Indígenas têm casa incendiada no interior do AC e acreditam que ato foi criminoso: ‘perseguição’

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • Aumento da miséria extrema, informalidade e desigualdade marcam os dois anos da Reforma Trabalhista

    LER MAIS
  • Hospitalidade eucarística: “A decisão passa agora para a Conferência Episcopal”

    LER MAIS
  • Mais um golpe... em nome de Deus

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

03 Janeiro 2019

Casal estava em um seminário, na Comunidade São Francisco, em Feijó, quando casa pegou fogo. Família precisa de roupas, móveis, eletrodomésticos, entre outros objetos.

A reportagem é de Aline Nascimento, publicada por G1, 02-01-2019.

O casal de indígenas Veronilsa Lima Kaninawá, de 23 anos e Rui Nunes Kaxinawá, de 31 anos, começou uma campanha para arrecadar roupas, eletrodomésticos, móveis e outros objetos após perder tudo em um incêndio.

O fogo consumiu a casa da família e tudo que tinha dentro neste sábado (29), na Comunidade São Francisco, no Baixo Rio Envira, em Feijó, interior do Acre.

Os dois têm três filhos, de 13, 9 e 3 anos, e são da etnia Huni Kuin. Segundo Veronilsa, a família estava em um seminário, promovido pelo marido dela, quando o fogo iniciou. Ela acredita que o incêndio foi criminoso.

“Não sabemos quem foi. Meu esposo é uma liderança e tínhamos marcado uma reunião com a comunidade sobre os planejamentos para o próximo ano. Fizemos um seminário de dois dias, na sexta[27] e sábado [28]. Minha filha que avistou e avisou. Todo mundo da reunião correu para lá, mas quando chegamos o fogo estava invadindo o quarto e não deu tempo de tirar nada”, disse.

Ainda segundo a indígena, o casal pode ter sido vítima de inveja. Ela afirmou também que utilizaram gasolina para queimar a casa.

“Perdemos documentos, roupas. Vejo que é uma questão de inveja e perseguição porque meu esposo vem batalhando para defender. Ele não quer ver os índios se prostituindo, e sempre dá conselhos para os jovens sair do alcoolismo, drogas. Tem gente que não aceita. Ele não fez mal para ninguém, não deve nada. É uma liderança na aldeia”, contou.

Veronilsa revelou ainda que os criminosos entraram na casa e atearam fogo. Isso porque, segundo ela, uma cachorrinha que estava presa na residência foi solta antes do incêndio começar.

“Acho que as pessoas entraram na minha casa porque a cachorra saiu e foi para onde a gente estava. Achei que minha filha tinha ido em casa, mas foram os bandidos. Queremos ajuda. Tudo que poderem dar para a gente, estou passando por momentos difíceis. Não tenho nada nesse momento. Final de ano triste. Meus filhos ficaram com trauma”, lamentou.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Indígenas têm casa incendiada no interior do AC e acreditam que ato foi criminoso: ‘perseguição’ - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV