Caravana. Tijuana, estação final para migrantes centro-americanos?

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “A Igreja existe para todos, não apenas para aqueles que têm fé”. Entrevista com Tomáš Halík

    LER MAIS
  • Após um longo confinamento litúrgico, o que virá a seguir?

    LER MAIS
  • Para onde vamos? Artigo de Valério Arcary

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


22 Novembro 2018

A caravana de migrantes vindos de países da América Central precisou de quase um mês para atravessar o México. Desde o fim de semana, um grupo avançado de 2,5 mil peregrinos está acampado num ginásio de esportes em Tijuana.

A reportagem é publicada por Deutsche Welle, 22-11-2018.

Apesar de ser bem mais longa, a rota até essa cidade na fronteira dos Estados Unidos foi escolhida por ser mais segura do que aquela que leva a Matamoros, no Golfo do México, sob o controle dos cartéis do narcotráfico. E como a co-organizadora da caravana, a ONG Pueblos Sin Fronteras, está sediada na Califórnia, ela espera encontrar lá mais tolerância por parte das autoridades com os pedidos de refúgio do que, por exemplo, no ultraconservador Texas.

A marcha está, no entanto, suspensa exatamente em Tijuana, onde, nos últimos dias, a guarda de fronteira americana reforçou ainda mais a dupla cerca com arame farpado. A caravana está ameaçada de encalhar no gargalo do deserto californiano, e isso sobretudo por razões políticas.

A impressionante proporção da caravana e o eco midiático que encontrou são uma faca de dois gumes: ambos garantem proteção contra ataques e uma certa infraestrutura, mas representam também um flanco político aberto.

Entre outros para o presidente Donald Trump, que continua tuitando loucamente. Na segunda-feira 19, Trump mandou fechar a fronteira por diversas horas a fim de que se reforçassem as instalações com cimento, despertando descontentamento dos milhares que passam de um lado para o outro diariamente.

O prefeito de Tijuana, o conservador Juan Manuel Gastelúm, aderiu ao coro anti-imigrantes trumpista: "Eu não ouso dizer que todos os migrantes sejam assim, mas alguns são vagabundos, maconheiros, estão atacando famílias em Playas de Tijuana, o que é isso?"

Polícia acirra hostilidades

Numa cidade que vive do comércio transfronteiriço e onde os imigrantes são metade de seus 2 milhões de habitantes, tal comportamento pode parecer estranho. Além disso, Tijuana está longe de ser "tranquila", como observou o colunista Carlos Puig no jornal Milenio: "Sob Gastélum, os assassinatos aumentaram fortemente. Em Tijuana, sete indivíduos são mortos diariamente, e o descarado prefeito pretende que a calma e segurança estejam ameaçadas pelos migrantes."

Além disso, nessa cidade pela primeira vez a grande solidariedade dos mexicanos deu lugar à hostilidade, com duas pequenas manifestações contra os migrantes nos últimos dias. "Em Tijuana estão sempre chegando grupos de migrantes. Mas o tamanho dessa caravana desperta sentimentos de ameaça", comentou o sociólogo José Moreno Mena ao portal Frontera.

Nos próximos dias são esperados outros 3 mil peregrinos. É um coquetel potencialmente explosivo, pois, antes mesmo da chegada da caravana, as capacidades da cidade de fronteira estavam praticamente esgotadas. Centenas vão parar lá diariamente, de um lado centro-americanos a caminho dos EUA, do outro mexicanos expulsos dos EUA.

Há alguns "comedores" organizados por voluntários, onde se distribuem refeições, assim como cerca de mil leitos temporários nos abrigos para migrantes das igrejas. Mas eles são apenas paliativos. Nas ruas do centro, centenas tentam sobreviver dia após dia com mini-empregos, vendendo doces, limpando para-brisas, ou transportando mercadorias na feira.

Esperanças no Canadá

Poucos conseguem chegar legalmente aos EUA, cujas autoridades de fronteira só aceitam de 30 a 50 solicitações de refúgio por dia e mantêm uma longa lista de espera.

As chances para os migrantes são parcas, admite o padre Alejandro Solalinde, diretor de um albergue para migrantes e coordenador da pastoral pela mobilidade humana. "Na verdade só há duas opções: ou eles permanecem no México, onde o novo presidente, Andrés Manuel López Obrador, lhes ofereceu trabalho, ou depositam suas esperanças numa ponte aérea e marítima e refúgio no Canadá", comenta.

O arcebispo canadense Leonardo Marin Saavedra foi quem abriu essa possibilidade para os migrantes ao mencionar, no ginásio de esportes em Tijuana, que o governo em Ottawa estudava uma proposta nesse sentido. Os traslados não começarão, porém, antes do início de 2019, e só para os que forem aceitos pelo Canadá. Até lá, eles frequentam cursos de inglês e treinamento profissional em Tijuana.

Cabe ver se nesse meio tempo a situação seguirá fermentando na cidade mexicana, ou se após algum tempo os centro-americanos vão se dispersar e se integrar, como ocorrido recentemente com uma onda de migrantes haitianos.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Caravana. Tijuana, estação final para migrantes centro-americanos? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV