele “conduzisse uma semana de Exercícios Espirituais para a Conferência Episcopal, para que os bispos, longe de seus compromissos diários, em um clima de oração e silêncio e em um encontro pessoal com o Senhor, pudessem receber a força e a luz do Espírito Santo para encontrar a solução certa para os problemas que afligem a Igreja dos Estados Unidos hoje”.

A esse respeito, ele disse: “Não vou falar sobre pedofilia ou dar conselhos sobre eventuais soluções. Essa não é a minha tarefa, e eu não teria competência para fazer isso”.

Está além da nossa competência e do espaço, aqui, lidar com autoridade com a efusão de erudição de Cantalamessa, um rio de palavras que conduziu os bispos por meio de discursos sobre o querigma, a ascese cristã, a oração, a espiritualidade, a conversão, a centralidade da pessoa de Jesus, todos entrelaçados com estudos bíblicos, teólogos da era moderna, a obra de Francisco, referências à cultura pop e uma análise ininterruptamente sombria da cultura contemporânea.

Mas não está além da nossa competência fazer perguntas. E há perguntas em abundância, especialmente rumo ao encontro em fevereiro, em Roma, dos presidentes das Conferências Episcopais de todo o mundo.

Primeiro, se a crise dos abusos sexuais e a sua má gestão por parte dos bispos foram o ímpeto para o retiro, por que isso foi retirado da pauta como um tópico a ser abordado? Por que os Exercícios Espirituais não poderiam envolver o fato de conduzir os bispos, de modo corporativo, aos requisitos básicos da tradição – dizer a verdade, arrepender-se, buscar o perdão – necessários para a reconciliação e para a reconstrução da confiança junto à comunidade?

Parece-nos que a maior parte do falatório de Cantalamessa presume que não há nada muito errado com o status quo. Ele parece indiferente à profundidade do problema ou ao modo como ele foi perturbador para as vítimas, suas famílias e, por extensão, para a comunidade católica mais ampla.

De fato, no início dos trabalhos, o pregador do papa, citando “A nuvem do desconhecimento” sobre a contemplação, urge os bispos a colocarem “uma nuvem de esquecimento” abaixo deles, deixando para trás “todo problema, projeto ou ansiedade que possamos ter neste momento”. Se o restante da Igreja tivesse tal luxo à disposição...

Cantalamessa vê a possibilidade de que o escândalo tenha levado a uma Igreja “muito mais evangélica e humilde”, “mais livre do poder mundano”.

A Igreja certamente foi humilhada, mas isso é principalmente o resultado de forças externas. Resta saber se ela realmente pode abraçar a humildade exigida.

Em uma seção que achamos especialmente infeliz, Cantalamessa reflete sobre a agonia de Cristo no horto.

“Devido aos escândalos da pedofilia, muitos bispos da Igreja Católica, a começar pelo bispo de Roma, estão experimentando agora exatamente o que Jesus experimentou no Getsêmani. Como vimos, a causa última do seu sofrimento (...) consistiu em tomar sobre si pecados que ele não havia cometido e em assumir a responsabilidade por eles diante do Pai.”

Deixaremos aos estudiosos a disputa por essa interpretação, mas não é preciso ser especialista para saber que a comparação é lamentavelmente despropositada. Ela poderia funcionar melhor se o pregador tivesse colocado as vítimas no horto. Os bispos foram levados a fazer um retiro não porque estivessem carregando os pecados dos outros, mas por causa daquilo que eles e seus coirmãos fizeram ou deixaram de fazer ao longo de décadas. Nesse exemplo, eles não se comparam muito favoravelmente com Jesus.

Esperamos que o encontro de fevereiro ofereça um confronto da realidade mais estimulante sobre a necessidade de uma reforma profunda das estruturas da Igreja e da cultura clerical.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Confrontar a realidade: o que faltou ao retiro dos bispos dos EUA - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV