Marco, monstruosidade ou mentira?

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa aprovará padres casados na Amazônia, afirma teólogo

    LER MAIS
  • “A capacidade de constituição de novos horizontes da esquerda brasileira, hoje, é nula”. Entrevista com Vladimir Safatle

    LER MAIS
  • Depressão vertiginosa que o Brasil atravessa também é herança da esquerda, diz Le Monde

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

27 Novembro 2018

Já falamos aqui algumas vezes da técnica CRISPR, técnica usada desde 2012 em todo o mundo para fazer edição de genes a partir da imitação de um mecanismo de combate a vírus usado por uma bactéria que “pica” o DNA do invasor. Pois um cientista da Universidade de Shenzhen chamado He Jiankui parece ter ultrapassado algumas barreiras éticas no seu uso. Ele anunciou no YouTube (e a história já começa estranha por isso) ter criado os primeiros bebês geneticamente modificados do mundo, embora não tenha publicado a experiência em nenhuma revista científica especializada. Além disso, teria usado a CRISPR em dois embriões fecundados por inseminação artificial feita por um casal em que um dos membros é portador do HIV de modo que o gene CCR5, porta de entrada do vírus no sistema imunológico humano, fosse inibido. Nasceram duas meninas, Lulu e Nana.

A informação é publicada por Outra Saúde, 27-11-2018.

A notícia foi recebida pela comunidade científica como um álbum surpresa da cantora Beyoncé seria recebido pela população em geral, compara o site especializado STAT. O suposto ‘feito’ do pesquisador chinês não foi verificado por nenhum outro cientista. Mas é o assunto do momento na imprensa internacional e divide opiniões. Alguns acreditam ser um marco na ciência. A maior parte condenou Jiankui.

“Os embriões eram saudáveis, sem doenças conhecidas. A edição genética em si é experimental e ainda está associada a mutações indesejadas, capazes de causar problemas genéticos em etapas iniciais e posteriores da vida, inclusive o desenvolvimento de câncer”, criticou Julian Savulescu, diretor do Centro de Ética da Universidade de Oxford, para quem, se for verdade, a experiência é “monstruosa” e uma “roleta russa genética”. Jiankui se defende, dizendo que não usou a técnica para motivos fúteis, como mudar a cor dos olhos das crianças, mas para “livrá-las de uma doença”.

No STAT, os repórteres contam que Jiankui, que se formou nos Estados Unidos, publicou em 2010 – muito antes da descoberta de que a CRISPR poderia manipular o DNA – um artigo descrevendo a bactéria usada na técnica. Anos depois, voltou para a China, onde não há leis impedindo a experimentação genética em humanos, ao contrário da Europa e dos EUA, onde se encontram os principais grupos de pesquisa da CRISPR. O anúncio, descrevem, foi previamente calculado, e envolveu a contratação de um especialista em relações públicas, entrevistas exclusivas à agência internacional de notícias Associated Press e liberação dos vídeos no YouTube ao mesmo tempo em que o pesquisador anunciava o experimento para um público mais restrito num seminário em Hong Kong.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Marco, monstruosidade ou mentira? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV